Autor de estudo sobre P.1 defende lockdown imediato em todo o Brasil e vacinação em massa

José Módena, do Instituto de Biologia da Unicamp, coordenou trabalho de grande repercussão no país e no exterior

Lockdown imediato em todo o Brasil e vacinação em massa da população o mais rápido possível. Esta é a bandeira defendida pelo pesquisador José Luiz Proença Módena, um dos autores de um estudo sobre a variante de Manaus (P.1) repercutido pelos principais veículos nacionais e também internacionais, como New York Times, Financial Times e Le Monde. "É um momento muito delicado, o pior da pandemia, devido a uma soma de fatores: um grande número de casos de confirmação laboratorial de SARS-CoV-2, grande número de óbitos e disseminação descontrolada deste vírus no território nacional, culminando com o aparecimento de variantes muito preocupantes. As pessoas estão vivenciando esse período há um ano, estão cansadas", pondera.

Para Módena, a politização no enfrentamento da pandemia tem atrapalhado as diferentes estratégias, desde as não farmacológicas, que considera importantíssimas, até as de vacinação. "O momento requer que todas as medidas sejam redobradas. Sou totalmente favorável que o lockdown seja adotado de imediato no país todo, e um programa de vacinação em massa. Temos um cenário muito favorável ao surgimento e disseminação dessas variantes, por uma série de aspectos: uma população enorme e muitas vezes com alta densidade populacional em áreas específicas, grande diversidade de pessoas com background genético e condições de vida muito diferentes, e que grosso modo não estão respeitando as medidas que visam conter a transmissão, mesmo que muitas vezes por uma necessidade de subsistência. O vírus está circulando livremente."

O estudo publicado pela plataforma The Lancet (ainda em processo de revisão por pares) resultou de experimentos conduzidos por José Módena no Laboratório de Estudos de Vírus Emergentes (Leve) do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp, em parceria com cientistas de dez universidades, entre elas USP, Oxford (Reino Unido) e Washington University (St. Louis, EUA), bem como do CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais). A pesquisa teve apoio de diversas agências, entre elas, Fapesp, Medical Research Council, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Finep, CNPq, Faepex, Capes e NIH.

Os resultados, que são preliminares, mostram que anticorpos presentes no plasma sanguíneo de pessoas que já tiveram Covid-19 e se recuperaram, são cerca de seis vezes menos eficientes para neutralizar a variante de SARS-CoV-2 de Manaus, em comparação com a chamada linhagem B, que circulou pelo país nos primeiros meses da pandemia. O estudo mostra ainda que o plasma de indivíduos que receberam a segunda dose da CoronaVac, passados cerca de cinco meses, também apresenta baixa quantidade de anticorpos neutralizantes contra a variante P.1 e a B. "Esse fenômeno ocorre também com outras vacinas, fazendo com que alguns vírus continuem circulando mesmo após uma população ser imunizada. Isso, em hipótese alguma, sugere que a vacina não funciona", ressalta o pesquisador.

José Luis Proença Módena: Análises a partir dessas mutações já indicavam a possível existência de um mecanismo de escape de ação de anticorpo neutralizante
José Luiz Proença Módena: Análises a partir das mutações já indicavam a possível existência de um mecanismo de escape de ação de anticorpo neutralizante

José Módena recorda que a descoberta da variante de Manaus, por si só, já foi motivo de alerta, por conta de suas diferentes mutações (são 10) na proteína de superfície do vírus, a proteína spike. "Análises a partir dessas mutações já indicavam a possível existência de um mecanismo de escape de ação de anticorpo neutralizante. Nosso estudo traz, sim, essa bandeira, mas que precisa ser vista com cautela, por ter sido em condição artificial (in vitro), onde simplesmente incubamos o vírus com o plasma de pessoas que tinham tido Covid-19, ou seja, onde já estavam caracterizados os anticorpos capazes de barrar a infecção em células das variantes originais que primeiro circularam no Brasil."

O alerta trazido pelo estudo, reitera o professor do IB, é de que pessoas que já tiveram Covid-19, apresentam no momento anticorpos com capacidade reduzida em neutralizar a nova variante e pode, potencialmente, se reinfectar com a P.1. "Se isso significa que terão doença, ou doença grave, não sabemos; o tempo e os estudos clínico/epidemiológicos é que vão demonstrar. Mas a sugestão é de que essas pessoas podem se reinfectar e, se reinfectando, transmitir este vírus para quem nunca se infectou. Fenômeno parecido foi visto em pessoas vacinadas com CoronaVac. Cinco meses após a vacinação, quando incubamos o plasma de pessoas vacinadas, observamos que o título de anticorpos perante as duas variantes, tanto o SarsCov-2 como P.1., era muito baixo."

O pesquisador também comentou a possibilidade de adaptação das vacinas existentes, como por exemplo, para a P.1, esclarecendo que o processo de reformulação depende de como a vacina é fabricada. "Aqui cabe um parêntese: a CoronaVac é de vírus inativado, não infectivo, que tem sua estrutura preservada; todas as porções capazes de dissipar uma resposta imune vão estar presentes, ou seja, é uma das estratégias de vacinação com menor chance de um escape de neutralização ou outros mecanismos de escape imunológicos. Quando supomos que pode haver escape de anticorpo de um vacinado - o que não é comprovadamente demonstrado no estudo - não significa que a nova variante vai causar doenças em pessoas vacinadas. A resposta imunológica desencadeada por uma vacina como a CoronaVac é muito maior e mais complexa do que a produção de anticorpos neutralizantes: temos ainda fragmentos do vírus, antígenos virais apresentados aos linfócitos que podem gerar memória celular de resposta."

Módena considera a CoronaVac uma estratégia vacinal com potencial muito grande de barrar o desenvolvimento de formas graves da doença, mesmo pelas novas variantes. Entretanto, é uma estratégia vacinal mais complexa de ser refeita caso seja necessário, o que faz com que o monitoramento da resposta imunológica em vacinados precise ser acompanhado em tempo real. "Isso porque é preciso começar o processo do zero, a partir da produção do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), que na verdade é um novo vírus. É um processo que leva mais tempo, mas a chance de perda de eficácia é bem menor. Outras estratégias se baseiam na expressão ou administração do RNA mensageiro, ou de vírus modificados para que o corpo produza aquela proteína viral, visando principalmente a produção de anticorpos neutralizantes contra a proteína spike do vírus - é a estratégia adotada pela Moderna e mesmo pela Astrazeneca. O processo de reformulação é bem mais rápido, trocando-se o alvo e gerando uma nova vacina, segundo as empresas, no intervalo médio de três meses."

Estudo complementar

O pesquisador da Unicamp contribuiu com sugestões no processo de revisão e está no corpo de autores de outro estudo que possui resultados sinérgicos ao que foi discutido e que narra o surgimento e disseminação da variante P.1 em Manaus. Esse estudo foi coordenado pela professora Ester Sabino, do Instituto de Medicina Tropical da USP, e o professor Nuno Faria, do Imperial College em Londres, e no final traz resultados baseados em modelagens matemáticas que sugerem que a nova variante seria capaz de driblar o sistema imunológico de pessoas já infectadas. "É um estudo muito bem desenhado, elegante, em que os autores caracterizam a P.1, as mutações que trazem preocupação, as datas prováveis do seu surgimento, a disseminação em Manaus, sua proporção perante outras variantes e o aumento desta proporção para se tornar uma das mais prevalentes e em tempo muito curto."

Os modelos matemáticos neste estudo, diz José Módena, apontam que a alta transmissibilidade da P.1 frente a outras variantes pode estar associada à maior carga viral nas pessoas infectadas e ao escape do sistema imunológico, ou pelo menos da atividade de anticorpo neutralizante. Um dos indícios é a alta taxa de infecção por P.1 em uma população com alta taxa de soroconversão (ou que possuem anticorpos anti-SARS-CoV-2), como a de Manaus, sugerindo que pessoas já infectadas pela SARS-CoV-2 (mesmo que silenciosamente) possam se reinfectar pela nova variante. Esse dado vai em direção ao que mostramos no nosso estudo, acho que ambos são complementares. Mas, de novo, esclarecendo que esse estudo é baseado em modelos de dispersão da P.1. ao longo do tempo, e o outro, é um estudo em laboratório (in vitro). Ambos são sugestivos, nenhum deles é confirmatório."

O estudo Levels of SARS-CoV-2 lineage P.1 neutralization by antibodies 2 elicited after natural infection and vaccination está em https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3793486.
 

Imagem de capa JU-online

Células Vero infectadas com a linhagem B do SARS-CoV-2 originalmente descrita no Brasil (imagens superiores) ou com a variante P.1.