Congresso de Apoio à Permanência celebra os 10 anos do Programa Aluno-Artista

audiodescrição: cartaz colorido de divulgação do congresso

Nesta segunda-feira, 14 de dezembro, teve início o III Congresso de Projetos de Apoio à Permanência de Estudantes de Graduação (PAPE-G). Organizado pelo Serviço de Apoio ao Estudante (SAE), órgão da Pró-Reitoria de Graduação (PRG) da Unicamp, o evento comemora também os 10 anos do Programa Aluno-Artista, o qual tem por objetivo o incentivo e o fomento aos projetos artísticos e culturais de alunos.

O III Congresso PAPE-G visa divulgar e fomentar a reflexão, o aprimoramento e a construção de conhecimento em torno dos projetos ligados às bolsas sociais. Na Unicamp, o programa de bolsas, distribuídas através de critérios socioeconômicos e acadêmicos, é um dos eixos do programa de permanência estudantil. Além do apoio financeiro, diversas modalidades de bolsas propiciam o engajamento em atividades complementares de formação acadêmica. 

Durante o Congresso, alunos contemplados com bolsas vinculadas a projetos acadêmicos têm a oportunidade de apresentar trabalhos oriundos de pesquisas, atividades culturais e de extensão. Na terceira edição, que ocorre nos dias 14 e 15 de dezembro, 151 trabalhos serão apresentados. 

Programa completa 10 anos

O Programa Aluno-Artista foi criado em 2010. Idealizado pelo reitor e pró-reitor de Graduação da época, professores Fernando Costa e Marcelo Knobel, o Programa contemplou, desde então, 145 projetos. Através do Aluno-Artista, os estudantes recebem bolsas para montarem suas produções culturais e artísticas, que são apresentadas pelos campi da Universidade. Em 2019, através de parceria com o Sesc-Campinas, também ocorreram no espaço da entidade.

Para celebrar essa história, a mesa de abertura do Congresso foi composta de representações da Unicamp e ligadas à história do Programa Aluno-Artista. A atual responsável pelo Programa e assessora cultural do SAE, professora Maria Cláudia Guimarães, destacou que nesses anos, o Aluno-Artista, além de contemplar as bolsas estudantis, propiciou uma grande circulação de arte nos espaços dos campi. Ainda, pontuou, a preparação para auxiliar os alunos a desenvolverem suas criações envolveu também etapas de formação, com oficinas, debates e workshops importantes para a formação dos artistas.

Uma pesquisa realizada junto a 103 alunos e ex-alunos que já foram contemplados pelo Aluno-Artista foi destacada pela professora. Os depoimentos colhidos, disse Maria Cláudia, sinalizam a importância do Programa para a experiência profissional. “Fazendo o questionário com os alunos, a gente vê nas respostas o quanto foi importante para a vida deles e o como essa experiência soma”.

No ano de 2020, por conta da pandemia, houve a necessidade de adaptar o Programa para formato virtual. O reitor da Unicamp, professor Marcelo Knobel, destacou na mesa os desafios referentes a esse processo. “Nosso desafio agora, o próximo passo dentro desse Programa Aluno-Artista, é viralizar o conteúdo para que as ações, manifestações e a produção artística decorrente do programa atinjam um grande público”. O reitor também evidenciou outras ações no âmbito artístico realizadas durante o ano de 2020, como a revista "Arte para Desconfinar", iniciativa da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec). 

audiodescrição: imagem da mesa virtual com autoridades da unicamp e do sesc que comemoraram os 10 anos do programa aluno-artista
Mesa virtual "Os 10 anos do Programa Aluno-Artista", ocorrida na abertura do III Congresso PAPE-G

Também integrante da mesa, o diretor do Instituto de Artes (IA), Paulo Ronqui, pontuou que manter o Programa Aluno-Artista, mesmo com o formato virtual, foi importante para seguir fomentando a arte,  área que foi duramente atingida pela pandemia. “O fundamental papel desse programa é a perenidade no fomento e divulgação dos projetos contemplados nesses 10 anos”, avaliou.

Já o professor Leandro Medrano, que era o coordenador do SAE quando o Programa foi criado, lembrou das premissas que regeram a criação do projeto. São elas: democratizar as formas de manifestação cultural e artística, contemplando diversos formatos; democratizar o acesso a políticas culturais, envolvendo a comunidade universitária na discussão da criação do Programa; ter transparência é a publicização dos métodos e formas; promover o aprendizado na pré-produção, na produção e na pós-produção; revelar novos talentos e melhorar a qualidade de vida nos campi.

Hideki Yoshimoto, gerente do Sesc, frisou a importância da arte e da ciência e comemorou a parceria que, em 2019, levou sete espetáculos de projetos do Aluno-Artista a serem apresentados no Sesc. “Fazer arte e se relacionar com arte é algo feito por todos e deveria ser estimulado de forma sistemática e constante. Não pode ser algo eventual, mas que faça parte da formação das pessoas. É uma felicidade para o SESC se relacionar com esse programa”.

Aluno-Artista integra uma política de permanência fortalecida

A pró-reitora de Graduação, Eliana Amaral, e a coordenadora do SAE, Helena Altmann, também compuseram a mesa de abertura e destacaram que o Programa Aluno-Artista é um dos eixos de uma política de permanência robusta e que inspira outras ideias. A Unicamp, disse a pró-reitora, já conta com 50% dos seus estudantes oriundos de uma realidade socioeconômica que exige algum tipo de apoio, e é necessário fortalecer essa política. 

O programa de permanência na Unicamp, ressaltou Eliana, é bastante vasto, e a questão da permanência estudantil perpassa a iniciativa das bolsas, as quais a Universidade tem buscado ampliar as modalidades. "Nós temos procurar ampliar as possibilidades de bolsas. A importância disso não está apenas no apoio financeiro, embora ele seja essencial, mas existe o lado do desenvolvimento de competências e habilidades que são necessárias na formação desses estudantes”, afirmou. 

Para a coordenadora do SAE, comemorar os 10 anos do Aluno-Artista evidencia a maturidade e continuidade de uma política consolidada pela política de permanência da Unicamp, que vem buscando se aperfeiçoar a cada ano para garantir a formação dos estudantes. "Nos últimos anos a Unicamp não apenas aumentou o número de bolsas e de estudantes contemplados, como também tem investido na qualificação do programa de permanência e sua adequação às políticas de ingresso. O Congresso PAPE-G az parte desse processo tendo por objetivo dar visibilidade e reconhecimento acadêmico à atuação de estudantes bolsistas”.

Todas os projetos contemplados em 2020 pelo Programa Aluno-Artista, bem como os 151 trabalhos inscritos no Congresso podem ser acessados. Saiba mais na página do SAE: www.sae.unicamp.br

Imagem de capa

audiodescrição: montagem com quatro fotografias coloridas de apresentações de dança e de músicos
Programa Aluno-Artista completa 10 anos