Experimento sobre floresta tropical começa em Campinas

Autoria
Edição de imagem
Vídeo

A primeira torre do AmazonFace, experimento de fertilização por gás carbônico, passou pelo primeiro processo de montagem nesta quinta-feira, 25 de agosto, na empresa fabricante, em Campinas. O programa de pesquisa internacional, coordenado por David Lapola, do Centro de Pesquisas Meteorológias e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Unicamp, e Carlos Alberto Quesada, do Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (INPA), vai investigar de que modo as mudanças climáticas afetam a floresta Amazônica.

Serão construídas 32 torres na primeira fase do projeto. A estrutura dessas torres é de alumínio, pesando em média uma tonelada e tendo 35 metros de altura. Prevê-se que as estruturas serão remontadas, mais tarde, na floresta, formando inicialmente dois anéis com 16 torres cada um. Na fase final do projeto, prevista para 2024, o total será de seis anéis.

A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias 

A montagem da primeira torre levou quase dois dias e envolveu um conjunto complexo de esforços, com a participação de engenheiros e técnicos, tendo por intenção simular o que vai ser feito futuramente em área de mata fechada, onde o acesso a recursos é mais difícil. Outra dificuldade é o fato de essa ser a primeira torre do tipo em um experimento de dimensões nunca testadas em uma floresta tropical.

A tecnologia Face já foi aplicada em florestas de regiões temperadas, nos EUA e Reino Unido, e consiste na liberação de gás carbônico em grandes áreas ao ar livre, visando ao menor impacto possível no ambiente.

Todo o processo de emissão do gás é controlado por meio de algoritmos e permite respostas de longo prazo e em grande escala. Por meio dessa tecnologia é possível acelerar o processo de pesquisa sobre as reações da biodiversidade quando sujeita a volumes maiores de emissão do principal gás do efeito estufa. Os coordenadores do projeto assumiram o compromisso de fazer a compensação por todo o CO2 emitido durante o projeto, em todas as suas fases.

O programa recebeu uma verba de R$ 17 milhões do governo britânico e a partir do ano que vem deve receber outros R$ 32 milhões do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações do Brasil para construção de mais quatro anéis. Dois anéis das torres vão ser instalados em uma reserva do INPA, localizada a cerca de 60 km de Manaus até março de 2023.

Veja imagens da montagem dos anéis das torres de alumínio:  

##

A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias
A montagem da primeira torre levou quase dois dias
Um dos coordenadores do projeto David Lapola, do Cepagri
Um dos coordenadores do projeto, Carlos Alberto Quesada, do INPA
Imagem de capa
A primeira torre do AmazonFace, experimento de fertilização por gás carbônico, passou pelo primeiro processo de montagem nesta quinta-feira, 25 de agosto

twitter_icofacebook_ico

Comunidade Interna

Uallace Moreira Lima reafirmou o compromisso do atual governo em apoiar ações e projetos responsáveis por contribuir para o crescimento econômico e sustentável do país

A publicação apresenta um panorama das pesquisas desenvolvidas por estudantes e pesquisadores indígenas nas diferentes regiões do país, em todas as áreas do conhecimento

O grupo é composto por 65 intercambistas de graduação, que farão disciplinas isoladas em diferentes cursos, e 70 alunos regulares de pós-graduação

Atualidades

O encontro reuniu estudiosos do Brasil e do mundo para discutir a forma como as duas áreas devem se preparar a fim de enfrentar os grandes desafios contemporâneos no campo da saúde mental

O projeto “Reator sustentável: constituído por eletrodos de óxidos metálicos e células solares, para aplicações na descontaminação de água ou conversão de CO2 utilizando energia solar” é desenvolvido no âmbito do Centro de Inovação em Novas Energias 

Professor do Instituto de Geociências e autor do livro “Africano: uma introdução ao continente”, Kauê Lopes dos Santos comenta aproximação com países como Egito e Etiópia

Cultura & Sociedade

Escritor e articulista, o sociólogo foi presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais no biênio 2003-2004

O evento acontecerá entre os dias 29 de fevereiro e 10 de março; a obra ESTAFA ou sobre os sonhos não dormidos foi selecionada na categoria de peças internacionais