Livro sobre comportamentos na saúde é lançado no Brasil

Obra organizada por Gaston Godin investiga e explica os comportamentos na área da saúde e ajuda a entender como funciona o mecanismo de tomada de decisão quando o assunto é adoção de hábitos saudáveis.

Dentre os lançamentos da Editora da Unicamp para o mês de novembro está Os comportamentos na área da saúde: Compreender para melhor intervir, adaptação do original franco-canadense para o contexto brasileiro, organizado por Gaston Godin, professor emérito da Universidade Laval (Canadá) e especialista em saúde coletiva.

A obra parte do pressuposto de que os comportamentos relacionados à saúde são comportamentos sociais. Os autores detalham teorias que podem orientar os profissionais de saúde para uma melhor abordagem e intervenção em casos em que novos comportamentos devem ser adotados. Apresentam os principais processos utilizados para predizer e compreender as etapas de mudança de comportamento e como utilizar essas informações para construir intervenções baseadas em quadros de referência, o livro é uma grande contribuição na formação e na prática de profissionais da saúde.

Em entrevista, o organizador da obra, Gaston Godin, falou sobre o livro e os avanços em pesquisa em comportamentos na área da saúde. Ele está em Campinas hoje (4/11), onde fará o lançamento do livro no Centro de Convenções da Unicamp (auditório II), das 10h45 às 12h.

 

Editora da Unicamp - O livro lançado pela Editora da Unicamp é uma adaptação para o contexto brasileiro do original lançado em meados de 2013. Basicamente, o que muda de uma realidade para outra? E quais foram as alterações realizadas no livro para torná-lo adequado ao contexto brasileiro?

Gaston Godin - A versão brasileira guarda essencialmente os mesmos princípios e conceitos do livro original, porque as teorias e abordagens apresentadas são universais, independentemente do contexto da aplicação. Nesta versão, no entanto, foram acrescentados exemplos de estudos realizados no Brasil, além de terem sido incluídas atualizações de modelos teóricos, assim como um novo quadro de referência para a construção de intervenções. Acredito que o grande valor deste livro para o contexto brasileiro é a facilitação do acesso à informação sobre como construir uma intervenção baseada em teoria, incluindo o desenvolvimento de instrumentos de medida confiáveis e válidos, que respeitam regras que fazem com que sejam considerados os aspectos da realidade local. Nesse sentido, o capítulo sobre a construção de instrumentos é um exemplo de contribuição para o desenvolvimento da pesquisa local, pois fornece pistas essenciais para assegurar a utilização de métodos apropriados no desenvolvimento de instrumento que levará em conta o contexto local.

 

Editora da Unicamp - Quantos anos de pesquisa foram necessários para o desenvolvimento das teorias apresentadas em Os comportamentos na área da saúde? Como foi o processo de desenvolvimento desse trabalho?

Gaston Godin - O interesse pelo desenvolvimento da psicologia social, na compreensão do comportamento humano, começou na década de 1950, aproximadamente. Os trabalhos começaram em laboratório, com a finalidade de testar as teorias que iam emergindo. Foram então evoluindo, e as teorias se tornando mais estruturadas na maneira de apresentar suas premissas. Deve-se muito desse desenvolvimento inicial aos psicólogos sociais.

Nos anos 1980, muitos pesquisadores na área da saúde começaram a se interessar pela psicologia social, como os que se debruçaram sobre o Health Belief Model. A partir de então, houve um crescimento exponencial do interesse e da utilização dessas teorias na área da saúde. Os testes das teorias saem dos laboratórios e começam a ser experimentados no contexto da vida real. Assim, as teorias continuam a evoluir. Utilizadas majoritariamente nos Estados Unidos, inicialmente, elas se expandem e começam a ser utilizadas na Europa, no Canadá, no Brasil, e no continente africano. Uma outra evolução marcante foi a transição das pesquisas centradas inicialmente na predição dos comportamentos, para o desenvolvimento de pesquisas voltadas ao uso dos preditores para construção e avaliação de intervenções, o que permitirá continuar a testar e a aperfeiçoar os modelos teóricos.  

 

Editora da Unicamp: Com a leitura do livro, é possível constatar que a mudança de comportamento, mesmo que relacionado à saúde, não é tão simples quanto parece. Mesmo que a mudança possa contribuir para nosso bem-estar, essa razão parece não ser suficiente para desencadear a modificação do comportamento. Por que isso ocorre?

Gaston Godin - Porque os comportamentos são, antes de mais nada, comportamentos sociais. Por exemplo, quando uma pessoa fuma, consome álcool ou dirige em alta velocidade, ela não é motivada por razões de saúde. O que incita a adoção desses comportamentos são em grande parte os fatores sociais. Assim, não podemos falar de comportamentos de saúde, mas de comportamentos sociais que são relacionados à saúde. E os elementos que influenciam a adoção de tais comportamentos não se limitam aos fatores sanitários. Um outro exemplo, a alimentação. O fator que pode desfavorecer a adoção de certos comportamentos alimentares pode ser uma demanda dos filhos ou do marido, ou ainda do contexto social, no qual se insere o comportamento e não necessariamente uma razão ligada diretamente à preocupação com a saúde. De onde a importância da utilização de diferentes modelos teóricos para a compreensão dos diferentes comportamentos em contextos variados.

 

Editora da Unicamp: O livro apresenta três determinantes da motivação: a autoeficácia, os resultados esperados e os fatores socioestruturais. Quanto mais esses requisitos são atendidos, maior a probabilidade de que se tome uma iniciativa para mudar de comportamento. Para a realidade brasileira, qual desses fatores é o mais complicado?

Gaston Godin - As teorias são universais no que concerne às determinantes. É difícil antecipar o que é mais decisivo de maneira assim global. Depende do comportamento, das características do indivíduo, do contexto socioeconômico-cultural no qual esse comportamento se insere. Os estudos efetuados para diferentes comportamentos poderão dizer no futuro.

 

Editora da Unicamp: Na contramão das pesquisas, observa-se uma nova onda de movimentos antivacina e questionamentos de fatos científicos provados há muito tempo. Esse tipo de pensamento influencia diretamente a saúde e o bem-estar das novas gerações. Como surgem tais formas de pensar?

Gaston Godin - Vários fatores podem ser contribuidores dessa onda. Sem dúvida um deles é a exposição a notícias com baixa credibilidade, mas que são amplamente divulgadas e de fácil acesso à população, o que é facilitado enormemente pelo avanço da mídia, notadamente das redes sociais. Isso é uma ilustração da força de fake news, demonstrando que a opinião popular começa a prevalecer sobre o ponto de vista do expert. Mas esta é uma questão extremamente complexa e o que acabo de dar como exemplo é somente um dos fatores que podem explicar essa realidade.

 

Os comportamentos na área da saúde - Compreender para melhor intervir

Organizador: Gaston Godin

Tradutora: Heloisa B. S. Rocha

Revisão técnica: Maria Cecilia Bueno Jayme Gallani

ISBN: 978-85-268-1497-4

Edição: 1ª

Ano: 2019

Páginas: 344

Dimensões: 16x23

Preço de capa: R$ 110,00

Imagem de capa JU-online

Livro é uma adaptação do original franco-canadense para o contexto brasileiro, organizado por Gaston Godin