Universidade ganha Centro de Pesquisa em Engenharia e três Centros de Ciências

##
O pacote de investimentos da Fundação – que nesta semana celebra 60 anos de existência - totaliza R$ 990 milhões

Quatro projetos da Unicamp foram aprovados no pacote de financiamentos anunciado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) nesta quarta-feira (25). A Universidade irá abrigar um Centro de Pesquisa em Engenharia (CPE) em redes e serviços inteligentes e três novos Centros de Ciência e Desenvolvimento (CCDs), nas áreas da saúde, políticas públicas urbanas e de transição energética.

O pacote de investimentos da Fundação – que nesta semana celebra 60 anos de existência - totaliza R$ 990 milhões e prevê a criação de três novos Centros de Pesquisa em Engenharia e 15 novos Centros de Ciência e Desenvolvimento, bem como editais de apoio à infraestrutura de pesquisa. As chamadas se destinam à aquisição de equipamentos multiusuários para uso científico, tecnológico e em inovação e para centros depositários de informações e acervos documentais.

Os CPEs são um modelo de financiamento à pesquisa que integra os setores empresarial e acadêmico em um arranjo que, segundo o diretor científico da Fapesp Luiz Eugênio Mello, tem se mostrado bastante eficiente. De acordo com ele, o estado de Nova York (EUA), que adota o modelo, conta com 15 desses centros. Com o anúncio desta quarta-feira (25), a Fapesp passa a apoiar 23 CPEs.

Os centros irão mobilizar mais de R$ 1,5 bilhão em atividades de pesquisa. "Com isso, os R$ 325 milhões alocados pela Fapesp serão praticamente multiplicados por cinco”, destacou Mello. O CPE em Redes e Serviços Inteligentes 2030 (Smartness) será instalado na Unicamp em uma parceria com a Ericsson. “O Smartness 2030 é uma iniciativa única”, afirmou o pesquisador da Unicamp Christian Rothenberg, responsável pelo CPE. “Os desafios do Centro são projetar e operar as redes de telecomunicações no horizonte de 2030 e, ao mesmo tempo, formar os recursos humanos necessários para isso”, acrescentou.

Segundo a pesquisadora da Ericsson, Maria Valéria Marquezin, a parceria irá permitir pesquisas nas áreas de computação de borda. Ela realiza o processamento, análise e armazenamento de dados mais próximos do lugar onde são gerados, a fim de obter análises e respostas rápidas, quase em tempo real, programabilidade de redes, arquitetura cognitiva, segurança e sustentabilidade.

Além dos pesquisadores da Unicamp e da empresa, o programa contou com apoio de 50 pesquisadores associados de várias instituições brasileiras. O investimento previsto é de R$ 56 milhões. Os outros dois CPEs anunciados pela Fapesp são uma parceria entre a farmacêutica GSK e o Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, na área de imuno-oncologia, e um acordo da Embraer com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) na área de mobilidade aérea.

Carlos Américo Pacheco, presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp: Os Centros de Ciência para o Desenvolvimento deverão  produzir “pesquisa orientada”
Carlos Américo Pacheco, presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp: Os Centros de Ciência para o Desenvolvimento deverão  produzir “pesquisa orientada”

Centros de Ciência para o Desenvolvimento 

De acordo com o presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp, Carlos Américo Pacheco, os Centros de Ciência para o Desenvolvimento (CCDs) deverão  produzir o que chamou de “pesquisa orientada”.

A missão dos CCDs seria apoiar pesquisas que tenham impacto social ou econômico específico, respondam a desafios de órgãos públicos e sejam relevantes para o desenvolvimento. Entre os projetos selecionados, há iniciativas voltadas a garantir a segurança hídrica e alimentar, buscar soluções para resíduos e embalagens, desenvolver biofármacos e gerar inovações que melhorem a saúde humana e animal.

O CCD a ser instalado na Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação irá se dedicar à transição energética do Estado de São Paulo. A supervisão será do professor Luiz Carlos Pereira da Silva. “Trata-se de um tema estratégico para o país e para a Unicamp”, disse o pró-reitor de pesquisa, João Romano. “Existem vários grupos de pesquisa na Universidade estudando transição energética, energia verde e novas formas de energia. O grupo do professor Luiz Carlos talvez seja um dos mais maduros”, acrescentou ele.

Ouça depoimento do professor João Marcos Romano sobre os projetos selecionados:

 Já o CCD sob supervisão da professora Maria Gabriela Celani, da Faculdade de Engenharia Civil e Urbanismo, pretende estabelecer diretrizes para a estruturação de novas áreas urbanas de inovação. “Esse tema lembra nosso HIDS (Hub Internacional para o Desenvolvimento Sustentável). A professora Maria Gabriela Celani vem trabalhando com isso desde a gestão anterior. A sinergia entre esse Centro e o HIDS, que é um projeto que a reitoria vê com bons olhos, tem um grande valor para nós”, avalia Romano.

O terceiro CCD, proposto pela professora Joyce Bizzacchi, da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), tem como objetivo levantar dados epidemiológicos do tromboembolismo venoso para formular estratégias para o SUS (Sistema Único de Saúde). “A professora Joyce é uma pesquisadora muito vivaz, entusiasmada com tudo que faz. Um Centro ligado à área da saúde será crucial para a Unicamp”, afirmou o pró-reitor de pesquisa.

Reitor Antonio Meirelles: “Nosso êxito mostra a força da Unicamp na postulação desses recursos"
Reitor Antonio Meirelles: “Nosso êxito mostra a força da Unicamp na postulação desses recursos"

Êxito da Unicamp 

O reitor Antonio José de Almeida Meirelles se disse entusiasmado com o desempenho dos projetos propostos. “Nosso êxito mostra a força da Unicamp na postulação desses recursos, em áreas de destaque, e a força da ciência paulista com o suporte da Fapesp”, disse ele. Para o reitor, o bom desempenho decorre da qualidade dos projetos apresentados e do entusiasmo dos novos professores e pesquisadores.

“Esse pessoal tem energia para desenvolver grandes projetos de pesquisa, estabelecer contato com empresas e atraí-las para o investimento. O entusiasmo dos novos potencializa o processo”, acredita o reitor. 

Assista ao podcast produzido pela Rádio Unicamp sobre os 60 anos da Fapesp: 

Confira as fotos da cerimônia de aniversário dos 60 anos da Fapesp em que foram anunciados o pacote de investimentos:   

Pró-reitor de Pesquisa, João Romano durante anúncio dos investimentos
Pró-reitor de Pesquisa, João Romano durante anúncio dos investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos
Em cerimônia dos 60 anos da Fapesp foi anunciado pacote de investimentos

Imagem de capa

Audiodescrição: Em amplo auditório, imagem em perspectiva e em plano geral de 5 pessoas sentadas em cadeiras, uma ao lado da outra, sendo que à frente delas há uma extensa mesa retangular de madeira. Às costas delas, e também nas paredes à esquerda e à direita, amplas telas de projeção afixadas no alto, onde se lê em destaque Fapesp 60 anos. À esquerda na imagem, homem em pé fala ao microfone em uma tribuna. À frente deles, de costas na imagem, o público do auditório sentado em cadeiras. Imagem 1 de 1.
Quatro projetos da Unicamp são aprovados em pacote de financiamentos da Fapesp