Livro resgata 50 anos de história da Engenharia Mecânica na Unicamp

Além da pesquisa documental, a publicação traz depoimentos de personagens, como ex-diretores, docentes, ex-alunos e profissionais da indústria 

##
Composição da mesa de cerimônia de lançamento do livro "50 anos de Engenharia Mecânica na Unicamp - Uma história de sucesso"

De salas modestas em um casarão da Rua Culto à Ciência a um complexo de edifícios no campus da Unicamp, com mais de 40 laboratórios para ensino e pesquisa. De um início com escassos professores com mestrado ou doutorado para um corpo de 90 docentes à frente de um dos maiores programas de graduação e pós-graduação em sua área no país, com significativas contribuições para a formação de recursos humanos qualificados e para o desenvolvimento tecnológico da indústria nacional.

As atividades em Engenharia Mecânica da Unicamp completaram meio século em 2017 e estão relatadas em livro lançado na tarde desta segunda-feira, em cerimônia realizada no anfiteatro da Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM). “50 anos de Engenharia Mecânica na Unicamp – Uma história de sucesso”, de autoria dos jornalistas e escritores José Pedro Soares Martins e Paulo Cesar Nascimento, resgata os principais acontecimentos que marcaram as cinco décadas de existência dessa área na Universidade, onde se evidenciam a superação de desafios e a busca permanente pela inovação.

Com 112 páginas e prefácio do professor Yaro Burian Jr, o livro percorre um arco de tempo que vai dos primórdios do curso de Engenharia Mecânica, quando a graduação começou a funcionar no início de 1967 na então Escola Industrial Bento Quirino, junto com outras áreas pioneiras da Unicamp. À época, a Engenharia Mecânica era um dos departamentos que compunham a Faculdade de Engenharia de Campinas (então FEC) juntamente com o Departamento de Engenharia Elétrica. A pós-graduação começaria a funcionar em 1974 com o curso de mestrado e no ano seguinte com o doutorado. A então FEC perduraria até 1988, quando seus departamentos se tornaram faculdades e o Departamento de Engenharia Mecânica passou a se chamar Faculdade de Engenharia Mecânica (FEM).

“Neste livro procuramos registrar aspectos marcantes desses 50 anos de história, de um trabalho feito com dedicação, com comprometimento, partilhado por todos os docentes, servidores, colaboradores e alunos que aqui passaram, deixando suas contribuições nas atividades de ensino, pesquisa, extensão, inovação e formação de recursos humanos”, salientou o professor Dr. Alberto Luiz Serpa, atual diretor da FEM e diretor associado no quatriênio 2014-2018, período em que a obra começou a ser elaborada.

Para a reconstituição da notável trajetória da FEM, o conteúdo do livro, além da pesquisa documental, se alicerça sobretudo em ricos depoimentos de personagens que vivenciaram episódios do período abordado pela obra, entre os quais ex-diretores, docentes, ex-alunos e profissionais da indústria. 

A obra comemorativa apresenta ainda um importante conteúdo iconográfico, com a reprodução de fotos e documentos de arquivo cedidos pelo SIARQ-Unicamp e por entrevistados. Uma rara imagem de época mostra, por exemplo, o histórico encontro em que empresários de Campinas, liderados por José Antônio Maranho, então representante da indústria Equipamentos Clark Ltda, entregam ao presidente da Comissão Organizadora da Universidade de Campinas, Zeferino Vaz, o anteprojeto dos cursos de Engenharia da Unicamp. Notícias em jornais de Campinas, em 1966, também reproduzidas no livro, destacam essa forte mobilização do segmento industrial.

Reitor Marcelo Knobel e diretor da FEM Alberto Luiz Serpa: relevância do trabalho para resgatar e relembrar momentos da trajetória da instituição
Reitor Marcelo Knobel e diretor da FEM, professor Alberto Luiz Serpa: relevância do trabalho para resgatar e relembrar momentos da trajetória da instituição

Uma Faculdade com a indústria

Em seu discurso durante a solenidade, o professor Antonio Carlos Bannwart, idealizador do projeto do livro e diretor da FEM no período 2014-2018, elogiou o trabalho de fôlego desenvolvido pelos autores e chamou a atenção para o fato de a obra demonstrar o quanto foi marcante na trajetória da FEM o papel desempenhado por indústrias multinacionais instaladas na década de 1960 em Campinas, entre elas Clark, IBAF, Singer, Bendix, Bosch e GE.

“Desde a fundação da Universidade, o setor industrial local manifestava a necessidade de formação de engenheiros para atender às demandas de expansão das indústrias de Campinas e região. Foi então que representantes dessas empresas formularam o projeto inicial de nosso curso de graduação, cederam engenheiros para lecionarem, além de equipamentos e instalações para estágios. Eu diria que essa parceria foi o coração da FEM e esse vínculo com a indústria foi se diversificando e se intensificando com o passar do tempo”.

Esse aspecto foi igualmente destacado pelo escritor José Pedro Soares Martins em seu pronunciamento. “Mais do que ser marcante na trajetória da FEM, essa ligação com os empresários mostra o quanto a Engenharia Mecânica e a Unicamp de maneira geral contribuíram para tornar Campinas uma referência internacional”. Para ele, foi uma grande honra participar da produção de um livro que atesta as contribuições da FEM para o avanço do conhecimento científico e da inovação tecnológica da indústria nacional, em um momento em que a ciência e a pesquisa no Brasil sofrem ataques em vez de receber mais incentivo e fomento.

Memória viva

Também presente à cerimônia, o reitor da Unicamp Marcelo Knobel parabenizou a FEM pela iniciativa da publicação do livro e ressaltou a relevância do trabalho para resgatar e relembrar momentos da trajetória da instituição.

“É preciso recuperar a história e valorizar o trabalho que foi feito por gerações de pessoas que passaram pela Universidade. Parabenizo a FEM, aos autores e a todos os que estão aqui hoje e que têm uma história de vida conectada com a Unicamp, em especial com a Engenharia Mecânica”.

Para ele, iniciativas que buscam contar e distinguir a história das unidades de ensino e pesquisa, contribuindo para manter vivas as memórias dessas instituições, precisam ser ampliadas na Universidade.

“A Unicamp tem pouco mais de 50 anos e boa parte dos personagens que viveram esse período ainda estão aqui, entre a gente, e precisam ser ouvidos. Os autores fazem um trabalho muito bom, em um nicho muito interessante, e precisamos explorar agora essa oportunidade de ouvir e registrar os depoimentos dessas pessoas”.

Os autores Paulo César Nascimento e .....: a intenção é completar a trilogia sobre as unidades que tiveram como núcleo comum de origem a extinta Faculdade de Engenharia de Campinas (FEC)
Os autores José Pedro Soares Martins e Paulo César Nascimento: a intenção é completar a trilogia sobre as unidades que tiveram como núcleo comum de origem a extinta Faculdade de Engenharia de Campinas (FEC)

Nesse sentido, os autores anunciaram durante a solenidade a intenção de produzir um livro com as memórias da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC). “Gostaríamos muito de poder completar a trilogia sobre as unidades que tiveram como núcleo comum de origem a extinta Faculdade de Engenharia de Campinas (FEC)”, explicou Paulo Cesar Nascimento, que também é autor do livro sobre os principais momentos da história da Faculdade de Engenharia Química (FEQ), publicado em 2014.

Durante o evento no anfiteatro da FEM, ex-diretores da unidade, depoentes do livro e a servidora decana da Faculdade, Cleusa de Vasconcelos Lima, foram homenageados por meio da entrega de exemplares autografados. Decano da FEM, diretor por dois mandatos da instituição e um dos entrevistados para a publicação, o Prof. Dr. Antonio Celso Fonseca de Arruda destacou que a obra, “por meio de narrativa agradável, vincula fatos e acontecimentos com épocas e com emoções coletivas, e nos permite lembrar com saudades dos bons momentos aqui vividos”.

Produzido pela editora PCN Comunicação em edição especial com capa dura e formato 21,5 x 28,8 cm, “50 anos de Engenharia Mecânica na Unicamp – Uma história de sucesso” traz imagens de instalações atuais da FEM produzidas pelo fotógrafo Adriano Rosa, tem o projeto gráfico e a diagramação do designer Alcebíades Godoy e a revisão de Martha Jalkauskas.

Além da edição impressa, a obra também foi disponibilizada gratuitamente ao público pela FEM em formato digital

Imagem de capa JU-online

audescrição: público presente no lançamento com o livro na mão