Vestibular indígena ultrapassa 1.500 inscritos e registra aumento de 170%

Na segunda edição do Vestibular Indígena Unicamp, a Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) registrou 1.675 inscritos para realizar a prova, um aumento expressivo em relação ao ano passado, quando a demanda foi de 610 inscritos. Este ano, houve ampliação das vagas oferecidas nessa modalidade de ingresso, que passaram de 72 para 96. Também houve a inserção de sete novos cursos. As duas cidades com maior número de inscritos são do Amazonas: Tabatinga, com 837 candidatos e São Gabriel da Cachoeira, com 513 inscritos. A cidade de Tabatinga foi inserida no Vestibular Indígena esse ano.

Segundo o diretor da Comvest, José Alves de Freitas Neto, o aumento da demanda era esperado. “O crescimento do número de inscritos era esperado por três motivos: a consolidação do vestibular e sua divulgação a partir dos próprios estudantes indígenas, que já estão matriculados na Unicamp. Outro fator importantíssimo é que a Unicamp está levando as provas até as cidades mais próximas dos estudantes indígenas. A cidade de Tabatinga, por exemplo, está numa região que concentra 40% da população indígena do Amazonas, assim como Caruaru é a cidade que está mais próxima das comunidades indígenas de Pernambuco. E, por fim, a ampliação das vagas e dos cursos oferecidos pela Unicamp foi outro fator determinante para esse aumento”, explicou José Alves.

Os cursos mais procurados foram: Enfermagem (398 inscritos), Farmácia (165), Pedagogia (103), Nutrição (95), Administração (88), Educação Física (82), Ciências Biológicas (55), Administração Publica (49), Educação Física Noturno (47) e Engenharia Elétrica (46). A lista completa está na página eletrônica da Comvest: www.comvest.unicamp.br.

A prova será realizada no dia 1º de dezembro (seguindo o horário local), nas cidades de Bauru (SP), Campinas (SP), Caruaru (PE), Dourados (MS), São Gabriel da Cachoeira (AM) e Tabatinga (AM). A prova será em língua portuguesa, composta de questões de múltipla escolha e uma Redação, da seguinte maneira: Linguagens e códigos (14 questões); Ciências da Natureza (12 questões); Matemática (12 questões); Ciências Humanas (12 questões); e uma Redação. O programa de estudos para a prova está disponível no Edital, na página da Comvest.

De acordo com José Alves, a Unicamp fará uma prova preocupada com a experiência escolar dos indígenas e seguindo as exigências da instituição. “A experiência do ano passado nos permite fazer uma prova mais elaborada e adequada ao perfil de estudantes que desejamos”, afirmou.

O diretor da Comvest destacou, ainda, a importância do Vestibular Indígena: “Queremos uma prova que represente a diversidade e a pluralidade dos saberes e de povos indígenas no interior da Unicamp”.

No dia do exame, os candidatos deverão comprovar que pertencem a uma das etnias indígenas do território brasileiro, por meio da entrega da documentação especificada no Edital. Outro requisito é que os candidatos tenham cursado o ensino médio integralmente na rede pública (municipal, estadual, federal), ou em escolas indígenas reconhecidas pela rede pública de ensino ou tenham obtido a certificação do ensino médio pelo ENEM ou exames oficiais (por exemplo, o Enceja) e não tenham cursado nenhum período do ensino médio na rede particular. Caso sejam aprovados no vestibular, os estudantes deverão comprovar as exigências, apresentando no ato da matrícula toda a documentação exigida.

No ano passado, na primeira edição do Vestibular Indígena Unicamp, a Comvest registrou 610 inscritos, que disputaram 72 vagas oferecidas. Foram matriculados 64 estudantes, de 23 etnias do Brasil.

Inscritos por cidade

Cidade

Inscritos

Variação

2019

2020

%

Bauru-SP *

-

33

-

-

Campinas-SP

84

149

65

177,4

Caruaru-PE *

-

69

-

-

Dourados-MS

24

74

50

308,3

Manaus-AM **

107

-

-

-

Recife-PE **

45

-

-

-

São Gabriel da Cachoeira-AM

350

513

163

146,6

Tabatinga-AM *

-

837

-

-

Total

610

1675

1065

274,6

* Novas cidades de realização da prova.
** Cidades onde não haverá aplicação da prova do Vestibular Indígena 2020.

Imagem de capa

Audiodescrição: em área externa, imagem frontal e de busto, dois jovens em pé, um ao lado do outro, ao centro da imagem. Ambos sorriem e olham para as lentes da câmera fotográfica. O jovem à esquerda na imagem mantém o braço esquerdo baixado e faz sinal de positivo com o mão direita. Já o homem à direita na imagem mantém os braços baixados. Logo às costas dele há uma placa em tom cinza, com cerca de um metro de largura. À direita, folhagem verde, e à esquerda, folhagem verde e janela de ferro. Imagem 1 de 1
No ano passado, na primeira edição do Vestibular Indígena Unicamp, a Comvest registrou 610 inscritos | Foto: Antonio Scarpinetti