Física para Curiosos abre programação 2020 com diálogo sobre interdisciplinaridade

A temporada 2020 do projeto Física para Curiosos teve início na última sexta-feira (6) com a palestra "Da Física da Matéria Condensada à (Bio)nanociência", realizada por Mônica Alonso Cotta, professora e diretora associada do Instituto de Física "Gleb Wataghin" (IFGW). Na apresentação, Mônica discutiu formas de se buscar a interdisciplinaridade entre os conhecimentos da Física e da Biologia, demonstrando como as duas áreas podem se complementar e se aperfeiçoar por meio de exemplos baseados em conceitos básicos da Física, elaborados ainda nos séculos XVIII e XIX. 

foto mostra mônica cotta no palco, durante sua apresentação, e a plateia acompanhando
Interdisciplinaridade entre Física e Biologia foi tema do primeiro Física para Curiosos de 2020

A partir dessa reflexão, a professora apresentou ao público exemplos de como essa colaboração entre as áreas pode apontar perspectivas para o futuro da biotecnologia. "Com o advento da mecânica quântica, que trouxe conhecimentos sobre a nanobiociência, que é o conhecimento de como as moléculas se comportam dentro de um sistema biológico, é possível pensar como isso pode repercutir até chegarmos na decifração do genoma de um vírus, algo que estamos vendo hoje em dia. Assim, a gente pode pensar no advento de novas tecnologias que podem impactar a área da saúde, por exemplo", explica Mônica. 

Ao longo da palestra, ela deu exemplos de descobertas científicas em que Biologia e Física colaboraram entre si de forma recíproca. Mônica mencionou os casos como o do desenvolvimento de um tipo de revestimento para materiais que faz com que nada grude nas superfícies revestidas, criação que é útil para várias áreas, desde cateteres cirúrgicos até asas de aviões que voam em regiões muito frias. Segundo Mônica, a criação desse tipo de revestimento foi possível graças ao estudo de algumas espécies de plantas carnívoras. 

Outra contribuição destacada pela professora foi o desenvolvimento de colas e adesivos inspirados na forma com que as lagartixas conseguem subir nas paredes. Isso foi possível com a descoberta de que as patas do animal aderem às superfícies graças às chamadas forças de Van de Waals, baseadas na atração e repulsão das moléculas umas contra as outras. 

A partir dos exemplos citados, Mônica justifica a importância de os dois campos científicos caminharem juntos na busca por novas soluções que beneficiem os seres humanos. "A biologia sempre foi nano, sempre trabalhou com átomos e moléculas. Eles sempre entenderam que tudo na biologia está relacionado à bioquímica. O que a gente faz é uma abordagem física que traz um aporte de conhecimento também para entender como é uma interação entre antígenos e anticorpos, como eu posso integrar isso em um nanomaterial para virar um sensor de alta sensibilidade com que eu possa detectar uma doença antes de ela começar a aparecer, ou quando ela já está quase indistinguível no corpo humano", comenta. 

foto mostra monica cotta, enquadrada da cintura para cima, no palco, durante sua apresentação
Mônica Cotta: "O que a gente tem hoje não existiria sem a ciência dos últimos 200 anos"

"Estamos todos em processo de aprendizagem"

O Física para Curiosos é um projeto do IFGW que apresenta temas da Física para o público em geral, com o objetivo de aproximar a ciência das pessoas e chamar a atenção para a importância das pesquisas desenvolvidas nas universidades e centros de pesquisa. 

Para Mônica, também é uma oportunidade para que pesquisadores pensem em como dialogar com o público externo, algo que não está entre as principais preocupações do dia a dia. "É muito fácil a gente falar entre os cientistas, com nossos jargões e ideias que às vezes não fazem sentido, por exemplo, com um industrial. A gente precisa aprender a cruzar essas pontes. Tem pessoas que fazem isso muito bem, mas não são todos", ressalta Mônica. 
 

Imagem de capa

foto mostra monica cotta, enquadrada da cintura para cima, no palco, durante sua apresentação. Clique enter para acessar
Física para Curiosos abre programação 2020 com diálogo sobre interdisciplinaridade