Alunos da Midialogia desenvolvem jogos sobre Covid-19

Conjunto de jogos eletrônicos Covideogames é voltado ao público infanto-juvenil e oferece informações e desafios relacionados à prevenção da doença 

Com o objetivo de conscientizar, principalmente, crianças e adolescentes sobre as necessidades de isolamento físico, de uso de máscaras e de higiene das mãos para a prevenção da Covid-19, alunos da Unicamp criaram os “Covideogames” – jogos baseados em situações cotidianas enfrentadas na pandemia. O projeto, coordenado pelo professor e pesquisador Alfredo Suppia, está sendo desenvolvido por quatro estudantes do curso de graduação em Comunicação Social – Midialogia: Erick Manaroulas, Guilherme Vian, Klebert Palucci e Tomás Xavier. O lançamento dos primeiros jogos acontecerá entre os dias 16 e 25 de outubro, durante a 11a. Unimídia, um evento anual organizado pelos alunos do curso. Após o lançamento, os jogos serão disponibilizados gratuitamente em uma página da internet, que poderá ser acessada por meio de computadores ou celulares. 

A dinâmica dos jogos e as informações que eles fornecem são baseadas em fontes como a OMS (Organização Mundial da Saúde), a BBC e o El País. Com uma estética “retrô” e com características do gênero ou estilo “arcade” – como a presença de pontuação e de fases com ambientes diferentes –, os “Covideogames” apresentam comandos simples e proporcionam desafios semelhantes àqueles enfrentados no dia-a-dia com a pandemia de Covid-19. Na versão beta dos primeiros jogos, por exemplo, o personagem controlado pelos jogadores deve colocar máscara nos outros personagens, dispersar aglomerações e encaminhar os infectados para o hospital, sempre lavando as mãos entre cada ação.

##
Os jogos serão disponibilizados gratuitamente em uma página da internet, que poderá ser acessada por meio de computadores ou celulares

Os “Covideogames” são vinculados ao Grupo de Estudos sobre Gêneros Cinematográficos e Audiovisuais, Genecine. Eles fazem parte das atividades de uma das cinco linhas de pesquisa desse grupo, chamada “Gamecine – artes cinemáticas e videogames”, composta pelos quatro estudantes que estão criando os “Covideogames” e com coordenação do professor Alfredo Suppia. Nessa linha de pesquisa, já vinha sendo desenvolvido um projeto de “gamificação”, voltado para a adaptação de filmes brasileiros para o formato de jogos eletrônicos. Com a eclosão da pandemia, durante uma reunião virtual, o professor Alfredo Suppia propôs ao grupo do Gamecine a criação de jogos sobre a prevenção de Covid-19, e assim nasceu a ideia dos “Covideogames”.

Para a produção dos jogos, é colocado em prática um sistema de aprendizado baseado em solução de problemas. Nesse sistema, na maioria das vezes, são os próprios alunos que descobrem respostas ou soluções: “Por vezes eu ajo um pouco como Abelardo Barbosa, nosso saudoso Chacrinha, que dizia que ‘não estava aqui para explicar, mas sim para confundir’. Eu não sou tão competente quanto o Chacrinha como ‘filósofo’, menos ainda como comunicador. Mas tento, na medida do possível, manter os alunos instigados, desafiados”, comenta Suppia.

Um dos estudantes do grupo, Erick Manaroulas, considera que o processo de produção dos jogos tem sido desafiador, mas motivante. "Muitas dificuldades aparecem, tanto na parte criativa quanto na tecnológica, considerando que estamos aprendendo coletivamente questões de programação, game design e metodologias de trabalho em equipe”, comenta. O grupo vem aperfeiçoando sistematicamente a jogabilidade dos “Covideogames”. Já foi criada uma versão alfa, de testes, do primeiro jogo, e foi aplicado um questionário sobre a interação dos jogadores com o sistema dessa versão. A partir dos retornos, são propostas soluções para as questões apontadas pelos usuários. 

Segundo Alfredo Suppia, há interesse do grupo em monitorar a recepção dos jogos entre o público infanto-juvenil. Ele pretende estabelecer parcerias com escolas públicas de Ensino Fundamental ou Médio que queiram aplicar os jogos como material didático em aula. A partir dessa experiência, será medida a satisfação dos alunos-usuários e o quanto eles puderam aprender sobre a prevenção da Covid-19 por meio dos jogos. Professores ou escolas, que correspondam ao perfil indicado e que tenham interesse em estabelecer essa parceria, podem entrar em contato com o grupo por e-mail.

* Laís Souza Toledo Pereira é graduada em Letras e cursa pós-graduação no Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp 

 

Imagem de capa JU-online

tela do computador dos jogos baseados em situações cotidianas enfrentadas na pandemia