Fisioterapeutas do HC criam manual de conduta para paciente com Covid

Em dezembro de 2019, na província de Wuhan, um vírus surgiu causando complicações pulmonares. A doença causada pela disseminação do novo coronavírus e depois chamada Covid-19, em poucos meses, se tornou uma pandemia mundial com milhares de mortes. Os principais sintomas referidos pelos pacientes são a febre em 88% dos casos e a tosse em 68% dos casos. Porém, a Covid-19 pode causar a Síndrome Respiratória Grave em 20% dos casos, causando inflamação sistêmica, complicações pulmonares e cardiovasculares e até morte. Nesses casos, a necessidade de internação hospitalar é eminente.

Médicos e enfermeiras são os profissionais lembrados constantemente no atendimento dos pacientes com Covid-19. Entretanto, um grupo discreto de profissionais atuam de maneira integrada para garantir o acompanhamento da oxigenoterapia e ventilação mecânica invasiva e não invasiva desses pacientes que chegam ao hospital. Se necessário, auxiliam nos procedimentos de intubação traqueal e ressuscitação cardiopulmonar e ajudam na recuperação dos movimentos físicos dos pacientes antes da alta hospitalar: são os fisioterapeutas.

Atualmente, o HC Unicamp conta com 52 fisioterapeutas que realizam atendimentos nas unidades de internação pediátrica e de adultos e ambulatórios. Nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) o atendimento é 24 horas. A rotina do cuidado e atendimento aos pacientes do hospital já era bastante exaustiva, mas com o acolhimento dos pacientes com Covid-19, houve uma demanda maior da presença dos fisioterapeutas no leito do paciente, além do tempo da terapia, para monitorização de critérios clínicos.

“É uma equipe altamente especializada, comprometida, dedicada aos cuidados dos pacientes e preocupados com as atualizações que estejam em consonância com os avanços tecnológicos da área, evidências científicas, e organização do serviço, principalmente quanto as alterações de áreas físicas para receber os pacientes”, explica a fisioterapeuta Luciana Castilho de Figueirêdo, coordenadora do Serviço de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (SFTO) do Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp.

A alta transmissibilidade do vírus determinou à equipe de fisioterapia um planejamento pré-atendimento que otimiza-se a entrada do profissional no isolamento para realização de todos os recursos de terapêuticos necessários para o cuidado do paciente com Covid-19. Vários treinamentos para o uso correto de EPIS foram realizados, em parceria com o Departamento de Enfermagem (DENF) e Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH). Atenção especial foi dada ao treinamento da equipe do SFTO quanto a padronização dos procedimentos de intubação endotraqueal e ressuscitação cardiopulmonar.

Mas a equipe de fisioterapia do HC Unicamp foi além e criou o Manual de Condutas Assistência Fisioterapêutica no Paciente Covid-19 do HC Unicamp.

“Assim que os primeiros artigos publicados sobre o manejo de pacientes com a Síndrome Respiratória Grave começaram ser divulgados, percebemos que existia a necessidade de padronizar as nossas ações quanto atividades profissionais em relação às atividades coletivas compartilhadas com as outras equipes da saúde do hospital principalmente frente à pandemia de Covid-19”, explicou Luciana.

Saiba mais detalhes e veja fotos em matéria publicada no site do HC da Unicamp. 

 

 

Imagem de capa

Fisioterapeutas monitoram paciente em leito especial para Covid-19
Atualmente, o HC Unicamp conta com 52 fisioterapeutas que realizam atendimentos nas unidades de internação pediátrica e de adultos e ambulatórios