Comitê Paralímpico Brasileiro busca ampliar relações com a Unicamp

A coordenadora da CGU, Teresa Atvars, conversa com José Fernandes, coordenador da APB
José Fernandes, coordenador da APB, conversa com a coordenadora da CGU, Teresa Dib Zambon Atvars

A Unicamp e o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) estão estreitando ainda mais a sua relação de cooperação. O coordenador geral da Academia Paralímpica Brasileira (APB) José Fernandes Filho foi recebido nesta segunda-feira (21) na sala de reuniões do Gabinete do Reitor pela coordenadora geral da Universidade, professora Teresa Dib Zambon Atvars. Participou ainda desse encontro o professor Roberto Rodrigues Paes, diretor executivo de Administração (DEA) da Unicamp. "O objetivo foi aprofundar ainda mais os laços já existentes e expandir o relacionamento por meio de eventos, pesquisas e trabalhos colaborativos”, salientou José Fernandes.

O coordenador da APB disse do grande interesse em desenvolver pesquisas com a Unicamp, isso não somente na área dos esportes. Também na área populacional, médica, nutricional e psicológica. "Hoje levaremos boas respostas para o nosso presidente Mizael Conrado e creio que isso certamente fortalecerá bastante o esporte paralímpico.” Mizael Conrado é o primeiro medalhista paralímpico a assumir a presidência do Comitê Paralímpico Brasileiro.

De acordo com a professora Teresa Atvars, que substitui o reitor da Unicamp interinamente, a FEF já é um referencial no aspecto de treinamento e já tem atuado em conjunto com o Comitê Paralímpico, "mas devemos estender essa relação para a Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), através do seu curso de Ciências do Esporte. Além disso, temos aí um conjunto de assuntos correlatos a essa questão que podem servir de oportunidades para novas iniciativas”, comentou.

Ela realçou que a Unicamp tem uma larga expertise em estudos e pesquisas populacionais. Também lembrou que "a Universidade tem um núcleo científico e que talvez isso possa ajudar o Comitê com os estudos populacionais na área da deficiência, para que sejam montadas estratégias locais ou regionais, abordando problemas específicos que tenham uma determinada prevalência em um determinado lugar".

Teresa Atvars mostra a Unicamp para José Fernandes, ao lado de Roberto Rodrigues Paes
Teresa Atvars mostra a Unicamp para José Fernandes, ao lado de Roberto Rodrigues Paes

Na opinião de Teresa Atvars, existe uma janela de oportunidades no momento e o assunto é importante para o país. Faltava consolidar essa parceria, sem perder aquilo que já foi conquistado, e abrir novas áreas de colaboração. Nessa linha, a Reitoria da Unicamp recebeu o convite para visitar, em breve, o CPB, em sua sede em São Paulo.

“Naquela ocasião, iremos alinhar uma programação e teremos a participação do reitor e dos diretores da FCA (do curso de Ciências do Esporte) e da FEF, para vermos, do ponto de vista operacional, como é possível investir mais nessa cooperação, pois relações boas nós já temos”, explicou. "Eventualmente, poderá surgir alguma oportunidade de estágio para os alunos e sua inserção em projetos de pesquisa."

Segundo José Fernandes, essa relação, daqui por diante, deve facilitar muito os estudos sobre rendimento esportivo e também deve motivar ações nas áreas em que o mundo paralímpico precisa: principalmente a área da deficiência. “Já temos uma ótima relação com a FEF da Unicamp. Agora queremos que isso ocorra com o restante da instituição. Esse é o ponto fundamental da nossa vinda aqui. Queremos trazer a Unicamp, em sua totalidade, para dentro do CPB”, assinalou. 

José Fernandes levará boas respostas ao presidente do CPB, Misael Conrado
José Fernandes levará boas respostas ao presidente do CPB, Mizael Conrado