Desafios do ensino superior são tema do VI Inovações Curriculares

auditório com muitas pessoas assistindo a mesa de abertura de evento

“O principal desafio nesse momento é a valorização do trabalho do docente na universidade. Não só por conta da crise geral que  estamos vivendo no país, mas também pelo avanço predatório das instituições privadas financistas nas quais os professores são simples executores tarefeiros. Não dá para falar em inovação curricular sem considerarmos a importância do sujeito que faz a universidade, os professores”, defendeu Selma Garrido Pimenta, professora da Faculdade de Educação (FE) e ex-pró-reitora de Graduação da Universidade de São Paulo (USP), que proferiu a conferência de abertura do VI Inovações Curriculares, na manhã desta sexta-feira (1), no Centro de Convenções da Unicamp. Evento será mostrado ao vivo na sexta (1) e sábado (2), das 9 às 17 horas,  no link.

O evento, promovido pela Pró-Reitoria de Graduação (PRG) da Unicamp, através de seus órgãos [EA]2 (Espaço de Apoio ao Ensino e Aprendizagem) e GGTE (Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais), em parceria com a Faculdade de Educação, reuniu mais de 660 participantes, das diferentes áreas do conhecimento e de todo país, para discutir o tema Desafios do ensino superior. “A ideia é não apenas compartilharmos os projetos de inovação curriculares que acontecem entre as unidades na Unicamp, mas também os de colegas de outras universidades, pesquisadores, professores e profissionais, para que possamos fortalecer nossas ações para os cursos de graduação”, relatou Soely Polydoro, coordenadora do [EA]². 

Segundo a pró-reitora de graduação, Eliana Amaral, essa edição do seminário acontece em um momento muito importante, no qual a Universidade repensa sua graduação. “O evento permite discutir possibilidades e estratégias pedagógicas, além de pensar no currículo e na própria carreira docente. São questões que afetam diretamente a permanência estudantil e o sucesso do desempenho acadêmico do estudante”, explicou.

Para o reitor Marcelo Knobel, que compôs a mesa de abertura, as novas formas de ingresso que serão adotadas no próximo ano  exigem também uma revisão sobre o perfil do estudante que está entrando na Universidade e a consequente adaptação dos currículos de acordo com esse perfil.  Conforme destacou a pró-reitora de graduação, “a diversidade é qualificadora do processo formativo, precisamos na verdade nos preparar para aproveitar essa grande oportunidade que vamos ter.”

mulher fala
mesa abertura
mesa
Reitor Marcelo Knobel na abertura do evento
mulher fala
Soely Polydoro, coordenadora do [EA]²
público
Participantes de diversas áreas do conhecimento
mulher fala
Selma Garrido Pimenta, professora da Faculdade de Educação (FE) e ex-pró-reitora de Graduação da USP