Da Unicamp para o maior jardim botânico do mundo

Alexandre Antonelli na Universidade de Gutemburgo e em trabalho de campo no Equador e Colômbia
Alexandre Antonelli na Universidade de Gutemburgo e em trabalho de campo no Equador e Colômbia

Aos 40 anos de idade, o brasileiro Alexandre Antonelli foi nomeado em outubro passado para o cargo de diretor de Ciência do Royal Botanic Gardens, Kew, no Reino Unido, considerado o maior jardim botânico do mundo. Ele assumirá a função em fevereiro de 2019.

Antonelli iniciou sua graduação em Ciências Biológicas na Unicamp em 1996, mas terminou o curso na Europa. Para o doutorado, o novo diretor retornou à Unicamp e cursou disciplinas no Instituto de Biologia e obteve suporte formal e logístico para realizar trabalhos de coleta de plantas em várias partes do país, como no Amazonas, na Mata Atlântica e em áreas de Cerrado.

O estreitamento das relações com a Unicamp permaneceu, quando assumiu o cargo de professor na Universidade de Gotemburgo, na Suécia. “Recebi vários alunos de doutorado para estágios aqui no meu laboratório e ainda mantenho colaborações com vários professores do IB”, afirma Antonelli.

Em entrevista ao Portal da Unicamp, ele fala sobre sua trajetória e revela quais são suas expectativas para o seu mais novo desafio.         

 

Portal da Unicamp – Qual o curso e em que ano você fez graduação na Unicamp?

Alexandre Antonelli – Fiz Ciências Biológicas no período noturno durante um semestre, em 1996. Tranquei a matrícula por um ano para poder estudar francês na França. Recomecei minha graduação em Biologia na Suécia em 2001.

 

PU - O que você acredita que foi importante na sua graduação para que prosseguisse na carreira acadêmica? 

Alexandre – Foi o trabalho de campo, onde entrei em contato pela primeira vez com pesquisadores e estudantes de doutorado absorvidos na pesquisa científica. Fui voluntário para um projeto no norte da Suécia em 2003, viajando de helicóptero para várias montanhas da Lapônia para documentar e medir a vegetação e como ela seria afetada pelas mudanças climáticas. Foi então que entendi que era possível conciliar meu grande interesse pessoal de estar na natureza, com um trabalho remunerado e de alta relevância para a sociedade e o planeta. Me tornar pesquisador se tornou um sonho que logo se concretizou. 

 

PU – Como foi a sua transferência para a Universidade de Gotemburgo, na Suécia? Como você chegou até lá? 

Alexandre – Cheguei a Gotemburgo por razões pessoais. Estava morando em Honduras e trabalhando como mergulhador no Caribe, quando conheci uma menina sueca, que depois se tornaria minha esposa. A principal razão foi saber que Gotemburgo tinha uma grande linha de pesquisa com a flora da América do Sul, e fiquei muito animado em dar continuidade a esse trabalho. 

 

Alexandre Antonelli contato com a Unicamp foi extremamente valioso no doutorado
Alexandre Antonelli contato com a Unicamp foi extremamente valioso no doutorado

PU – Depois de sua saída da Unicamp teve ou tem algum contato com professores e pesquisadores daqui?

Alexandre – Sempre mantive um contato muito ativo com a Unicamp, principalmente o Instituto de Biologia (Departamento de Biologia Vegetal). Já durante meu doutorado na Suécia, esse contato foi extremamente valioso, pois fiz disciplinas aí e obtive o suporte formal e logístico para poder realizar trabalhos de coleta de plantas em várias partes do país, como Amazonas, Cerrado e Mata Atlântica. Já recebi vários alunos de doutorado para estágios aqui no meu laboratório, e ainda mantenho colaborações com vários professores, principalmente o professor André Olmos Simões e a professora Maria Fernanda Calió. 

 

PU –  Faça um breve resumo da sua trajetória acadêmica?  

Alexandre – Fiz doutorado em Biologia 2003-2008 pela Universidade de Gotemburgo; Pós-doc 2009-2010 pela Universidade de Zurique; Curador científico no Jardim Botânico de Gotemburgo 2010–2019; Pesquisador pela Universidade de Gotemburgo 2011– até a presente data (Professor Livre Docente em 2015); Fundador e Diretor do Gothenburg Global Biodiversity Centre 2017–2019; Professor Visitante pela Universidade de Harvard Janeiro-Julho 2018.

 

PU – Fale sobre como se sente com a nomeação e faça um breve resumo dos seus projetos futuros e o que pretende desenvolver no Kew Garden. 

Alexandre – Estou super animado com o cargo, será uma honra e responsabilidade imensa liderar a pesquisa e coleções científicas do Kew! Espero também me desenvolver profissionalmente e pessoalmente. Ainda não assumi o cargo, e é cedo para saber quais serão os projetos futuros que tentarei lançar. Uma prioridade é consolidar os planos da estratégia científica divulgada para os anos 2015-2020 e criar uma nova estratégia para os anos 2020-2025. Algo que gostaria muito de iniciar em breve é um projeto de criação de imagens para todas as espécies cultivadas ou preservadas no Kew, ligadas diretamente a algoritmos de inteligência artificial para o reconhecimento automático de espécies de plantas e fungos, envolvendo a participação de cidadãos neste processo. 

 

PU – Fale sobre o Kew Garden e sua importância mundial. 

Alexandre – Royal Botanic Gardens, Kew é o maior jardim botânico do mundo. Conta com mais de mil empregados, dos quais mais de 300 são cientistas ou associados à pesquisa. Durante os quase 260 anos de existência, esta instituição acumulou a coleção mais vasta de plantas e fungos do mundo. Kew lidera a pesquisa botânica e de fungos em várias áreas, com fortes colaborações internacionais, envolvendo mais de 110 países. O Brasil, por ser o país de mais alta biodiversidade mundial, tem excelentes colaborações com Kew e espero poder fortalecer isso ainda mais durante meu mandato. 

 

Imagem de capa

Alexandre Antonelli em experimento na Universidade de Gotemburgo, na Suécia
Alexandre Antonelli em experimento na Universidade de Gotemburgo, na Suécia