Andrea Cohen traz para o IdEA suas experiências com rádio e arte sonora

O Instituto de Estudos Avançados (IdEA) da Universidade de Campinas (Unicamp) será o palco virtual de uma série de atividades que serão desenvolvidas pela compositora, musicóloga e radioartista argentina Andrea Cohen. Radicada na França, a experiente artista sonora é a nova convidada do Programa “Hilda Hilst” do Artista Residente, oferecendo em dezembro uma agenda que inclui oficina, seminário, performance e entrevista com especialistas.

“É uma grande honra para mim ter recebido esse convite e espero poder contribuir com minhas atividades de divulgação da arte radiofônica como uma das mais importantes formas de arte sonora, de despertar interesse por parte de universitários e talvez ‘vocações’ em alguns para cultivar esse gênero”, declarou Cohen em entrevista ao Portal da Unicamp.

Radioartista Andrea Cohen: O desenvolvimento da arte radiofônica tem a ver com a história de cada país, mas sobretudo com a existência de rádios públicas, não comerciais, interessadas na criação radiofônica
Radioartista Andrea Cohen: O desenvolvimento da arte radiofônica tem a ver com a história de cada país, mas sobretudo com a existência de rádios públicas, não comerciais, interessadas na criação radiofônica

O trabalho interativo e a criação colaborativa serão as características principais das atividades de Cohen na Unicamp, integrando alunos e pesquisadores da França, Argentina e Brasil em produções sonoras e experimentações coletivas. A popularização das ferramentas digitais de interação e da internet abriu um grande leque para essa área de trabalho, como as rádios online e os podcasts, mas a arte sonora e a radioarte ainda são pouco conhecidas no Brasil. Para a artista argentina, essa mídia proporciona um espaço de grande liberdade formal para esse gênero de expressão artística.

“O desenvolvimento da arte radiofônica tem a ver com a história de cada país, mas sobretudo com a existência de rádios públicas, não comerciais, interessadas na criação radiofônica, criando espaços de experimentação nessa área. A arte radiofônica está ligada à arte sonora, e há artistas de diversos horizontes que se dedicaram a explorá-la: poetas, cineastas, artistas plásticos, músicos e compositores”, afirmou a nova residente do IdEA.

A proposta da residência artística de Andrea Cohen nasceu da articulação de um dos grupos transdisciplinares do IdEA, o Grupo de Estudos do Som e Processos Criativos, sob a coordenação do músico José Augusto Mannis, professor do Departamento de Música do Instituto de Artes (IA) da Unicamp, com a colaboração da musicista e pesquisadora Janete El Haouli, professora aposentada da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Segundo Mannis, nas emissoras abertas de radiodifusão e nas plataformas de streaming, o ouvinte está acostumado a acompanhar notícias, programas, reportagens e expressões artísticas variadas no formato de música, poesia, peças de teatro e óperas. Entretanto, disse o docente, é menos comum “perceber uma forma de arte no próprio fazer radiofônico, no fazer sonoro de produção e transmissão”.

“Os recursos, meios e equipamentos de produção e transmissão podem caracterizar também um grande instrumento de criação artística. Esperamos que essas atividades despertem a atenção dos participantes para o potencial criativo e artístico das mídias sonoras enquanto meios de expressão em si e ampliem a percepção e a sensibilidade para novas narrativas e propostas criativas que, de maneira mais ampla, possam emergir dos meios sonoros”, explicou o professor da Unicamp.

##

Agenda

A principal programação de Andrea Cohen no IdEA será a oficina “Criação sonora colaborativa e interativa: Intercâmbio sonoro entre Brasil-Argentina-França”, entre os dias 3 e 15 de dezembro, oferecida por meio de uma plataforma digital. Com inscrições abertas até 22 de novembro, a atividade é gratuita e aberta a alunos, pesquisadores e interessados.

Em sete encontros de três horas, a iniciativa quer proporcionar aos participantes ouvir os sons que os rodeiam como uma maneira de explorar a consciência do entorno sonoro e escutar o mundo como música. O intercâmbio se dará com dois compositores, colegas de Cohen, e seus respectivos alunos: Diego Losa, professor do Conservatório de Saint-Étienne (França), e Raúl Minsburg, docente da Universidad Nacional de Tres de Febrero (Argentina).

“Devo dizer que o trabalho radiofônico, em que atuo há cerca de 30 anos, me levou a aprender e valorizar o trabalho em equipe”, destacou a radioartista argentina, que vem promovendo há 15 anos o projeto de intercâmbio sonoro SoundSon, com a compositora Wiska Radkiewicz, com foco artístico e pedagógico.

A primeira experiência de Cohen no Brasil ocorreu em 2000, quando produziu uma peça de rádio para a Radio France sobre Augusto Boal (1931-2009) e o Teatro do Oprimido. Na ocasião, ela entrevistou o dramaturgo e seus colaboradores no Rio de Janeiro, gravou ensaios e registrou paisagens sonoras pela cidade. O trabalho teve uma segunda etapa na França, onde Cohen entrevistou integrantes da equipe do Teatro do Oprimido em Paris, entre eles o diretor brasileiro Rui Frati, produzindo reportagens na região da capital francesa. Doze anos depois, esteve em São Paulo apresentando seu projeto SoundSon no Centro Cultural São Paulo.

“Talvez o problema da língua falada – que é um dos materiais de linguagem do rádio – limite o acesso, embora tenha havido tentativas na internet de legendar obras de rádio no YouTube. Entretanto, sabemos que a web tende a criar comunidades de escuta baseadas em interesses comuns. Por outro lado, o custo cada vez mais baixo dos dispositivos de gravação de boa qualidade e dos softwares de edição e mixagem gratuitos oferecem a possibilidade de produzir peças sonoras de forma independente”, opinou Cohen. Segundo ela, na França, há o surgimento de várias plataformas de podcast, gerando interesse crescente dos jovens. “Vemos que é algo incipiente, mas que está em pleno desenvolvimento.”

A programação de Andrea Cohen no IdEA terá início no dia 1º de dezembro, às 13h, com o making-of da performance “Pour la Radio”, com participação de Diego Losa. No dia seguinte, às 13h, acontecerá o seminário “Radioarte e criação colaborativa”, em que ela pretende estimular reflexões e audições de obras radiofônicas a partir de seu livro “Les compositeurs et l’art radiophonique” (“Os compositores e a arte radiofônica”, publicado pela INA-L’Harmattan, em 2015), além de algumas de suas peças colaborativas.

Ainda sem edição em português, a publicação trata da relação privilegiada com o rádio de compositores que o transformaram em um espaço de criação. A obra inclui uma reflexão estética e uma parte histórica em que são examinadas peças radiofônicas dos compositores Pierre Schaeffer (1910-1995), John Cage (1912-1992), Luciano Berio (1925-2003) e Mauricio Kagel (1931-2008). Durante o seminário – cujas inscrições estão abertas – serão analisadas algumas dessas obras e ouvidos fragmentos dos trabalhos.

A quarta atividade de Andrea Cohen será uma entrevista, em 8 de dezembro, às 13h, concedida a especialistas convidados e transmitida em tempo real pelas redes sociais do IdEA, com espaço para perguntas do público. Os entrevistadores serão quatro artistas e produtores brasileiros: Adriana Ribeiro, Julio de Paula, Lilian Zaremba e Regina Porto. Todas as atividades da residência artística serão em espanhol.

“Conviver com Andrea Cohen por duas semanas, experienciar a escuta de suas obras e trabalhar artisticamente a partir de suas propostas criativas estimulará a sensibilidade dos participantes para a riqueza expressiva da radioarte”, estimou Mannis, complementando que o aprendizado e a vivência da arte são processos de construção individual, incitados por experiências como as que serão proporcionadas por Cohen. “Uma experiência na qual há uma grande artista sonora que estará conosco para nos guiar, chamar a atenção para alguns detalhes, talvez pequenos, mas primordiais para a descoberta das possibilidades de invenção que nos abrem a radioarte e a arte sonora. E que seja um estímulo para que esse fazer artístico seja mais reconhecido no Brasil, assim como na Argentina e no México, onde academicamente e institucionalmente a arte sonora tem um lugar mais definido.”

A professora Janete El Haouli explica que, no Brasil, a prática da arte sonora ocorre a partir do empenho de músicos, poetas e artistas visuais e multimídia, dentro e fora da academia. “Como ainda não temos canais institucionais que contemplem a arte sonora e nem mecanismos e políticas públicas de promoção, as manifestações surgem de modo independente. Portanto, a iniciativa e o apoio do IdEA são de fundamental importância.”

Vivendo em Paris desde 1974, Cohen é natural de Buenos Aires e trabalha há mais de 30 anos como autora de criações radiofônicas na France Culture, parte da emissora pública Radio France. Doutora pela Universidade de Paris-Sorbonne, ela tem se dedicado nas últimas décadas à pesquisa acadêmica, como nos estudos sobre o desenvolvimento da arte acústica na França. Entre artigos e livros sobre aspectos diversos da arte radiofônica e tópicos musicológicos, publicou “Manuel de pédagogie musicale” (Minerve, 2020), que trata das perspectivas pedagógicas da arte sonora, música mista e teatro musical.

Leia mais:

 

Making-of da performance radiofônica “Pour la Radio”

Conheça a biografia da radioartista Andrea Cohen, nova artista residente do IdEA

Saiba mais sobre o Programa “Hilda Hilst” do Artista Residente do IdEA

Inscrições para o seminário “Radioarte e criação colaborativa”

Inscrições para a oficina “Criação sonora colaborativa e interativa”

Imagem de capa

Radioartista argentina radicada na França é a nova artista residente do programa
Radioartista argentina radicada na França é a nova artista residente do programa