Rede de fibra óptica de alta velocidade vai conectar universidades paulistas

Edição de imagem

Foi lançada na quinta-feira (29/09) uma rede de fibra óptica de alta velocidade que permitirá a conexão das universidades paulistas entre si e com instituições do exterior para compartilhamento de dados científicos, materiais didáticos e processamento computacional de alto desempenho. Além disso, essa rede poderá servir como um ambiente multiusuário para pesquisa na área de engenharia e de computação.

Batizada de Backbone SP, a rede interligará a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual Paulista (Unesp), a Universidade Presbiteriana Mackenzie, além da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Universidade Federal do ABC (UFABC) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Desenvolvido ao longo dos dois últimos anos, o Backbone SP será operado pela Research and Education Network at São Paulo (Rednesp), a antiga Rede ANSP, apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

“A Rede ANSP, criada em 1988 pela Fapesp para atender às três universidades estaduais paulistas [USP, Unesp e Unicamp], rapidamente abriu caminho para a internet no Brasil. Até 2020, foram aportados US$ 125 milhões para a gestão dela”, disse Marco Antonio Zago, presidente da Fundação, na abertura do evento.

O Backbone SP interligará as oito universidades paulistas a uma velocidade de 100 Gigabits por segundo (Gbps), que é mais do que suficiente para atender à demanda atual dessas instituições de pesquisa, mas é escalável e pode ser aumentada de acordo com a necessidade.

“O uso de dados é cada vez mais crítico. Essa infraestrutura é fundamental para toda a ciência que é feita no Estado de São Paulo e é importante que seja usada da melhor forma possível”, avaliou Luiz Eugênio Mello, diretor científico da Fapesp.

De acordo com João Eduardo Ferreira, coordenador da Rednesp, o Backbone SP também será a espinha dorsal para a conexão das universidades paulistas às redes acadêmicas internacionais, feita por meio de cabos submarinos localizados nos oceanos Atlântico e Pacífico. Além desses dois cabos, foi contratado um terceiro para assegurar a conexão em caso de eventuais problemas nos dois links internacionais.

Por meio desses links, a Redenesp fica vinculada às redes acadêmicas internacionais, como a Americas Africa Lightpaths (AmLight) e a RedCLARA, da América Latina.

“Estamos pareados agora, do ponto de vista de capacidade de transmissão, com os backbones internacionais”, afirmou Ferreira.

Laboratório de Fibra Óptica do Instituto de Física Gleb Wataghin; o Backbone SP interligará as oito universidades paulistas a uma velocidade de 100 Gigabits por segundo (Gbps)
Laboratório de Fibra Óptica do Instituto de Física Gleb Wataghin; o Backbone SP interligará as oito universidades paulistas a uma velocidade de 100 Gigabits por segundo (Gbps) 

Infovia para redes privadas 5G

O Backbone SP também está preparado para viabilizar conexões de iniciativas das universidades paulistas que demandem maior largura de banda, como redes 5G privadas.

Baseado em tráfego de dados, o padrão de tecnologia de quinta geração para redes móveis e de banda larga está possibilitando o surgimento de redes privadas para interligação de diversos dispositivos baseados na internet das coisas (IoT, na sigla em inglês).

“O que estamos propondo como próximo passo é que o Backbone SP sirva como uma infovia para trocar dados das redes 5G privadas, que, apesar de fechadas entre si, precisam se comunicar e interligar todos esses dispositivos de conectividade das universidades como alternativa à infraestrutura de comunicação de longa distância disponibilizada pelas operadoras”, diz Ferreira.

A fim de demonstrar a viabilidade da ideia, os pesquisadores da Rednesp, em parceria com a Nokia, colocaram em funcionamento uma rede privada 5G.

“Além de permitir aumentar a eficiência na troca de dados científicos, materiais didáticos e processamento de alto desempenho, o Backbone SP também será um ecossistema de conectividade”, avaliou Ferreira.

Maior ponto de tráfego do mundo

São Paulo já é o maior ponto de tráfego de internet do mundo. A marca foi atingida em março de 2021, durante a pandemia de covid-19, destacou Demi Getschko, diretor-presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

“Passamos Frankfurt [Alemanha], que era o maior do mundo. Isso aconteceu porque aqui há pessoas que cooperam para que isso funcione da melhor maneira possível. Estamos orgulhosos de que isso funcionou e que a internet continua sendo desenvolvida em um esquema de cooperação voluntária e adequada”, avaliou Getschko.

O especialista foi responsável pela implantação do Centro de Processamento de Dados (CPD) da Fapesp em 1991, quando começaram a se materializar os primeiros passos rumo à viabilização da internet no Brasil.

“O primeiro ponto de troca de tráfego de internet no Brasil foi instalado no prédio da Fapesp entre 1996 e 1997”, lembrou.

Matéria originalmente publicada no site da Agência Fapesp.

Imagem de capa
Laboratório de fibra óptica IFGW; São Paulo já é o maior ponto de tráfego de internet do mundo

twitter_icofacebook_ico

Atualidades

Obra reúne acervo de Rogério Cerqueira Leite; edição estará disponível para venda em breve nos sites das editoras

O papel do rap e da educação na busca pela superação do racismo e da violência foi um dos temas debatidos

Foram aprovados os itens: “Prêmio Tese Destaque", a prorrogação da licença paternidade para servidores e recursos adicionais para o desenvolvimento de dois projetos no âmbito do Plano Plurianual de Investimentos (PPI)

Cultura & Sociedade

O evento foi organizado pela Proec e reuniu mais de 700 participantes, de oito estados, com a apresentação de 189 trabalhos; confira a reportagem completa sobre as palestras e entrevistas com os convidados 

Fruto de parceria com jovens indígenas do país, obra “Still I Rise” traz relatos de experiências de impacto para o empoderamento de povos originários