Escritora Rachel Ignotofsky quer pôr foco nas cientistas para inspirar meninas

Transformar informações científicas densas em algo divertido e acessível é o norte do trabalho da escritora e ilustradora norte-americana Rachel Ignotofsky, anunciada na tarde desta quarta-feira (16) como a vencedora da primeira edição do Prêmio Asimov-Brasil com o livro “As Cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo”. Lançada originalmente nos Estados Unidos, em 2016, e publicada pela Editora Blucher em português, no ano seguinte, a obra se tornou um sucesso de vendas ao apresentar perfis de desbravadoras que superaram o preconceito de gênero e as adversidades para contribuir com os avanços científicos.

Criada em Nova Jersey e formada em 2011 em Design Gráfico pela Tyler School of Art, na Philadelphia, Ignotofsky mora atualmente em Los Angeles e tem se dedicado às temáticas da ciência e do empoderamento feminino com foco em jovens leitores, como em “As Esportistas: 55 mulheres que jogaram para vencer” (2019) e “Os Bastidores do Incrível Planeta Terra: Como funcionam nosso mundo e seus ecossistemas” (2020), ambos editados no Brasil pela Blucher.

Em entrevista exclusiva ao Portal da Unicamp, a escritora fala sobre o reconhecimento do público, sua inspiração para escrever e ilustrar “As Cientistas” e a importância de despertar as novas gerações para o protagonismo feminino na ciência.

Rachel Ignotofsky vencedora do Prêmio Asimov 2020
Escritora e ilustradora norte-americana Rachel Ignotofsky vencedora do Prêmio Asimov-Brasil, em 2020

Como você se sente por “As Cientistas” ter sido escolhido como o melhor livro pelos alunos brasileiros na primeira edição do Prêmio Asimov-Brasil?

Eu acho maravilhoso! Eu crio todos os meus livros para estudantes, e ouvir que é o favorito deles me deixa muito feliz. É especialmente importante que os jovens tenham acesso a fortes modelos femininos para que possamos lutar contra estereótipos nocivos e inspirar as trajetórias de meninas e meninos a partir da história.

O que a inspirou a escrever esse livro e como foi o processo de pesquisa?

Tenho muitos amigos na área de educação e estava pensando muito sobre por que a ciência e a engenharia ainda são consideradas um “clube de meninos”. Ainda existe uma grande lacuna de gênero nos campos STEM [sigla em inglês para ciências, tecnologia, engenharia e matemática], embora as meninas tenham desempenho tão bom quanto os meninos em matemática e ciências. Eu queria fazer o que fosse possível para encorajar as meninas a seguirem suas paixões.

Acredito que uma das melhores maneiras de lutar contra esse tipo de preconceito é apresentar aos jovens adultos fortes modelos femininos. Há tantas mulheres cientistas que mudaram nosso mundo com suas descobertas, mas muitas caíram na obscuridade. Então decidi usar meu próprio conjunto de habilidades – ilustração e design – para ajudar a enaltecer as mulheres e suas realizações. A ilustração é uma ferramenta poderosa quando se trata de contar histórias, e eu queria que este livro não fosse apenas educacional, mas também divertido. Minha esperança para o meu livro é ajudar a tornar essas mulheres nomes familiares e inspirar toda uma geração de meninas!

Sempre que alguém me pergunta sobre pesquisa, a primeira coisa que digo é: você tem que ler livros para escrever livros. Eu li alguns livros incríveis que contaram as histórias de vida dessas mulheres, como “Mulheres que ganharam o Prêmio Nobel em Ciências” [Editora Marco Zero, 1994], de Sharon McGrayne, e “Headstrong” [Broadway Books, 2015], de Rachel Swaby. Também vejo o site do Prêmio Nobel e discursos e entrevistas de mulheres. Eu até me concentrei no Projeto de História Oral da NASA. Os obituários também foram uma boa fonte para aprender mais sobre a vida dessas mulheres.

Eu queria uma gama de cientistas não apenas em disciplinas, mas ao longo da história. Você pode aprender sobre uma variedade de assuntos como química, matemática, biologia marinha e até mesmo sobre vulcões. Mas você também aprenderá como essas mulheres impactaram a história. Neste livro existem sufragistas, ativistas dos direitos civis, funcionárias do governo e astronautas. Por meio de suas histórias, você aprende ciência e história e como as mulheres contribuíram e lutaram para que suas vozes fossem ouvidas.

##
Capa de uma das obras da vencedora do Prêmio Asimov, Rachel Ignotofsky, dedicada à temática da ciência e ao empoderamento feminino: 

Como você percebeu que suas habilidades artísticas poderiam ajudá-la a se tornar uma comunicadora científica?

Bem, para responder a essa pergunta, deixe-me falar sobre alguns desenhos que iniciaram essa carreira. Em 2012, um ano após me formar na faculdade, decidi desenhar pôsteres de anatomia humana. Sou obcecada por anatomia e biologia humana, e foi um projeto divertido que realmente fiz para mim mesma. Coloquei essa arte online e recebi um e-mail de um pai que tinha uma filha de quatro anos com doença pulmonar. Ela precisava de um respirador para respirar à noite, mas isso a assustava. Ele queria explicar a ela o que estava acontecendo em seu corpo, mas tudo o que conseguiu encontrar foram esses pôsteres de anatomia muito tradicionais. Para uma criança de quatro anos, eles pareciam monstros – assustando-a ainda mais. Então, ele encontrou um dos meus desenhos do sistema respiratório – com seus pequenos pulmões felizes e alvéolos sorridentes. Todas as noites, antes de dormir, ele usava minhas ilustrações para mostrar à filha o caminho que o oxigênio estava percorrendo em seus pulmões e explicava como o respirador a ajudaria a ter saúde. Depois de ler seu e-mail, percebi que poderia usar minhas habilidades como ilustradora para tornar a pesquisa científica fácil e divertida de aprender. Dediquei o resto da minha carreira fazendo arte sobre tópicos que considero importantes e interessantes e ferramentas para ajudar os professores em sala de aula.

Como a ilustração e a arte gráfica podem ser ferramentas importantes na educação de jovens estudantes em uma época em que as pessoas não confiam nos cientistas em assuntos como vacinas e mudanças climáticas?

Acho que a negação da ciência está enraizada no medo. As pessoas temem que as coisas estejam fora de seu controle. O aquecimento global vai afetar nossas vidas e as vidas de nossos filhos de maneiras que não podemos prever – o que é assustador. Muitos começam a descer a “toca do coelho” da antimedicina por causa do medo muito real de que um sistema médico com fins lucrativos nem sempre tem os melhores interesses. Para muitos, é mais fácil ser consolado por teorias da conspiração ou negar a verdade do que aprender a ciência por trás dessas questões. Mas, assim como a pequena criança de quatro anos que tinha medo de usar seu respirador à noite, precisamos encontrar uma maneira de quebrar os medos das pessoas e educá-las – então podemos começar a resolver os problemas reais.

A ilustração é a ferramenta mais poderosa que existe quando se trata de educação. Ela permite que o espectador seja apresentado visualmente a um tópico antes mesmo de a leitura começar. E pode ajudar a aliviar o nervosismo que surge com o aprendizado de uma grande quantidade de informações novas e complicadas. Nada como um rosto sorridente de desenho animado para aliviar o medo.

Como artistas, temos o dever de comunicar informações importantes. E eu vi em primeira mão como a ilustração pode ser um primeiro passo poderoso para educar novos públicos. Vamos ter um público mais educado e menos temeroso. Como disse Jane Goodall [primatologista e antropóloga britânica]: “Somente se entendermos, podemos nos importar. Somente se nos importarmos, iremos ajudar. Somente se ajudarmos, todos serão salvos”.

##
Capa de mais uma das obras de Rachel Ignotofsky lançada em 2019 

O sucesso de seus livros entre jovens leitores em diferentes partes do mundo ajudou a levar a um público mais amplo a importante questão do empoderamento das mulheres na ciência. Você acha que as novas gerações estão mais conscientes da necessidade de combater o preconceito de gênero na ciência?

Acho que a cada geração há mais progresso. Fiz este livro porque era um recurso muito necessário nas salas de aula, um livro como este simplesmente não existia antes. Agora você pode entrar em uma livraria e ver uma parede de livros de história das mulheres. Recebo mensagens de meninas e mulheres de todo o mundo falando sobre suas próprias aspirações científicas, sua pesquisa de doutorado e a comunidade que estão construindo juntas. Mulheres em todo o mundo estão ganhando força para nossa história compartilhada para criar um futuro melhor.

LEIA MAIS:

Livro sobre empoderamento feminino na ciência vence Prêmio Asimov-Brasil

Veja como foi a cerimônia do Prêmio Asimov-Brasil 2020

Unicamp cria versão brasileira do Prêmio Asimov para estimular leitura em estudantes

Inscrições do Prêmio Asimov-Brasil são prorrogadas

Vencedores do Prêmio Asimov-Brasil serão anunciados em 16 de dezembro

Imagem de capa

A obra se tornou um sucesso de vendas ao apresentar perfis de desbravadoras que superaram o preconceito de gênero e as adversidades para contribuir com os avanços científicos
A obra se tornou um sucesso de vendas ao apresentar perfis de desbravadoras que superaram o preconceito de gênero e as adversidades para contribuir com os avanços científicos