Furgões da Sanasa chegam ao campus. E técnicos abordam o uso consciente de água na Unicamp

Autoria
Edição de imagem
Público visita furgões da Sanasa
Público visita furgões da Sanasa

Campinas dispõe atualmente de 25 estações de tratamento de esgoto. O município tem um índice de abastecimento de 99,56%. “Estamos próximos da universalização do saneamento. Somos a segunda cidade no país com população acima de 1 milhão de habitantes que tem a coleta e tratamento de esgoto. Só ficamos atrás de Curitiba”, frisou Luís Antonio Santos, agente técnico da Sanasa, durante atividade educativa na Unicamp. O evento, promovido pela Câmara Técnica de Educação Ambiental e Coletivo Ambiental da Universidade, lembrou o Dia Mundial da Água, comemorado neste dia 22 (quarta-feira).

A Sanasa estacionou de manhã dois furgões na Praça das Bandeiras para orientar sobre o uso da água e a economia que se pode fazer através de simples atitudes que depõem contra o desperdício. Um dos furgões, que atuam como uma espécie de laboratório, mostrou o uso consciente do esgoto e, o outro, o uso consciente dos redutores em casa, que podem ajudar a diminuir a conta de água. “Não basta a Sanasa fazer a sua parte com relação à infraestrutura e tratamento de esgoto da cidade. Dependemos de ações do dia a dia, como não fazer do vaso sanitário um cesto de lixo”, afirmou Luis. “Ao jogar o lixo no lixo, evitamos o refluxo do esgoto.”

Gineusa fala de ações da Unicamp sobre consumo consciente da água
Gineusa fala de ações da Unicamp sobre consumo consciente da água

Segundo Luís, a Sanasa, ligada à Prefeitura Municipal de Campinas, desenvolve no momento um trabalho de uso racional da água em 200 escolas do município que mais gastam água. Com isso, têm sido trocadas todas as torneiras com válvulas de acionamento automático e válvulas dos banheiros. A economia gerada dá para abastecer uma cidade de cerca de sete mil habitantes, informou. O agente lamenta que muitas residências ainda lancem água de chuva na tubulação de esgoto. “Quando chove, muita enxurrada corre para as casas. Imagine isso dentro da tubulação. Cria-se uma forte pressão e forma-se um chafariz de esgoto, que escorre em vias públicas e que não passa por uma estação de tratamento, contaminando os rios.”

Paralelamente a esse projeto nas escolas, outra ação da Sanasa está sendo expandida para as universidades, de modo a conscientizar a comunidade que podem ser colocados nas suas residências dispositivos nas torneiras e no vaso sanitário, para que a água seja usada de maneira parcimoniosa. Essas recomendações e outras, aliás, têm sido algumas das bandeiras da Unicamp. Há anos, a instituição vem realizando campanhas e programas de conscientização para o seu uso racional, comentou Maria Gineusa Medeiros, coordenadora do Grupo Gestor Universidade Sustentável (GGUS).

Ela revelou que, desde 2015, a Unicamp tem a Campanha “Eu e a água na universidade”. A ideia é que a comunidade universitária pense mais sobre esse assunto. Essa campanha prossegue ao lado de outras ações como a Semana do Meio Ambiente. Tem ainda um trabalho com o pessoal da Divisão de Sistemas (DSIS) da Prefeitura do campus e, por causa disso, a Universidade tem tido uma maior economia de água, sobretudo desde 1999. A DSIS tem trocado todas as torneiras e tem colocado redutores e caça-vazamentos no campus.  

 

Luis, agente da Sanasa
Funcionário da Sanasa prepara furgão 

twitter_icofacebook_ico

Comunidade Interna

O grupo é composto por 65 intercambistas de graduação, que farão disciplinas isoladas em diferentes cursos, e 70 alunos regulares de pós-graduação

No espaço, o cliente escolhe o produto, faz o pagamento e prepara sua refeição nos equipamentos de apoio disponíveis no local;  a loja funciona 24 horas por dia, ininterruptamente

Atualidades

Professor do Instituto de Geociências e autor do livro “Africano: uma introdução ao continente”, Kauê Lopes dos Santos comenta aproximação com países como Egito e Etiópia

Estudos anteriores já apontavam a proteína MKK3 como um fator importante na sobrevivência e proliferação de células tumorais

Diversas iniciativas são realizadas nos meses de janeiro e fevereiro com o intuito de fomentar a formação continuada dos estudantes universitários

Cultura & Sociedade

O evento acontecerá entre os dias 29 de fevereiro e 10 de março; a obra ESTAFA ou sobre os sonhos não dormidos foi selecionada na categoria de peças internacionais

Estudo pioneiro foi realizado no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás; o papel da biodiversidade é fundamental no aumento da resistência à invasão biológica