100 mil mortos pela Covid-19: nos acostumamos com a morte?

A indiferença social é um ponto de partida da nossa sociedade. As mudanças muito rápidas dos nossos tempos propiciam um vínculo maior com os nossos e uma indiferença com os que não são tão próximos. A covid-19 entra aí, afetando o outro e não a nós mesmos. Parece uma ameaça distante. Mas ninguém nasce indiferente. A gente é educado pra isso. Você vai entender mais sobre isso neste programa.

Nós recebemos o professor de Ética e Filosofia Política, Roberto Romano, aposentado do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, e o sociólogo Roberto Donato, professor da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) Limeira.

Presta atenção só neste trecho da fala do professor Roberto Romano: "Aprendemos a matar e a torturar. Tudo o que é supostamente uma ameaça a nossa família deve ser destruído. Nos acostumamos a matança dos indígenas, da população negra. Aprendemos que homossexuais devem ser mortos, mulheres devem ser submissas. Isso se torna uma ética horrível. Quando chega a pandemia já temos isso instalado. Sofremos muito pelos italianos que são ricos, bonitos e que tem obras de arte, etc, mas não estamos preocupados com a população mais pobre do nosso país. Somos uma sociedade cruel e violenta".