Outubro Rosa encerra com revoada de balões

Revoada de balões na área externa do Caism
Revoada de balões na área externa do Caism

Olhar para trás e ver o quanto avançou a atenção à saúde da mulher no Brasil é uma reflexão que sempre deve ser feita quando se procura atingir um alvo ou quando se quer saber o quanto faltou fazer para atingir os cuidados esperados para essa população. Nesse sentido, o Outubro Rosa do Hospital da Mulher – Caism está sendo um termômetro para que, a cada nova edição, o evento persiga mais e mais a prevenção do câncer de mama que, em estágios iniciais, tem cura e que conta hoje com importantes instrumentos para que haja um rastreamento adequado, quando o assunto é prevenção.

A partir dessa perspectiva, a Campanha Outubro Rosa do Caism já está se consolidando como o evento mais destacado da Região Metropolitana de Campinas (RMC). Esse pensamento inclusive permeou todos os discursos das autoridades que integraram a mesa de encerramento do evento, no dia 31 de outubro no auditório do subsolo do hospital. Pacientes, funcionários, alunos, profissionais e convidados prestigiaram a campanha até o último dia. O mês de outubro foi intenso em atividades, que eram praticamente diárias no hospital, e proporcionou a possibilidade de muitos contribuírem para essa causa, seja com apoio ou com trabalho.

O mastologista César Cabello, coordenador da Área de Mastologia do Caism, disse que este foi o Outubro Rosa mais vibrante, o que mostra que o evento está se firmando até como uma necessidade. Em sua opinião, essas atividades certamente têm reflexos na vida das pacientes e, “apesar do evento encerrar, todos os meses devem ser outubro e todos os dias devem ser rosa na luta contra o câncer de mama”, salientou ele. “Essa é uma campanha de conscientização, e a consciência mamária ultrapassa os limites do autoexame envolvendo também a tarefa de cobrar de quem cuida.”

O diretor da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, Luiz Carlos Zeferino, realçou que o professor José Aristodemo Pinotti, ao criar o Caism, fez mais do que se esperava. Levou a discussão da saúde da mulher para a Figo (Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia), a fim de criar um comitê de ginecologia e obstetrícia, incluindo nele a área oncologia/mastologia. O diretor da FCM acredita que Pinotti foi a pessoa que mais contribuiu para a mastologia brasileira e que desde a década de 1970 se preocupava com as mulheres que se submetiam à mastectomia para que conseguissem a cirurgia de reconstrução mamária. “Ele deixou aqui uma escola de liderança e profissionais altamente qualificados para trabalhar em benefício da mulher, e fico muito feliz em fazer parte dessa história”, sublinhou Zeferino, que participou do processo de criação do Caism e do qual foi gestor..

Público no auditório do subsolo do Caism
Público no auditório do subsolo do Caism
Mesa de encerramento do Outubro Rosa
Mesa de encerramento do Outubro Rosa

O superintendente do Hospital da Mulher, Luís Sarian, após agradecer todas as colaborações ao Outubro Rosa, ressaltou que o Caism tem procurado engajar a equipe hospitalar nesse evento, pois “ele é importante para lembrar o que somos e qual é o nosso papel”, recordou. Luís Sarian assinalou que o hospital possui os melhores profissionais para atuar na assistência à saúde da mulher da América Latina. Para ele, o Caism é a materialização do que é a saúde da mulher e o Outubro Rosa é um momento em que se pode levar esse pioneirismo. “Aqui é a casa de quem precisa desse atendimento, levando a prevenção, o tratamento e a cura. Que essa escola se expanda e conte com nosso apoio.”

A primeira dama de Campinas, Sandra Ciocci, agradeceu as várias parcerias do evento. Ela comentou que essa não é uma campanha exclusiva da Prefeitura de Campinas ou do Caism. Trata-se de uma ação muito maior. “Muitas mulheres acham que nunca precisarão desse atendimento. Mas na verdade nunca conseguiremos conhecer as mulheres que passaram por aqui, tão grande é esse número, o que derruba essa ideia e colabora para que se busque ajuda especializada”, frisou.

Representando a Reitoria da Unicamp, o cardiologista Otávio Rizzi elogiou o evento do Caism e a visão inovadora do professor Pinotti ao criar o Hospital da Mulher. “O Departamento de Tocoginecologia era um pequeno setor do Hospital de Clínicas. Hoje, estamos já na terceira geração dos seguidores do professor Pinotti”, destacou. “O modelo de assistência integral veio acoplado ao modelo de assistência às pessoas. E o Caism, a FCM e o HC são uma contrapartida para devolver à sociedade uma assistência de primeiro mundo. O Caism é um exemplo que não podemos deixar de citar, assim como o professor Pinotti. E as ações do Outubro Rosa vão nessa mesma direção. Eu não conheço nenhum outro serviço brasileiro como o Caism na assistência à mulher”, concluiu Rizzi.

Após o encerramento da solenidade no anfiteatro, o público se dirigiu à área de convívio do Caism para participar da cerimônia de revoada de 200 balões rosas, fazendo menção ao mês Outubro Rosa, todos com sementes de ipê, que devem cair até em campos mais distantes, assim como é a assistência que tem sido oferecida pelo Caism a pelo menos 42 municípios brasileiros. 

Revoada de balões com sementes de ipê
Mesa de encerramento do Outubro Rosa