Especialista alerta sobre controvérsias no diagnóstico e tratamento da Síndrome de Irlen

A Síndrome de Irlen é uma doença rara que causa dificuldade de leitura e aprendizado devido à sensibilidade extrema a certas ondas de luz. Pouco conhecida no Brasil, a correção pode ser feita por meio do uso de lentes coloridas, segundo o Instituto Irlen, da Califórnia. Estas lentes servem como “filtros” que facilitam a leitura.

Entretanto, de acordo com Maria Augusta Montenegro, neuropediatra do Departamento de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, os sintomas são vagos e muitas vezes similares à dislexia, ao transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) ou mesmo enxaqueca. Além disso, os custos para a aquisição e manutenção desses óculos especiais são extremamente caros.

“Dificuldade escolar gera alto grau de ansiedade nos pais e a família fará praticamente qualquer coisa para que um filho melhore o desempenho escolar. Não há comprovação cientifica sobre a eficácia das lentes coloridas no tratamento da Síndrome de Irlen”, alerta a especialista da FCM da Unicamp.

Leia notícia completa na Página da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp

Imagem de capa

Maria Augusta Montenegro, neuropediatra do Departamento de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp
Maria Augusta Montenegro, neuropediatra do Departamento de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp