Portal de Periódicos Eletrônicos Científicos da Unicamp ultrapassa 1 milhão de acessos em 2017

graficos

Com apenas dois anos de existência, o Portal de Periódicos Eletrônicos Científicos (PPEC) da Unicamp já é referência, tendo computado 1.309.872 acessos e 1.261.595 downloads, de 119 países, durante 2017. “Esses números mostram o sucesso do projeto em dar visibilidade aos periódicos editados pela Unicamp. Os 45 títulos, publicados pelos institutos, faculdades e órgãos da Universidade, estavam espalhados e muitas vezes não possuíam versão digital, nem página na internet, o que comprometia sua visibilidade e qualificação. Hoje, 30 deles já estão disponíveis no portal”, contou Regiane Alcantara Bracchi, coordenadora do Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU).

mulher sentada a frente de um computador
Regiane Alcantara Bracchi, coordenadora do Sistema de Bibliotecas da Unicamp

O SBU, com o apoio da Coordenadoria Geral da Universidade (CGU), é responsável pelo desenvolvimento do projeto, que foi idealizado pelo bibliotecário Gildenir Carolino Santos em seu pós-doutorado. De acordo com Santos, a plataforma além de congregar as publicações editadas no âmbito da Universidade, visa garantir a disseminação e o acesso a esses títulos. Para ingressar no Portal, as publicações devem cumprir 13 requisitos básicos que visam adequá-las às regras e padrões internacionais. Dessa forma, as publicações passam a ser indexadas nos grandes bancos de dados e ganham visibilidade internacional.
A partir do próximo ano, os periódicos que não cumprirem os requisitos contarão com o apoio de uma incubadora, que dará suporte para que possam se desenvolver e atingir os critérios exigidos. O PPEC é uma iniciativa no âmbito do Open Access, movimento mundial, que tem como objetivo ampliar o acesso aos resultados da produção científica, funcionando através do software Open Journal System. 

homem sentado a mesa com laptop
Gildenir Carolino Santos idealizador do projeto

Segundo Marina Vieira da Silva, editora da Revista Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), a presença no Portal constituiu um importante marco na história da Revista. “Não sobram dúvidas que o fato de integrar o Portal faz com que a revista Segurança Alimentar e Nutricional tenha uma difusão expressiva de seus artigos nacional e internacionalmente”, afirmou.

Para o idealizador do PPEC dois fatores foram os principais responsáveis pelo rápido crescimento no número de acessos ao Portal: o DOI, sigla em inglês para Digital Object Identifier, e o ORCiD, sigla em inglês para Open Researcher and Contributor ID. Ambos são links persistentes, que permitem que periódicos e autores sejam localizáveis na internet. “Mudanças de servidor e alterações no nome dos pesquisadores comprometem a recuperação da produção científica, alterando inclusive os indicadores de produtividade da universidade”, explicou Regiane. Segundo ela, estas ferramentas funcionam como “RGs” dos objetos publicados e dos pesquisadores, com validade internacional.

O próximo projeto, que está sendo desenvolvido pela equipe do SBU, é o portal de livros eletrônicos abertos da Universidade. “São iniciativas que seguem as tendências internacionais, buscando garantir maior visibilidade dos resultados das pesquisas e melhor qualificação da publicação científica aqui produzida”, pontuou a coordenadora.

Imagem de capa

graficos
graficos