Lideranças indígenas destacam educação enquanto instrumento de transformação

audiodescrição: logo do eneiAtualmente, 75 mil estudantes indígenas frequentam o ensino superior do país. Para debater políticas públicas na educação, além de discutir os temas mais importantes do ponto de vista do movimento indígena, universitários de diferentes etnias se reúnem até o dia 29 de julho, na Unicamp, no IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (ENEI), que teve início na terça-feira (26). O reconhecimento do saber dos povos originários pela academia é um dos objetivos centrais dos alunos que, além de enfrentarem os desafios da formação no ensino superior, também lidam com uma conjuntura desfavorável para os indígenas no país.

O esforço para conciliar a luta pela educação e a luta pela terra ganhou destaque já na abertura do IX ENEI. A delegação de estudantes do Mato Grosso do Sul chegou à Unicamp entoando cantos e carregando a faixa “Justiça por Vitor Fernandes”. Fernandes foi assassinado pela Polícia Militar do Mato Grosso do Sul durante a retomada de uma terra dos Guarani e Kaiowá que faz parte do território Guapoy, na reserva indígena Amambai. 

audiodescrição: fotografia colorida
Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas reúne mais de 2 mil universitários

“O Brasil é o quarto país que mais mata ambientalistas, de acordo com relatório da ONG Global Witness. [...] O ano de 2020, analisado na pesquisa ‘Última linha de defesa', foi o mais letal desde o início do levantamento, em 2012. Foram assassinadas 227 pessoas  média de quatro mortes por semana  enquanto tentavam defender seus territórios, o direito à terra, seus meios de subsistência e o meio ambiente”, destacou Arlindo Baré, estudante de Engenharia Elétrica da Unicamp, na abertura do evento.

Estar nas universidades é uma das formas de mobilização dos povos originários, embora seja um desafio conciliar os estudos com a preocupação quanto à situação de parentes, muitas vezes moradores de áreas de conflito. “Para nós que estamos nas aldeias, a missão dos jovens que saem para estudar é muito importante. Muitas vezes vocês [estudantes indígenas] não podem estar acompanhando as lutas e o movimento nas comunidades, mas nós sabemos da sua missão. Nós, lideranças tradicionais, temos respeito, admiração por vocês e acreditamos na luta de vocês”, afirmou Davi Guarani, para quem a resistência e a luta indígena ocorrem em todos os espaços.

audiodescrição: fotografia colorida
Lideranças indígenas participaram da mesa de abertura do IX ENEI (foto: Antoninho Perri)

“Nós queremos ver vocês como dirigentes deste país, como novos cientistas”, disse aos estudantes Álvaro Tukano. Ativista desde os anos 1970, ele aproveitou o momento para também compartilhar suas experiências em relação ao chamado ensino catequizador, com o qual entrou em atrito desde jovem. As violações praticadas por missionários, que invadiam territórios e exploravam o trabalho indígena em sua região, no Alto Solimões, foram denunciadas por ele no IV Tribunal Russell, ocorrido em 1980 na Holanda. Desde aquele período, Álvaro Tukano é um dos porta-vozes do movimento indígena e é reconhecido pelos estudantes como um “avô”, grande aliado e incentivador.

A educação enquanto instrumento de transformação social foi tema destacado também por ativistas e lideranças políticas, como Sonia Guajajara e Chirley Pankará. “Vocês, estudantes, são fundamentais para levar a realidade para dentro das universidades. Nós temos dois caminhos para provocar mudanças na sociedade. O primeiro é a educação e o segundo é a política”, disse Sonia Guajajara, para quem a presença indígena na política institucional é fundamental. Para ela, não é possível pensar em uma democracia brasileira enquanto as populações indígenas e negras continuarem sub-representadas.

audiodescrição: fotografia colorida
Ingresso dos indígenas na Universidade vem aumentando

Universidade em transformação

A presença indígena no ensino superior ainda é baixa, mas vem aumentando. Em 2007, o total era de 7 mil estudantes, número que passou a 75 mil em 2022. Na Unicamp, em 2017 os indígenas matriculados somavam 66, entre graduandos e pós-graduandos. Em 2022, são 387. O reitor da Unicamp, Antonio José de Almeida Meirelles, espera que haja um aumento desse número. “Queremos uma universidade que se aproxime cada vez mais da população do nosso país, que a abrace e que se transforme nesse processo, incorporando temas de pesquisa de forma cada vez mais intensa”.

Os temas da inclusão e da permanência, disse, são preocupações centrais da Universidade, que contribuirá ainda mais para resolver os problemas da sociedade brasileira ao representar mais fielmente a população do país. “É o que aproximará as pessoas que a gente forma, as pesquisas que produzimos e a extensão que realizamos das demandas da sociedade”. 

Também presente na mesa de abertura, o servidor do Ministério da Educação Thiago Tobias lembrou da importância das políticas de democratização do ensino superior, processo que teve como marcos a política de cotas, de 2012, e no ano seguinte a isenção da taxa de inscrição no vestibular e a criação do Programa Bolsa Permanência, da qual participou. Para ele, o Estado brasileiro tem uma dívida histórica com os povos negros e indígenas e precisa promover políticas para essas populações e para os mais pobres. “Para nós, negros e indígenas, a universidade não é só um lugar de pesquisa e de ascensão social. Aqui é um espaço de luta”. 

audiodescrição: fotografia colorida
Abertura do IX ENEI contou com ritual dos pataxós e guaranis e com as cantoras Djuena Tikuna e Tainara Kambeba (foto: Atoninho Perri)

ENEI vai até o dia 29 de julho

A abertura do ENEI reuniu responsáveis pela organização do evento, membros da reitoria da Unicamp e lideranças indígenas. Também houve um ritual de abertura com o coletivo Boca da Mata, formado por pataxós, e com o grupo guarani da Terra Indígena Jaraguá. As cantoras Djuena Tikuna e Taynara Kambeba, ainda, cantaram o hino do Brasil em suas línguas originárias. 

Com o tema “Ancestralidade e Contemporaneidade”, o encontro segue até o dia 29 de julho. A programação completa pode ser acessada na página enei-evento.com.br

audiodescrição: fotografia colorida mostra estudantes indígenas segurando um cartaz com os dizeres justiça para "vitor fernandes"
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida da ativista sônia guajajara no IX ENEI
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida da deputada estadual chirley pankará no IX ENEI
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida do líder indígena davi guarani
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida  do líder indígena alvaro tukano
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida do estudante porã ao lado de Thiago Tobias, do MEC, no IX ENEI
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida do reitor da unicamp, antonio meirelles, falando para estudantes no palco do IX ENEI
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida do pró-reitor de graduação, ivan tono
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida do pró-reitor de extensão e cultura, fernando coelho
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida das cantoras thaynara e djuena tikuna
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida de uma criança indígena no colo de uma mulher
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida de mulher e criança indígena
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)
audiodescrição: fotografia colorida
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas (foto: Antoninho Perri)

Imagem de capa

audiodescrição: fotografia colorida de grupo indígena no palco do IX ENEI
IX Encontro Nacional dos Estudantes Indígenas ocorre entre 26 e 29 de julho na Unicamp