Grupo Idea renova parceria com Unicamp e aposta em tecnologias para satélites

Empresa-filha instalada no Parque Científico e Tecnológico da Unicamp desenvolve soluções para o mercado global de data centers

A parceria entre o Grupo Idea! e a Universidade Estadual de Campinas no âmbito das comunicações ópticas começou há mais de cinco anos. O grupo, instalado em prédios do Parque Científico e Tecnológico sob gestão da Inova Unicamp, já fornecia tecnologia de detecção de raio X para o acelerador de partícula Sirius. Agora, se lança em pesquisas sobre o espaço, com foco na comunicação entre satélites de baixa órbita.

O novo convênio de P&D assinado com a Unicamp (“Interconexão Óptica de Alta Velocidade entre Satélites de Baixa Órbita Usando Detecção Óptica Coerente”) busca desenvolver um simulador capaz de considerar os efeitos que impactam a sensibilidade dos receptores em satélites que operam a 450 km e 550 km da Terra, a fim de reduzir ruídos e aumentar a capacidade de comunicação desses sistemas.

De acordo com o coordenador do projeto, professor Darli Mello, da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC), trata-se de uma interconexão óptica de alta velocidade entre satélites de grandes constelações, como as da SpaceX, Amazon, OneWeb e Telesat. Preve-se implementar grandes redes de comunicações de alta velocidade, como as de fibras ópticas, mas sem fio e no espaço. “A Idea é uma das poucas empresas que desenvolve transceptores ópticos de alta velocidade para sistemas de fibras ópticas e pretende aproveitar sua expertise para sistemas ópticos no espaço. Nossa equipe na Unicamp vem apoiando a Idea! na avaliação das técnicas de transmissão no contexto espacial, levando em consideração efeitos particulares da comunicação intersatelital”, comenta.

O projeto está inserido no Programa de fomento do CNPq ao Mestrado e Doutorado Acadêmico para Inovação (MAI/DAI), que incentiva a inovação nas instituições científicas, tecnológicas e de inovação (ICT) em parcerias com a indústria.

Dados em alta velocidade de internet

O Grupo Idea é o principal player brasileiro na fabricação de microchips e vem expandindo o ecossistema local em hardware. Para manter a tecnologia no estado da arte, firmou mais um convênio de P&D com a Universidade, no qual busca desenvolver, em parceria com o Instituto de Computação (IC), técnicas de arquiteturas de software e hardware para sistemas ópticos de transmissão de dados em alta velocidade.

Entre as linhas de investigação estão a integração de microprocessadores, a otimização de processos com precisão numérica para melhoria de desempenho e eficiência energética e a otimização da computação desagregada para integração de soluções de diferentes fabricantes. “Em uma comparação com um carro, é como se fizéssemos o motor conversar melhor com a transmissão”, diz Lucas Wanner, pesquisador do IC da Unicamp.

O docente, que supervisiona o projeto “Otimização de software e hardware para sistemas de transporte óptico baseados em arquiteturas desagregadas”, explica que os sistemas de comunicação óptica desenvolvidos pela Idea! processam rapidamente os dados, mas, para isso, consomem muita energia. Um dos objetivos é reduzir esse gasto. “Trabalhamos com engenheiros da Idea! para descobrir os pontos onde o sistema poderia ser mais eficiente e desenvolver técnicas para otimização de desempenho e energia. Nem sempre é claro quais são as partes mais importantes para otimização de um sistema, por isso nosso trabalho inclui esse perfilhamento de tarefas”, complementa Wanner.

A parceria permite a formação especializada dos alunos em uma área de alta demanda, além de geração de publicações e desenvolvimento de técnicas e propriedades intelectuais em co-titularidade que possam ser integradas aos sistemas desenvolvidos pela Idea!.

Convênios fomentam expansão do Grupo Idea!

Fundada em 1997 por ex-alunos da Universidade, a Idea! Sistemas Eletrônicos é uma empresa-filha da Unicamp. Em 2017, passou por uma transformação completa, incorporando a BrPhotonics e a Pi-Tecnologia, formando o Grupo Idea!, com foco em comunicações ópticas. Atualmente, ocupa um andar no Prédio do Núcleo e dois andares no Prédio Soma, ambos sediados no Parque Científico e Tecnológico da Unicamp. O grupo já se prepara também para pôr em operação uma nova planta de manufatura para produção de dispositivos optoeletrônicos e tranceivers de alta capacidade de transmissão.

Segundo o diretor de Microeletrônica do Grupo Idea!, Jacklyn Reis, 90% do valor do grupo depende de capital intelectual e de propriedade intelectual. A Unicamp é uma de suas principais parcerias. “Os projetos de cooperação com a Unicamp são fundamentais para a consolidação tecnológica da empresa. Destacamos a capacitação de recursos humanos em temas tecnológicos alinhados ao nosso roadmap, a oportunidade de cooperar com grupos de pesquisa, incluindo professores e alunos de ponta na América Latina, e a possibilidade de atender rapidamente às necessidades de mercados com soluções criativas”, resume Jacklyn.

Os novos convênios com a Unicamp têm duração de 24 meses. O grupo investirá na compra de materiais e equipamentos para laboratórios. Cerca de 15 pessoas, entre funcionários da empresa, professores e alunos da universidade participam dos projetos.

Sobre o Parque Científico da Unicamp

O Parque Científico e Tecnológico da Unicamp está localizado no campus da Unicamp em Campinas. São 100 mil m² urbanizados, voltados para hospedar laboratórios de P&D com projetos de pesquisa em parceria com a Unicamp e startups.

O ingresso é realizado por meio de submissão de propostas em edital de fluxo contínuo disponível no site do Parque para startups ou empresas que desejam instalar seus laboratórios de pesquisa dentro da Unicamp

 


Matéria original publicada no site da Agência de Inovação Inova da Unicamp

https://www.inova.unicamp.br/2022/04/tecnologia-desenvolvida-na-unicamp-impacta-mercado-internacional-de-microscopios/

Imagem de capa JU-online

Em parceria com a Unicamp, empresa vai desenvolver um simulador capaz de considerar os efeitos que impactam a sensibilidade dos receptores em satélites, a fim de reduzir ruídos e aumentar a capacidade de comunicação desses sistemas