Unicamp inaugura Biblioteca de Obras Raras

foto mostra dirigentes da universidade e convidados puxando o pano que cobria a placa de inauguração da biblioteca
Inauguração da Bora reuniu dirigentes da Unicamp e convidados

Foi inaugurada nesta segunda-feira (9) a Biblioteca de Obras Raras "Fausto Castilho" (Bora), novo espaço do Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) destinado à reunião e conservação de livros e diferentes obras antigas, raras e que pertenceram a grandes nomes da intelectualidade brasileira e internacional, como Antonio Cândido de Mello e Souza e Sérgio Buarque de Holanda. A cerimônia de lançamento do prédio contou com a presença de dirigentes da universidade e familiares e amigos de alguns dos nomes representados nas coleções especiais mantidas no local. 

A concepção e o projeto da biblioteca teve início em 2009 a partir da necessidade de as diferentes unidades que compõem o SBU terem um espaço e estrutura adequados para preservar obras raras e especiais da universidade. Foram investidos R$ 13 milhões na construção do prédio e aquisição de mobiliário e equipamentos, sendo R$ 9 milhões advindos de recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e outros R$ 4 milhões do orçamento da Unicamp. 

O edifício tem 3,5 mil metros quadrados distribuídos em quatro andares destinados a salas para realização de consultas ao acervo, armazenamento e catalogação de obras raras, espaços temáticos de coleções especiais, além de laboratórios com maquinário para higienização e restauração de itens históricos. A Bora conta ainda com equipamentos especiais para digitalização de obras que já estão em domínio público, que serão disponibilizadas para consulta no formato digital, além de auditório, espaço para exposições, salas de estudos, café e loja. Para auxiliar na conservação do acervo, o projeto foi elaborado de forma a evitar a incidência do Sol sobre o local e o prédio foi construído com materiais não inflamáveis. Os brises nas laterais auxiliam na regulação térmica do ambiente. 

foto mostra valéria gouveia, coordenadora do SBU da unicamp, em frente a uma porta de vidro com o letreiro "coleção fausto castilho" e, atrás, estantes de livros
Valéria Martins, coordenadora do SBU, avalia que poucos locais tem uma estrutura como a Bora

A nova biblioteca tem capacidade para manter um acervo de até 300 mil volumes. Hoje, o acervo destinado ao local tem cerca de 140 mil itens, sendo 5 mil obras raras, e 26 coleções especiais, com obras que pertenceram a grandes nomes da intelectualidade e que foram doadas à Unicamp. "Cada coleção tem uma característica especial. Neste ano, já recebemos um acervo da Inglaterra, do professor István Mészáros, recebemos recentemente também a coleção do professor Fausto Castilho. É difícil selecionar, porque cada coleção tem uma riqueza", avalia Valéria Gouveia Martins, coordenadora do SBU. Fausto Castilho (1929-2015), que dá nome à biblioteca, foi o responsável pela implementação da área de humanidades na Unicamp e o primeiro diretor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Seu acervo conta com um espaço próprio na recepção do prédio. 

"Nós temos obras que são únicas"

A inauguração do espaço foi marcado pela lembrança de nomes cujas obras compõem o acervo da Bora nas coleções especiais, com destaque para Fausto Castilho e Antonio Cândido. Em um discurso emocionado, Ana Luísa Escorel, filha de Cândido, compartilhou com o público um texto do professor encontrado recentemente, após sua morte. Ela enfatizou o quanto Campinas e a Unicamp foram importantes para o pai e para sua família: "Aqui estão meu pai e meu avô. Meu pai doou a biblioteca do meu avô para esta instituição anos atrás. Eu posso atestar a vocês as grandes alegrias que ele teve neste setor. Meu avô estudou aqui (em Campinas), quando era menino, antes de chegar à universidade, e Campinas tem, entre outras razoes e por essa, uma importância particular para o meu pai e passou a ter para mim e para minhas irmãs". 

montagem de fotos mostra fausto castilho em 2015 e na época em quem era diretor do instituto de filosofia e ciências humanas
Fausto Castilho em foto recente e no período em que foi diretor do IFCH (1967-1972)

Quem também se emocionou com a homenagem e lembrou as contribuições trazidas à Unicamp foi Carmen Pontvianne de Castilho, esposa de Fausto Castilho e atual presidente da fundação que leva o nome do professor. "A todos que trabalharam com muito esforço para conseguirmos montar a biblioteca, muito obrigada", agradeceu Carmen. 

Após o descerramento da placa de inauguração, o público pode conhecer as instalações em visitas guiadas pela biblioteca, que continuarão a ser realizadas pelos próximos dias. Segundo Valéria Martins, são poucas as bibliotecas no país com a estrutura que a Bora pode oferecer. "Nós temos obras que são únicas, inéditas, em várias coleções. O que a gente puder preservar para a posteridade, dar acesso à sociedade para que as pessoas conheçam, possam fazer pesquisas, é uma missão da universidade, uma contribuição não só para a região de Campinas, mas para o Brasil. Uma biblioteca desse porte, com todas as características exigidas para um lugar como esse, temos a Biblioteca Nacional. Esse é o primeiro lugar, em muito tempo, que o Brasil ganha", afirma a coordenadora. 

montagem de fotos mostram carmen pontviane castilho e ana luisa escorel falando ao microfone
Carmen Castilho, presidente da Fundação Fausto Castilho, e Ana Luísa Escorel, filha de Antonio Cândido

Para Marcelo Knobel, reitor da Unicamp, o novo espaço vem complementar a missão da universidade em manter e difundir conhecimentos para toda a sociedade. "Temos agora um espaço dedicado a obras raras, para coleções especiais. É mais um passo na valorização da cultura, da arte e da literatura, e aqui fazemos nossa parte. Tivemos a construção do prédio, precisamos de muito tempo para organizar a infraestrutura, mas agora está tudo pronto para começar", celebra Marcelo. 

Confira registros da inauguração e um pouco da estrutura física da biblioteca na galeria de fotos. 
 

foto mostra em primeiro plano uma parede de vidro com o letreiro "coleção fausto castilho" e estantes de livros atrás
Coleção Fausto Castilho é um dos acervos disponíveis para visita na Bora
foto mostra recepção da bora com livros antigos expostos
O público pode conferir livros históricos que compõem o acervo
foto mostra funcionários da bora com camisetas pretas do uniforme
Equipe especializada cuidará da manutenção e auxiliará na consulta ao acervo
foto mostra Rodrigo Baltazar, do finep, falando ao microfone
Rodrigo Baltazar, gerente do Depto. de Infraestrutura de Pesquisa do Finep
foto mostra Carlos Vogt, professor emérito da unicamp, falando ao microfone
Carlos Vogt, professor emérito da Unicamp
foto mostra Teresa Atvars, coordenadora geral da unicamp, falando ao microfone
Teresa Atvars, coordenadora geral da Unicamp
foto mostra Marcelo Knobel, reitor da unicamp, falando ao microfone
Marcelo Knobel, reitor da Unicamp
foto mostra plateia do evento
Cerimônia recebeu convidados e membros da comunidade acadêmica
foto mostra a placa de inauguração da biblioteca
Biblioteca leva o nome de Fausto Castilho, primeiro diretor do IFCH
foto mostra espaço com estantes de livros
Espaço conta com 26 coleções especiais
Foto mostra espaço da coleção de antonio candido
Coleção Antonio Cândido
Foto mostra espaço da coleção de Sérgio Buarque de Holanda
Coleção Sérgio Buarque de Holanda
foto mostra pessoas andando pelo corredor da biblioteca
Será possível participar de visitas guiadas pelo prédio da biblioteca
foto mostra salas com equipamentos de manutenção dos livros
Espaço conta com equipamentos para manutenção, higiene e digitalização do acervo
foto mostra salas com equipamentos de manutenção dos livros
Espaço conta com equipamentos para manutenção, higiene e digitalização do acervo
foto mostra salas com equipamentos de manutenção dos livros
Espaço conta com equipamentos para manutenção, higiene e digitalização do acervo

Imagem de capa

foto mostra prédio da biblioteca por fora. clique enter para acessar
Bora fica ao lado da Biblioteca Central Cesar Lattes, na Rua Sérgio Buarque de Holanda