Laboratório do Hub Viva Bem é inaugurado na Universidade

Autoria
Edição de imagem
Cerimônia destacou
Em cerimônia, o coordenador do projeto Anderson Rocha (em pé) listou os focos das pesquisas em doenças como hipertensão, diabetes e Parkinson 

O laboratório do Viva Bem – Projeto de Inteligência Artificial para Saúde e Bem-Estar, lançado a partir de uma parceria da Unicamp com a Samsung e o Instituto SiDi, abriu suas portas oficialmente nesta quarta-feira (30). Instalado no Instituto de Computação (IC) da Unicamp, o espaço é a mais nova conquista de um hub que reúne inteligência artificial (IA), biotecnologia, nanotecnologia, robótica e internet a fim de pensar soluções para as áreas da saúde e do bem-estar. Sua inauguração contou com as presenças de Antonio José de Almeida Meirelles, reitor da Universidade, Eduardo Conejo, gerente sênior de inovação da Samsung, e Carlos Américo Pacheco, diretor presidente do conselho técnico-administrativo da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Também participou do evento o coordenador do projeto, professor Anderson Rocha.

Fruto de uma década de parcerias com a Samsung, o Viva Bem reúne pesquisadores de cinco unidades da Unicamp: o Instituto de Física Gleb Wataghin, a Faculdade de Educação Física, a Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação e a Faculdade de Ciências Médicas, além do próprio IC. Para o reitor, a colaboração entre diferentes áreas favorece a inovação. “É muito positivo ver tantas unidades em um projeto dessa envergadura. Precisamos que nosso conhecimento gere impacto na sociedade, na vida das pessoas”, observa.

O objetivo da parceria é desenvolver tecnologias que possam auxiliar na investigação de problemas de saúde por meio da captação de biossinais – como batimentos cardíacos, informações cerebrais, tremores e perda de massa muscular – a serem analisados pela IA. Os focos das pesquisas abrangem de doenças como hipertensão, diabetes e Parkinson a ansiedade, desordens do sono e perda de massa muscular, lista Anderson Rocha. “Nós queremos contribuir para a identificação de padrões que possibilitem uma mudança de perspectiva na saúde, antecipando algumas previsões. Para que a nossa atuação seja mais proativa, e menos reativa”, explica.

##
A instalação conta com postos de trabalho para 47 pesquisadores, entre mestrandos, doutorandos, pós-doutorandos, docentes e graduandos

Rocha acredita que a junção de recursos públicos e privados, além de viabilizar a retenção de recursos humanos em uma época de alta competitividade no mercado de trabalho, facilita a pesquisa focada em desenvolvimento de tecnologias. “Já temos alguns resultados interessantes, que podem vir a se tornar produtos do nosso parceiro”, revela.

Construído a toque de caixa, o laboratório do Viva Bem levou dez meses para ficar pronto. A instalação conta com postos para 47 pesquisadores, entre mestrandos, doutorandos, pós-doutorandos, docentes e graduandos, trabalharem diariamente e conta também com uma sala de reuniões para até dez pessoas. O projeto foi financiado com recursos da Samsung, do IC e da Reitoria da Unicamp. No total, o hub conta com 60 pesquisadores.

Leia mais:

Projeto Viva Bem mobiliza Unicamp em parceria com SiDi e Samsung

Imagem de capa
Fruto de uma década de parcerias com a Samsung, o Viva Bem reúne pesquisadores de cinco unidades da Unicamp: o IFGW, a FEF, a FEEC e a FCM, além do próprio IC.

twitter_icofacebook_ico

Comunidade Interna

O grupo é composto por 65 intercambistas de graduação, que farão disciplinas isoladas em diferentes cursos, e 70 alunos regulares de pós-graduação

No espaço, o cliente escolhe o produto, faz o pagamento e prepara sua refeição nos equipamentos de apoio disponíveis no local;  a loja funciona 24 horas por dia, ininterruptamente

Atualidades

Professor do Instituto de Geociências e autor do livro “Africano: uma introdução ao continente”, Kauê Lopes dos Santos comenta aproximação com países como Egito e Etiópia

Estudos anteriores já apontavam a proteína MKK3 como um fator importante na sobrevivência e proliferação de células tumorais

Diversas iniciativas são realizadas nos meses de janeiro e fevereiro com o intuito de fomentar a formação continuada dos estudantes universitários

Cultura & Sociedade

O evento acontecerá entre os dias 29 de fevereiro e 10 de março; a obra ESTAFA ou sobre os sonhos não dormidos foi selecionada na categoria de peças internacionais

Estudo pioneiro foi realizado no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás; o papel da biodiversidade é fundamental no aumento da resistência à invasão biológica