O que é um padrão de vida digno no Brasil hoje?

Um projeto piloto realizado por pesquisadores da Unicamp e da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, aplica pela primeira vez no Brasil um método que propõe definir e mensurar a pobreza além da renda. A chamada Abordagem Consensual tem como principal objetivo investigar as diversas dimensões da pobreza a partir do ponto de vista da população, em busca de um consenso sobre o que é necessário para uma vida digna no nosso país hoje. 

O estudo começou em 2019 com grupos focais em Campinas e teve duas etapas realizadas na capital paulista: a primeira em três grandes favelas e a segunda abrangendo mais de 2300 domicílios. A ideia é que os resultados obtidos em São Paulo sirvam de estímulo para que a abordagem – recomendada desde 2006 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – seja incorporada na produção de indicadores socioeconômicos e possa abranger todo o país, servindo de base para a formulação de políticas públicas. 

Inédito no Brasil, o método foi desenvolvido por uma dupla de jornalistas britânicos há algumas décadas, e embasou a maior pesquisa sobre pobreza e exclusão social já realizada no Reino Unido (2010-2015). Desde 2019, o projeto passou a ser realizado em cooperação com países de todos os cinco continentes. No Brasil, além dos recursos do Global Challenges Research Fund (GCRF), conta com apoio e financiamento do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Nesta edição do Repórter Unicamp, conversamos com o professor Shailen Nandy, da Universidade de Cardiff, que coordena os estudos ao redor do mundo, e com as pesquisadoras que lideraram as diferentes etapas no Brasil: Flávia Uchôa de Oliveira (Uninove) e Ana Elisa Spaolonzi Queiroz Assis (Faculdade de Educação da Unicamp).  

Créditos:
Produção e reportagem: Juliana Franco
Edição de texto: Felipe Mateus
Edição de vídeo: Kleber Casabblanca

Imagem de capa

foto mostra panorama da favela da brasilândia, em são paulo
Projeto piloto conduzido por pesquisadores da Unicamp e da Universidade de Cardiff usa método participativo para definir e mensurar a pobreza além do critério da renda (foto: José Cícero da Silva / Agência Pública)