Profissionais de saúde em Lorena (SP) são alvo de campanha da Força-Tarefa

A Frente de Ações Sociais da Força-Tarefa contra Covid-19 da Unicamp realizou na quinta-feira (26/8) mais uma campanha de testagem para detecção da covid-19. Desta vez, a ação teve como foco os profissionais de saúde do município de Lorena, São Paulo. No total, foram realizados 200 testes rápidos para pesquisa de IgG / IgM e 160 RT-PCR, sendo que apenas uma pessoa testou positivo no teste PCR. Por outro lado, no teste rápido IgG / IgM foram 40 resultados positivos. Todos os interessados foram devidamente notificados e orientados quantos aos procedimentos necessários. 

A ação só foi possível graças a uma parceria com o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo que cedeu profissionais para atuarem na testagem e o apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Lorena, que cedeu o espaço físico para a realização da campanha.

##

Segundo o membro da Força-Tarefa e enfermeiro voluntário Adilton Dorival Leite, os testes de RT-PCR são os que têm função efetivamente diagnóstica, sendo o teste definitivo segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Com ele, é possível detectar uma parte do RNA do vírus que é específica dele, ou seja, é a identidade do vírus.

"Em 160 testes de RT-PCR, encontramos apenas 1 positivo para covid. É bom lembrar que se trata de profissionais de saúde que são mais expostos ao vírus, mas com esquema vacinal completo. Essa informação sobre o esquema vacinal é uma das questões tratadas no inquérito que fazemos antes da testagem", explica. De acordo com o enfermeiro, há vários estudos localizados indicando redução significativa de casos de covid-19 e também de mortes entre profissionais de saúde, após o início da vacinação.
 
Já o teste rápido é feito para pesquisar a presença de anticorpos, ou seja, uma resposta do organismo quando este já teve contato com o vírus, recentemente (IgM) ou já há algum tempo (IgG). Os testes rápidos (IgM/IgG) podem auxiliar o mapeamento da população que já teve o vírus ou foi exposta a ele, mas não têm função de diagnóstico. "Há vários estudos que mostram a importância e necessidade de realizar testes de rastreio de assintomáticos na equipe hospitalar. É de suma importância identificar prontamente os assintomáticos que carregam o vírus, realizando o isolamento e acompanhamento necessários.", avalia.