Otras Latinoaméricas traz culturas amerídias e afro-americanas para a Universidade

A cultura afro-colombiana ocupou na última segunda feira (25), o Centro de Convenções da Unicamp, na abertura do projeto Otras Latinoaméricas. Com objetivo de intensificar relações com a América Latina e, mais especificamente, com os povos ameríndios e afro-americanos que compõem a região, o projeto da Diretoria de Cultura (DCult), da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Unicamp (Proec), traz artistas e agentes culturais de diferentes países para a Universidade. Nessa primeira edição, as oficinas incluem culinária, dança, literatura, cinema e música, com turmas na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), na Gare do CIS-Guanabara e no campus de Barão Geraldo da Unicamp, até sexta-feira (29).

Abertura da primeira edição do projeto Otras Lationoaméricas que busca intensificar as relações com a América Latina
Abertura da primeira edição do projeto Otras Lationoaméricas que busca intensificar as relações com a América Latina

O formato de oficina foi privilegiado pela DCult por possibilitar maior integração entre convidados e os participantes. “A ideia é evitar que o contato cultural se dê exclusivamente como apresentações e exibições pontuais. O projeto prioriza a presença destes grupos na Unicamp, com contatos e aprendizagens mais duradouras”, afirmou o diretor da DCult, professor Wenceslao Machado de Oliveira Junior.

De acordo com o pró-reitor de Extensão e Cultura, Fernando Hashimoto, o projeto visa diversificar a influência de saberes e culturas, majoritariamente ocidentais-europeus, na Universidade. “O principal foco é que a Universidade tenha um pouco mais de contato com as tradições, com a cultura dos países da América Latina. E não apenas países, mas todas as etnias que compõe as nossas américas”, enfatizou.

As oficinas são gratuitas e abertas para comunidade interna e externa. As inscrições podem ser realizadas pelo formulário eletrônico.

O Projeto Otras Latinoaméricas vai até abril de 2021 e está com edital aberto para a próxima edição.

#

#

Confira a programação das oficinas:

Steve Steele | Culinária

Biografia: Afro-antilhano, raizal de Santo André, Providência e Santa Catarina. Coordenador de UdeA Diversa na Universidad de Antioquia. Docente de Literaturas da África e do Caribe e Saberes e Pensamento Raizal na Universidad de Antioquia. Integrante do Coletivo de Jovens e Profissionais Raizais Di RUUTS Projek (Projeto Raízes)

Oficina: Mek wii put wan pat! (Expressão em língua crioula de Santo André e Providência que significa "Ponhamos uma panela juntos!")

Objetivo: Proporcionar intercâmbios de saberes e sabores através das práticas culinárias da cozinha afro-antilhana, a partir da preparação coletiva do rondón em sua variedade colombiana.

O rondón é uma prática culinária ancestral concebida a partir da africania constitutiva das gentes que coabitam o Caribe, entre elas, os Raizais de Santo André, Providência e Santa Catarina. Esta preparação, em sua variedade raizal, envolve a toda a comunidade, conjuga sua história e seu modo de vida, nos remete a sua relação com o mar, com a terra e com todos seus frutos.

Faremos intercâmbios entre o saber e o sabor, entre a terra e o mar, entre uns e outros, entre umas e outras, desde a África matriz que nos habita e nos irmana.

Turma 1: 26/11, das 13h às 17h, na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA)
Turma 2: 28/11, das 09h às 13h, no gramado em frente ao Centro de Convenções da Unicamp
Turma 3: 29/11, das 14h às 18h, na Gare do CIS-Guanabara

 

Lina Marcela Echeverri | Dança

Biografia: Licenciada em educação básica em dança pela Universidad de Antioquia, técnica em dança folclórica tradicional colombiana pela Escuela Popular de Arte (EPA), professora de dança na Universidad de Antioquia no Programa de Saúde e bailarina de folclore colombiano no grupo de dança Guateque, faz parte do grupo de pesquisa em pensamento feminino afrolatinoamericano da Universidad de Antioquia, Cadeafro e Flor del Milho, tendo participado em processos de etnoeducação em dança no Valle del Patía Cauca, na Colômbia.

Oficina 1: OFICINA CARIBE “Cumbia e danças de carnaval”

Objetivo:  Introduzir os participantes a alguns ritmos da Costa Norte de Colômbia, como a Cumbia e Danças de Carnaval, desde a rítmica e percussão corporal, os jogos da região e a técnica da dança.

Turma: 27/11, das 14h às 18h, na sala AD05 do Barracão do Instituto de Artes (IA)


Oficina 2: OFICINA PACIFICO: “Abozao y currulao”

Objetivo: Introduzir os participantes a alguns ritmos da Costa Pacífica da Colômbia, como o Abozao do Pacífico Norte e o Currulao do Pacífico Sul, desde os jogos da região e a técnica da dança.

Turma: 29/11, das 09h às 13h, na Gare do CIS-Guanabara

 

Alicia Reyes | Música

Biografia: Comunicadora e cantautora integrante do grupo de “nova música colombiana”, Majagua Ensamble. Estudante de mestrado em Estudos Latino-americanos na Universidade Federal de Integração Latino-americana (UNILA), pesquisadora de mundos sonoros e transformações das práticas musicais nos contextos de guerra. Realizadora radial e apaixonada pelas músicas do Pacífico Colombiano.

Oficina: Cozinha de canções e corpos em movimento: Invocando nossas ancestrais para encontrar nosso som interior entre os ritmos do Bullerengue - 2 turmas

Objetivo: Criar uma composição coletiva que envolva música e dança, inspirada na sabedoria das mulheres que foram importantes em nossa história de vida, levando em conta as referências musicais do Bullerengue, ritmo do Caribe Colombiano e aqueles sons que tenham relação com as nossas ancestralidades. 

Turma 1: 26/11, das 14h às 18h, na sala AD04 do Barracão do Instituto de Artes (IA)
Turma 2: 28/11, das 19h às 23 h, na sala ED03 da Faculdade de Educação (FE)

  

Fredy Florez Olívio | Artesanato

Biografia: Professor de bordador, artesão de madeira e instrutor de desenho artesanal. Único integrante homem do grupo Artesanías Choibá da cidade de Quibdó, fundado em 1998. Foi um dos primeiros alunos de bordado que as mulheres artesãs formaram nos bairros periféricos da cidade, com elas aprendeu o ofício do bordado. Há vários anos é professor, atualmente ministra semanalmente aulas sobre diferentes técnicas de bordado às/aos jovens do grupo Raíces y Alas, pertencentes aos bairros da Zona Norte de Quibdó.

Participou em feiras, cursos e/ou encontros a nível local e nacional em que o grupo Artesanías Choibá foi convidado. Entre eles, se destaca o curso “Bordado en seda” na Escola de Artes e Ofícios Santo Domingo na cidade de Bogotá no ano de 2006, e a participação anual na Feira Alternativa, Justa e Solidária, que é realizada na cidade de Quibdó e na qual se reúnem vários grupos de artesãos e artesãs da região do Meio Atrato para promover o consumo local e justo de produtos próprios do território.

Oficina: Bordar a vida. Uma viagem pelo rio.

Objetivo: A oficina tem como objetivo que os/as participantes se aproximem da linguagem têxtil como forma de narrar e construir memórias, compartilhando suas experiências e trajetórias de vida através do intercâmbio de saberes sobre técnicas de bordado sobre tela. 

Turma 1: 26/11, das 14h às 17h, na Sala Multiuso 3 do CIS-Guanabara
Turma 2: 29/11, das 09h às 12h, na sala LAE, da Faculdade de Educação (FE)

 

Angela Mena | Literatura

Biografia: Professora de etnoeducação, membro do Grupo de Estudos Afrodiaspóricos-CADEAFRO. Coordenadora do Programa de Estudos Afrodescendentes da Universidade de Antioquia, pesquisadora e co-criadora de modelos pedagógicos e textos etnoeducacionais, formadora de docentes no Departamento de Pedagogia. Coordenadora do Centro de Pesquisa em Pensamento Feminino Afrolatinoamericano, em co-criação com o Quilombo de Flor de Milho, de Salvador, Bahia

Com estas oficinas, se busca compartilhar a experiência de vida do literato Miguel A. Caicedo Mena, e através de sua obra poética, explorar e reconhecer a criatividade lingüística do afro-latino (Colômbia-Brasil) e sua conexão com a linguagem africana (Bantú) para narrar a vida, como crítica e como elaboração do saber, fazer, pensar e sentir; que motivem a reflexão-ação dos participantes até a produção de materiais suscetíveis de serem utilizados na etno-educação afrodiaspórica. Por outro lado, estabelecer e estreitar laços de irmandade institucional para o desenvolvimento de projetos e processos de estudos Afro-diaspóricos. 

Oficina 1: De onde eu venho. Falando com Miguel A. Caicedo Mena

Objetivo: Esta oficina tem como propósito localizar o contexto de enunciação dos participantes, ao mesmo tempo que do autor Miguel Antonio Caicedo Mena, com a apresentação de sua vida e a motivação para sua descrição do mundo afro-chocoano.  A partir desta apresentação provocar a reflexão sobre as semelhanças com o contexto brasileiro, para a construção de oralidades próprias.   

Turma: 26/11, das 14h30 às 18h30, na Sala Multiuso da Casa do Lago

 Oficina 2: De Áfricas para o Chocó. O crioulo afro-chocoano e a construção de identidade

Objetivo: Esta oficina é uma provocação para se refletir sobre dois assuntos: a) as relações de parentesco na cultura afro-diaspórica e a construção de laços identitários b) explorar alguns fenômenos lingüísticos na poesía de Miguel A. Caicedo e sua relação com a oralidade africana (Bantú).

Turma: 27/11, das 13h às 17h, na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA)

 

Ramón Perea e Ángela María Jiménez Cano | Audiovisual 

Biografias: Ramon Perea é Criador do Consejo de Audiovisual Wida e do Consejo Audiovisual Afrodescendiente de Colombia e diretor do FICCA  KUNTA KINTE, Festival Internacional de Cine y Video Afro Kunta Kinte. Coordenador da Cátedra Popular Ana Fabricia Córdoba. Diretor Geral de Carabantu.

Ángela Jiménez é produtora e gestora cultural. Desenhista. Pesquisa gênero, imagem, representação em narrativas e construções no audiovisual e nas artes cênicas desde uma perspectiva antirracista. Participou em projetos de educação, direitos humanos e audiovisual. Produtora e membro do grupo artístico do FICCA Kunta Kinte. Integrante da Corporação CARABANTÚ. 

Oficina 1: Cartografias: Identidades Afro-diaspóricas na imagem e no audiovisual - 2 turmas

Objetivo: Construir narrativas visuais através da análise crítica e ética na história do cinema e das artes visuais negras, permitindo encontrar identidades e conexões na diáspora africana na América Latina através de ferramentas como a fotografia, gráficas coletivas, arquivo e videoclipe. 

Turma 1: 28/11, das 09h às 12h, no Cinema da Casa do Lago
Turma 2: 28/11, das 14h às 17h, no Cinema da Casa do Lago


Oficina 2: Imagem, linguagem, poder e contra-narrativa

Objetivo: Construir narrativas visuais através da análise crítica e ética na história do cinema e das artes visuais negras, permitindo encontrar identidades e conexões na diáspora africana na América Latina através de ferramentas como a fotografia, gráficas coletivas, arquivo e videoclipe. 

Turma: 29/11, das 09h às 12h, no Cinema da Casa do Lago

 

Confira abaixo o endereço dos locais onde ocorrerão as oficinas:

- Centro de Convenções da Unicamp (CDC): Av. Érico Veríssimo, 800, Cidade Universitária 'Zeferino Vaz', Barão Geraldo, Campinas/SP
- Barracão do Instituto de Artes da Unicamp (IA): Rua Pitágoras, 338, Cidade Universitária 'Zeferino Vaz', Barão Geraldo, Campinas/SP
- Faculdade de Educação da Unicamp (FE): Av. Bertrand Russell, 801, Cidade Universitária 'Zeferino Vaz', Barão Geraldo, Campinas/SP
- Espaço Cultural Casa do Lago: Av. Érico Veríssimo, 1011, Cidade Universitária 'Zeferino Vaz', Barão Geraldo, Campinas/SP
- CIS-Guanabara: Rua Mário Siqueira, 829, Botafogo, Campinas/SP
- Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA): Rua Pedro Zaccaria, 1300, Limeira/SP

Imagem de capa

Apresentação de dança durante a abertura do projeto Otras Latinoaméricas
Apresentação de dança durante a abertura do projeto Otras Latinoaméricas