Eletrônicos em excesso atrasam desenvolvimento infantil

Não é preciso ter só competência para usar as ferramentas computacionais. É preciso saber empregá-las com moderação, ainda mais quando se trata de crianças. As escolas e os pais devem organizar e limitar o tempo que elas interagem com o computador e com outros aparelhos eletrônicos de tela (AETs), como celulares, tablets, videogames, notebooks e televisão.

Sem limites para o seu uso, as crianças deixam de brincar no mundo real e de ter uma rotina, o que interfere inclusive no ritmo de construção do seu desenvolvimento cognitivo. Foi o que concluiu a pedagoga Ana Lúcia Pinto de Camargo Meneghel em estudo de mestrado apresentado à Faculdade de Educação (FE), na linha de pesquisa de Psicologia da Educação.

Leia na íntegra a matéria produzida pelo Jornal da Unicamp. 

Assista vídeo do Bom dia Brasil, da TV Globo