Grupo da Unicamp visita, nos EUA, um dos mais importantes laboratórios de física de partículas do mundo

Autoria
Edição de imagem

Dirigentes e cientistas da Unicamp e de outras instituições de pesquisa de diferentes países participaram na semana passada de uma visita ao Fermilab, um dos mais importantes laboratórios de física de partículas do mundo, localizado nas imediações de Chicago, nos Estados Unidos. Representaram a Unicamp a coordenadora-geral da Universidade, Maria Luiza Moretti, e os docentes Pascoal Pagliuso e Thiago Alegre, ambos do Instituto de Física “Gleb Wataghin” (IFGW).

O Fermilab organizou a visita para que instituições parceiras acompanhassem uma avaliação crítica, conduzida pelo Departamento de Energia (DOE) dos Estados Unidos, sobre o andamento da colaboração internacional que visa à construção de um grande detector subterrâneo de neutrinos (Long Base Neutrino Facility – LBNF) em território norte-americano. O equipamento possibilitará a realização do maior experimento com neutrinos (Deep Underground Neutrino Experiment – DUNE) já feito até hoje, abrindo caminho para o avanço do conhecimento científico acerca da importância dessas partículas na formação do universo.

##
O coordenador do projeto LBNF/DUNE no Brasil, professor Pascoal Pagliuso, faz apresentação para o painel de revisores do Departamento de Energia dos Estados Unidos

A Unicamp está à frente da participação do Brasil no projeto do LBNF/DUNE, que reúne instituições de mais de 35 países sob a liderança do Fermilab. A Universidade é responsável pelo desenvolvimento e posterior produção de dois conjuntos de equipamentos centrais que comporão o laboratório a ser instalado no Estado de Dakota do Sul a 1.500 metros de profundidade. Um dos conjuntos servirá para a detecção de fótons e o outro, para a purificação de argônio líquido.

“O Brasil foi elogiado e reconhecido pelas contribuições científicas importantes alcançadas até o momento na Fase 1 do LBNF/DUNE”, relata Pagliuso, coordenador do projeto no país. “No entanto, os avaliadores do DOE questionaram a falta de uma resposta concreta das agências brasileiras de fomento no que se refere à confirmação do financiamento para a Fase 2 do projeto.”

A Unicamp tem atuado intensamente na busca por recursos para financiar as tarefas que competem ao Brasil. Representantes da reitoria, da direção do IFGW e da coordenação nacional do projeto participaram nos últimos meses de diferentes reuniões com essa finalidade na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), na Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

“Esse projeto colocará a Unicamp em outro patamar de pesquisa quando comparada com outras universidades brasileiras”, afirma Moretti. “A administração central da Universidade dará continuidade aos esforços para a obtenção de recursos junto às agências de fomento, como a Fapesp e o MCTI”, finaliza a coordenadora-geral.

Leia mais: 

Projeto de U$ 3 bi busca desvendar questões sobre a composição do Universo

Workshop celebra parceria entre Unicamp e Fermilab (EUA)

Acordo entre Unicamp e Fermilab formaliza cooperação para estudo de neutrino

Imagem de capa
A coordenadora-geral, professora Maria Luiza Moretti (primeira à direita) com representantes da Unicamp, do Fermilab e de outras instituições parceiras no projeto LBNF/DUNE : visita ao laboratório norte-americano

twitter_icofacebook_ico

Comunidade Interna

Uallace Moreira Lima reafirmou o compromisso do atual governo em apoiar ações e projetos responsáveis por contribuir para o crescimento econômico e sustentável do país

A publicação apresenta um panorama das pesquisas desenvolvidas por estudantes e pesquisadores indígenas nas diferentes regiões do país, em todas as áreas do conhecimento

O grupo é composto por 65 intercambistas de graduação, que farão disciplinas isoladas em diferentes cursos, e 70 alunos regulares de pós-graduação

Atualidades

O encontro reuniu estudiosos do Brasil e do mundo para discutir a forma como as duas áreas devem se preparar a fim de enfrentar os grandes desafios contemporâneos no campo da saúde mental

O projeto “Reator sustentável: constituído por eletrodos de óxidos metálicos e células solares, para aplicações na descontaminação de água ou conversão de CO2 utilizando energia solar” é desenvolvido no âmbito do Centro de Inovação em Novas Energias 

Professor do Instituto de Geociências e autor do livro “Africano: uma introdução ao continente”, Kauê Lopes dos Santos comenta aproximação com países como Egito e Etiópia

Cultura & Sociedade

Escritor e articulista, o sociólogo foi presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais no biênio 2003-2004

O evento acontecerá entre os dias 29 de fevereiro e 10 de março; a obra ESTAFA ou sobre os sonhos não dormidos foi selecionada na categoria de peças internacionais