Ex-aluno da Unicamp assume presidência mundial da Qualcomm

O engenheiro Cristiano Rennó Amon assume nesta quinta-feira (4) a presidência mundial da Qualcomm Incorporated, holding sediada nos Estados Unidos e uma das líderes em soluções tecnológicas em telecomunicações e fabricação de chips. Cristiano Amon foi estudante da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) da Unicamp entre 1988 e 1992. Após se graduar como engenheiro elétrico, Cristiano atuou na NEC do Brasil e Ericsson, ingressando na Qualcomm em 1995.

Imagem montada com Cristiano Amon à direita, com roupa social e olhando para frente, e à esquerda o prédio com janelas espelhadas da sede da Qualcomm

No começo dos anos 2000 Cristiano Amon foi diretor chefe de tecnologia da operadora de telefonia brasileira Vésper, empresa controlada pela Qualcomm e posteriormente vendida para a Embratel/Claro. Atuou em diversos cargos operacionais e gerenciais na Qualcomm nos Estados Unidos, desenvolvendo e implantando a tecnologia CDMA de telefonia móvel em diversos países.

A partir de agora, Cristiano Amon irá formular e gerar estratégias para o crescimento da Qualcomm em suas principais frentes de atuação, bem como identificar novas oportunidades de negócios. Até assumir a presidência do grupo, Cristiano Amon atuava como vice-presidente executivo da divisão de chips, sendo responsável pelo crescimento da empresa a partir da fabricação de chips na China e prospecção de novos mercados. Foi ainda presidente da QCT, subsidiária responsável pela área de semicondutores, e membro do comitê executivo da Qualcomm.

A Qualcomm, fundada em 1985, fabrica chipsets para celulares de tecnologia CDMA e W-CDMA e atuou no desenvolvimento dos padrões de tecnologia 3G e 4G. A empresa produz os processadores da marca Snapdragon para smartphones de diversos fabricantes. Possui sede em São Diego, EUA, e atua em mais de 40 países. No Brasil a Qualcomm possui escritórios em São Paulo e Brasília, e anunciou no último ano o projeto de instalação de uma nova fábrica de semicondutores em Campinas.