A Unicamp não parou

A Unicamp suspendeu as atividades acadêmicas presenciais, a primeira universidade pública a tomar essa medida, para mitigar a transmissão da Covid-19, declarada pandemia global pela Organização Mundial da Saúde. A medida, que foi sendo ampliada é absolutamente necessária para conter o maior desafio desse século, que já contabiliza mais de 400 mil infectados e 20 mil mortes em 25 de março de 2020, pouco mais de dois meses após os primeiros casos notificados.

A suspensão das atividades acadêmicas presenciais não significa, no entanto, que a Unicamp parou. Da melhor maneira possível as atividades com nossos estudantes seguem não presencialmente.  

A pesquisa continua nos laboratórios, cada vez mais focados em contribuir para entender, diagnosticar rapidamente, mitigar, buscar tratamentos e suprir a área da saúde de equipamentos e recursos necessários para enfrentar a Covid-19. Também para isso não paramos.

A assistência à saúde da população se intensifica em nossos hospitais para não desamparar a população.

Estudantes, professores e funcionários, além de membros da sociedade civil externa à universidade, estão se voluntariando para ajudar no controle dessa crise.
 
A administração e manutenção da universidade, necessárias para cumprir o seu compromisso com a sociedade, não podem ser feitas integralmente por teletrabalho. As pessoas revezam teletrabalho com trabalho presencial, porque assim é necessário. 

A Unicamp nessa crise redobra seus esforços enquanto sua comunidade também divide a atenção com seus familiares e amigos para enfrentar o isolamento absolutamente necessário.

As fotografias mostram a nossa comunidade em atividades remotas e presenciais para manter a universidade funcionando e representam todas e todos que estão unidos no cumprimento da nossa missão.
 

Imagem de capa

Profissionais de diversas áreas em homeoffice
Profissionais de diversas áreas em homeoffice