Para relembrar as muitas histórias da Unicamp

Autoria
Edição de imagem
Churrasco da turma de Engenharia de Alimentos, em 1968
Churrasco da turma de Engenharia de Alimentos, em 1968

Agora é oficial. Planejada desde o ano passado, a comemoração dos 50 anos da segunda turma de alunos da Unicamp vai acontecer no dia 22 de setembro. Mais de 200 pessoas já confirmaram presença no encontro, entre estudantes da época e  seus acompanhantes. A maior parte dos 251, número que a comissão organizadora do evento trabalha, foi localizada, restando menos de 10. A notícia triste: 35 já faleceram.

Ouça também"Unicamp Direto ao Assunto" aborda o encontro de 50 anos da turma de 1968

Frederico Atílio, o Fred, que completa 71 anos em 9 de setembro, cientista da computação aposentado, é um dos nove integrantes de equipe que prepara a reunião do grupo no campus neste mês. Ele  conta que o jequitibá-branco de 3,5 metros, a ser plantado na praça do Ciclo Básico, já foi comprado. A programação está praticamente fechada. Encontro às 8h30 no Centro de Convenções, entrega dos crachás, culto ecumênico e cerimônia formal do jubileu de ouro estão nos itens iniciais.

O reitor Marcelo Knobel, com quem Fred e Cristina Aranha, outra da turma de 1968, se reuniram no mês passado, na Reitoria, deve participar da atividade da manhã. Em seguida o grupo se dirige para o Básico, onde ocorre o plantio do jequitibá, próximo do teatro de arena. A Casa do Professor Visitante, a CPV, é o local do almoço e de um happy hour, no começo da noite. A Universidade cedeu o Centro de Convenções. As demais despesas correm por conta dos participantes.

Uma reunião da comissão que organiza o reencontro da turma de 1968 aconteceu na noite da última sexta, dia 31. Fred explica que nem todos moram em Campinas. Veio gente de São Paulo e de cidades da região. Entre outros temas estava o levantamento de fotos de época, que devem compor um acervo a partir de agora. O grupo pede que os participantes do encontro do dia 22 tragam as suas.

Além de fotos, histórias não vão faltar. Fred relembra que muitos estudantes moravam em repúblicas próximas à rua Culto à Ciência, onde eram ministradas aulas no Colégio Bento Quirino, que depois viria a ser a sede do Colégio Técnico de Campinas, o Cotuca. “No fim da tarde a gente se reunia na república Maloca do Escudo Negro, que ficava na esquina das ruas Hércules Florence e Falcão Filho,  para apreciar a saída das alunas do Culto à Ciência”, relembra. Em média de 15 a 20 se concentravam ali por volta das 17 horas. Na Maloca moravam 14 estudantes da Unicamp. Apenas em 1969 os cursos foram transferidos para o campus de Barão Geraldo, em meio à construção de muitos prédios.

Ainda sobre a programação, uma banda foi confirmada para o happy hour. Zaga Ribeiro Piano & Voz é de um ex-aluno da turma de 1969. Aliás, além dos alunos que entraram na Unicamp em 1968, havia muita integração com outras turmas. Pelo menos 30 deles foram convidados. Além disso, o grupo que promove a atividade do dia 22 encontrou 20 nomes que não estavam na lista de 251. Fred conta que ‘alguns desses tomaram pau’ e entraram na turma de 1969 ou entraram na Unicamp e não ficaram. Também foram convidados.

Entre os que ficaram e terminaram seus cursos estão professores da Unicamp. Como Celso Arruda (Engenharia Mecânica), Roberto Pessi (Química), Daniel Camilo (Engenharia Elétrica), apenas para citar alguns. Dia 22, com certeza, muito do que rolou em 1968 vai ser relembrado. Então é bom não faltar.

Parte da comissão que organiza jubileu de ouro da turma de 1968 e convidados 
Parte da comissão que organiza jubileu de ouro da turma de 1968 e convidados 

Faça contato com a turma de 1968
E-mail fredatilio@uol.com.br, 19-99663-9626 whatsapp
 

Programação
22 de setembro
No Centro de Convenções
8h30 - Café da manhã e entrega de crachás
9h30: Culto ecumênico, seguido de cerimônia formal de comemoração do jubileu de ouro da turma

Praça do Ciclo Básico
Plantio do Jequitibá-branco

Casa do Professor Visitante
Meio-dia: almoço
19 horas - Happy hour (na área da piscina)

A comissão organizadora dos 50 anos e seus cursos em 1968
Abduch Barnaba Jorge  - Engenharia Civil
David Sampaio - Engenharia Civil
Joaquim Coelho Francisco - Engenharia Mecânica
José Roberto Bastos - Engenharia Elétrica
José Togashi - Engenharia de Alimentos
Jorge Romano Netto - Química
José Mauricio G. Abreu - Computação
Tadaaki Wakabayashi - Computação
Frederico José Atilio - Computação


Mais de 1968:
1968, o ano que está começando

Equipe de futebol de rua
Equipe de futebol de rua


 

Equipe do Escudo Negro na primeira gincana da Unicamp
Equipe do Escudo Negro na primeira gincana da Unicamp
Frederico Atílio
Joaquim Coelho
José Togashi
Abduch Barnaba Jorge
Jorge Romano Netto
José Roberto Bastos
Imagem de capa
República Maloca do Escudo Negro, que ficava na esquina das ruas Hércules Florence e Falcão Filho: encontro para ver as alunas do Culto à Ciência

twitter_icofacebook_ico

Comunidade Interna

O grupo é composto por 65 intercambistas de graduação, que farão disciplinas isoladas em diferentes cursos, e 70 alunos regulares de pós-graduação

No espaço, o cliente escolhe o produto, faz o pagamento e prepara sua refeição nos equipamentos de apoio disponíveis no local;  a loja funciona 24 horas por dia, ininterruptamente

Atualidades

Professor do Instituto de Geociências e autor do livro “Africano: uma introdução ao continente”, Kauê Lopes dos Santos comenta aproximação com países como Egito e Etiópia

Estudos anteriores já apontavam a proteína MKK3 como um fator importante na sobrevivência e proliferação de células tumorais

Diversas iniciativas são realizadas nos meses de janeiro e fevereiro com o intuito de fomentar a formação continuada dos estudantes universitários

Cultura & Sociedade

O evento acontecerá entre os dias 29 de fevereiro e 10 de março; a obra ESTAFA ou sobre os sonhos não dormidos foi selecionada na categoria de peças internacionais

Estudo pioneiro foi realizado no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás; o papel da biodiversidade é fundamental no aumento da resistência à invasão biológica