Universidades públicas do Estado de São Paulo realizam workshop sobre saúde mental

Edição de imagem

Não existe saúde sem saúde mental. Com essa constatação em mente, um grupo de seis universidades paulistas irá realizar no próximo dia 7 de dezembro o “Workshop Saúde Mental nas Universidades Públicas do Estado de São Paulo”. O evento, que ocorrerá no anfiteatro do Instituto de Otorrinolaringologia & Cirurgia de Cabeça e Pescoço (IOU) da Unicamp, visa reunir profissionais de saúde da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Universidade Federal do ABC (UFABC), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para compartilhar experiências e encontrar soluções criativas que auxiliem na promoção da saúde mental entre a comunidade dessas instituições.

Organizado pela Coordenadoria Geral da Unicamp (CGU), o evento irá disponibilizar 120 vagas presenciais e transmitir as mesas e conferências pelo YouTube. A programação inclui conferências e mesas sobre saúde mental, bem-estar e sofrimento na universidade, bem como a realização de três grupos de trabalho simultâneos, que discutirão temas como bem-estar e saúde mental de alunos, docentes e funcionários. Ao final, relatores apresentarão um levantamento de pontos críticos discutidos pelos participantes a fim de embasar a elaboração de uma carta de intenções.

Segundo a coordenadora-geral da Unicamp, Maria Luiza Moretti, a intenção é entregar essa carta ao governador do Estado de São Paulo e ao futuro ministro da Saúde para que eles tenham ciência do que está sendo realizado por essas universidades e de modo que o documento sirva de inspiração às demais instituições ao redor do país. “Acredito que será de grande relevância ter um documento rico como esse assinado por seis universidades de renome e acho que ele não pode ficar apenas entre nós. Temos muito a acrescentar e penso que isso é um exemplo para outras universidades e escolas de fora do Estado”, destaca.

Reunião ocorrida em setembro de 2022 com as seis universidades participantes, encontro em que começaram a trocar experiências e a pensar em estratégias em conjunto para fortalecer o bem-estar da comunidade acadêmica
Reunião ocorrida em setembro de 2022 com as seis universidades participantes, momento em que começaram a trocar experiências e a pensar em estratégias em conjunto para fortalecer o bem-estar da comunidade acadêmica

Para possibilitar o compartilhamento de suas experiências, cada universidade participante fez um levantamento das principais iniciativas e dos principais desafios enfrentados na promoção, prevenção, tratamento e assistência em termos de saúde mental, por meio de um instrumento de diagnóstico formulado e distribuído pela Unicamp. Embora possuam características bastante diferentes entre si, essas instituições estão procurando, dentro de suas especificidades, criar formas de agir sobre a questão respeitando, cada uma, a sua individualidade.

De acordo com a docente Eloisa Celeri, chefe do Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, houve um aumento muito grande na demanda por questões ligadas à área de saúde mental nas universidades, algo que se intensificou durante a pandemia de covid-19. Somado a isso, há uma limitação de verba e profissionais habilitados a darem conta dessas demandas, o que gera um enorme desafio para as instituições. “Por isso, é muito importante pensar em políticas de prevenção mais do que de intervenção, mas sem esquecer que também temos que tratar quem já está doente”, defende.  

Para a realização do seminário, foram necessárias quatro reuniões preparatórias com representantes das seis universidades participantes. A assessora da CGU Patrícia Leme comenta que esses encontros já representaram um grande ganho de experiência. No entanto a expectativa é que a integração entre as instituições paulistas também resulte na formação de um observatório da saúde mental. “Como será uma iniciativa compartilhada entre as universidades, o objetivo é que ele envolva ensino, pesquisa e extensão, mas essa é uma proposta que vai surgir oficialmente durante o seminário”, explica.

As inscrições para o evento dependem da disponibilidade de vagas e podem ser realizadas por meio de formulário:

Presencial

Online 

Programação

8h30 – Welcome Coffee

9h às 9h30 – Abertura do evento 

9h30 às 10h15 – Conferência: “Saúde Mental na Universidade, Saúde Mental da Universidade”. Palestrante: José Manoel Bertolote – Unesp

10h15 às 12h – Mesa: “Bem-Estar e Sofrimento nas Universidades”. Palestrantes: Rosana Onocko – Unicamp; Miriam Debieux – USP; Profa. Dra. Maria de Jesus – UFSCar

12h às 13h30 – Almoço

13h30 às 15h30 – Três grupos simultâneos de trabalho: alunos, docentes e funcionários

15h30 às 15h45 ­– Coffee break

15h45 às 17h – Apresentação dos três relatores com o levantamento de pontos para a elaboração de uma carta de intenções

17h – Encerramento

Leia mais: 

Universidades paulistas articulam rede para aprimorar políticas de saúde mental

Imagem de capa
As organizadoras do “Workshop Saúde Mental nas Universidades Públicas do Estado de São Paulo”, Maria Luiza Moretti, Patrícia Leme e Eloisa Celeri:evento acontece no dia 7 de dezembro e disponibilizará 120 vagas presenciais

twitter_icofacebook_ico

Comunidade Interna

O objetivo da reunião foi apresentar a experiência da Unicamp na aquisição de energia elétrica no Ambiente de Contratação Livre 

Modalidade oferecida pela Unicamp para financiamento de projetos de ensino, pesquisa e extensão completa 20 anos

Atualidades

Evento começou esta semana no Instituto de Computação e conta com aulas teóricas, simulados e palestras com patrocinadores

José Ricardo Teixeira Junior (IB) e Geovane Augusto Gaia Vieira (IG) vão para as universidades norte-americanas de Yale e UCLA, respectivamente

Artigo destaca a relevância das pesquisas acadêmicas sobre direitos humanos

Cultura & Sociedade

Instituto reúne grupos de pesquisa de 24 instituições e deve fortalecer os estudos de gênero no país; a coordenação é das docentes Viviane Resende, da Universidade de Brasília e Karla Bessa, do Núcleo de Estudos de Gênero (Pagu) da Unicamp

Atividade será uma das primeiras iniciativas a partir de parceria com a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer de Campinas