A Voz do Morro é o primeiro coletivo negro a ter sede própria na Unicamp

Edição de imagem

O coletivo negro A Voz do Morro inaugurou sua sede na Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp. A inauguração foi celebrada como um marco na história da Universidade, por ser esse o primeiro coletivo negro a ter uma sede própria ali. Além do auditório lotado com estudantes, funcionários e professores da faculdade e representantes de diversos coletivos negros, marcaram presença no evento o pró-reitor de Extensão e Cultura, Fernando Coelho, os diretor e diretor associado da Feagri, Angel Pontin Garcia e Rafael Augustus de Oliveira, respectivamente, e a representante do Núcleo de Consciência Negra da Unicamp, Layne Gabriele.  

Para o pró-reitor, a inauguração do espaço é uma celebração pessoal e institucional. "Estar aqui para ver A Voz do Morro estabelecer as suas bases, ser um espaço de acolhimento, um espaço de discussão e troca de experiências, é muito importante", afirmou. Segundo ele, a conquista vai na direção do trabalho que vem sendo desenvolvido pela administração da Universidade e deve contribuir com novos avanços. "A consolidação desse espaço deve aumentar os laços dentro dessa comunidade e também com a administração, permitindo que avance cada vez mais essa integração e inclusão da comunidade preta e parda da nossa Universidade, que é algo extremamente desejável", enfatizou.

Layne Gabriele chamou atenção para o marco que a inauguração representa na história dos coletivos negros. “Que bonito pensar nisso e falar de futuro. Ainda mais quando estamos falando de uma faculdade de engenharia, que é dominada por homens brancos. Que lindo pensar que, hoje, dentro desse espaço, os alunos negros vão ter um espaço para ser acolhidos”, ressaltou.

Fundado em 2020, pouco antes da suspensão das atividades presenciais em virtude da pandemia de covid-19, o coletivo surgiu com o objetivo de ser um espaço de acolhimento e integração e surgiu marcado pela chegada dos primeiros estudantes ingressantes na Feagri por meio das cotas étnico-raciais, conforme relatou Vitor Silva, integrante do A Voz do Morro. "Viemos para receber as demandas relacionadas a atos de racismo e questões voltadas para essa pauta na Universidade. Mas, sobretudo, para ser um espaço de união dos estudantes negros da Unicamp", afirmou.

Para o estudante, agora no mestrado da Feagri, a universidade demorou muito para ter o povo representado dentro dela. "A gente está falando de uma universidade com mais de 50 anos de existência e que só agora isso vem ocorrendo. Mas é importante destacar que, mesmo que tenha demorado, está acontecendo. Está vindo e está vindo com tudo. Que essa conquista sirva de inspiração para os demais coletivos negros da Unicamp e para todo o movimento social", ressaltou Vitor Silva.

Segundo ele, apesar dos avanços evidentes verificados na população estudantil, frutos das ações afirmativas, a diversidade ainda não está refletida no quadro docente, nem no quadro dos funcionários de alto escalão da Universidade. "Os coletivos vêm com duas demandas principais: a primeira é mostrar que chegamos, que estamos aqui, e apresentar esse espaço como um espaço de resistência; e a outra é se somar aos esforços externos à Universidade, para garantir que essas políticas avancem e que se consolidem ao longo do tempo dentro da nossa Universidade", destacou.

"Essa é, seguramente, a ação mais importante da nossa gestão", afirmou Angel Garcia. Para o diretor da Feagri, poder colaborar com o coletivo é também uma forma de retribuição pelo apoio que a administração tem recebido. "Eles são bastante ativos aqui na faculdade. Participam de várias instâncias da administração, nos ajudam em eventos, são realmente parceiros”, afirmou.

Matéria originalmente publicada no site da Proec.

Imagem de capa
Integrantes do Coletivo A Voz do Morro inauguram sua sede, em companhia do pró-reitor de  Extensão e Cultura, Fernando Coelho

twitter_icofacebook_ico

Comunidade Interna

Uallace Moreira Lima reafirmou o compromisso do atual governo em apoiar ações e projetos responsáveis por contribuir para o crescimento econômico e sustentável do país

A publicação apresenta um panorama das pesquisas desenvolvidas por estudantes e pesquisadores indígenas nas diferentes regiões do país, em todas as áreas do conhecimento

O grupo é composto por 65 intercambistas de graduação, que farão disciplinas isoladas em diferentes cursos, e 70 alunos regulares de pós-graduação

Atualidades

O encontro reuniu estudiosos do Brasil e do mundo para discutir a forma como as duas áreas devem se preparar a fim de enfrentar os grandes desafios contemporâneos no campo da saúde mental

O projeto “Reator sustentável: constituído por eletrodos de óxidos metálicos e células solares, para aplicações na descontaminação de água ou conversão de CO2 utilizando energia solar” é desenvolvido no âmbito do Centro de Inovação em Novas Energias 

Professor do Instituto de Geociências e autor do livro “Africano: uma introdução ao continente”, Kauê Lopes dos Santos comenta aproximação com países como Egito e Etiópia

Cultura & Sociedade

Escritor e articulista, o sociólogo foi presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais no biênio 2003-2004

O evento acontecerá entre os dias 29 de fevereiro e 10 de março; a obra ESTAFA ou sobre os sonhos não dormidos foi selecionada na categoria de peças internacionais