Escritor Reinaldo Moraes é o novo artista residente da Unicamp

Autor do sucesso “Pornopopeia”, paulistano desenvolverá atividades no programa do IdEA

Reinaldo Moraes entre Alcir Pécora (à esq.) e Carlos Vogt, respectivamente, coordenador e presidente do Conselho Científico e Cultural do IdEA: escritor é o segundo convidado a participar do Programa “Hilda Hilst” do Artista Residente
Reinaldo Moraes entre Alcir Pécora (à esq.) e Carlos Vogt, respectivamente, coordenador e presidente do Conselho Científico e Cultural do IdEA: escritor é o segundo convidado a participar do Programa “Hilda Hilst” do Artista Residente

“Todo grande prosador nacional passa necessariamente por Machado. Cabe hoje flagrar um que realize a façanha hercúlea de resgatar seu legado. Seria Reinaldo?” Em agosto de 1985, a crítica literária Lynda Boring publicou na Folha de S.Paulo um artigo apostando que poderia sair da pena do escritor paulistano Reinaldo Moraes o novo grande romance brasileiro. Moraes, que acabava de lançar seu segundo livro, “Abacaxi” (1985, L&PM), depois do sucesso de “Tanto Faz” (1981, Brasiliense), fazia troça e dava de ombros para a academia.

Professora-adjunta do Departamento de Teoria Literária do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Unicamp, Boring não passava de uma ficção criada por Moraes para as páginas do caderno cultural Folhetim. O exercício de resenhar a própria obra, comparando-se a Machado de Assis sob um nome estapafúrdio, foi publicado em uma edição especial do caderno, intitulada “A nova crítica brasileira”, reunindo outros autores e seus pseudônimos, como Caio Fernando Abreu (1948-1996), Ignácio de Loyola, João Silvério Trevisan e Marcio Souza.

Moraes, que teve seu romance “Pornopopeia” (2009, Objetiva) muito bem recebido pela crítica, chega em agosto à Unicamp para uma temporada como novo convidado do Programa “Hilda Hilst” do Artista Residente do Instituto de Estudos Avançados (IdEA). Ex-aluno de pós-graduação do IEL, o autor vai compartilhar suas experiências na criação literária em um curso livre durante a temporada de três meses, além de esmiuçar a elaboração de seu mais recente livro, “Maior que o Mundo” (2018, Alfaguara), em uma oficina voltada aos alunos da Unicamp.

Romancista, roteirista, tradutor e cronista, Moraes conquistou leitores com sua linguagem coloquial e muito humor ao criar histórias recheadas de sexo e drogas em que se distingue pelo talento narrativo. “Em todo romance brasileiro, na hora em que um casal entra no quarto, a porta se fecha na cara do leitor. Então, vamos abrir a porta e ver o que está rolando lá, ver se aquilo não rende literatura. Por que só a pornografia pode entrar num quarto? Por que a literatura não pode?”, questiona o autor em entrevista ao Jornal da Unicamp.

Depois do sucesso da obra de estreia, que se passa em Paris, se decepcionou com o desempenho de vendas de “Abacaxi”. Espécie de sequência narrativa do primeiro livro, “Abacaxi” é ambientado em Nova York, com o mesmo protagonista – agora rebatizado – em uma nova temporada hedonista e alucinada. Hoje, relativiza a abordagem sobre a obscenidade que adotou no início da carreira. “Comecei a fazer de uma maneira que, na época, parecia ousada, agora parece até bastante tímida nessa forma de entrar no quarto com a literatura.” Apesar da continuidade de uma fórmula de sucesso, Moraes avalia que “pesou a mão” no segundo livro ao recorrer a cenas escatológicas que, à distância, soam como exageradas e que, portanto, não representariam o que considera “boa literatura”.

Simultaneamente, dedicou-se ao trabalho de tradutor na Brasiliense. Sua primeira tradução, lançada em 1984, foi o romance “Mulheres”, do escritor Charles Bukowski (1920-1994). A partir daí, abraçou um projeto pessoal de tradução de livros que abordavam a temática dos estados mentais alterados. Depois da imersão em álcool de Bukowski, traduziu “Junky”, de William Burroughs (1914-1997), sobre o consumo de heroína, e “Ópio - Diário de uma Desintoxicação”, de Jean Cocteau (1989-1963), uma biografia de um opiômano.

Formado em administração de empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 1975, Moraes foi aluno de mestrado do IEL nos anos 1980, frequentando semanalmente o campus durante as disciplinas. Ao longo do curso se sentiu deslocado, com colegas que buscavam um aprimoramento profissional na docência, sem interesse mais profundo pela prática literária. Com isso, acabou largando a pós-graduação e desistindo de enveredar pela academia. “Eu prefiro ser leitor. Sou leitor do Roberto Schwarz, do Davi Arrigucci, do Alcir Pécora. Tenho grande interesse na leitura, mas nunca tive nenhuma pretensão de produzir materiais acadêmicos.”

No jornalismo diário, teve também uma curta experiência, como repórter de economia no finado diário Gazeta Mercantil nos anos 1970, mesma época em que chegou a cursar jornalismo na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Décadas depois, retornaria às páginas da grande imprensa como cronista de jornais como O Globo e O Estado de S.Paulo.

Residência artística

“Maior que o Mundo”, sobre um escritor que sofre um bloqueio criativo depois de um sucesso editorial, é o primeiro volume de uma trilogia que Moraes está escrevendo e que será um dos objetos de discussão com os alunos de Unicamp. A cada semana serão discutidos trechos do livro e aspectos gerais de seu estilo literário, envolvendo os alunos no processo de escrita do segundo tomo.

A obra lançada pela Alfaguara, selo da Companhia das Letras, nasceu de um projeto de roteiro de cinema encomendado pelo diretor Roberto Marquez. O cineasta queria de Moraes algo na linha de “Pornopopeia”, explorando a Boca do Lixo paulistana. Para isso, filmou com um elenco com nomes como Eriberto Leão, Otto e Luana Piovani. Depois de trabalhar no texto para o longa-metragem, Moraes se apaixonou pela história e teve o que chama de uma “crise narcísica”. Percebeu que poderia reelaborar a história para transformá-la em um livro, mudou o perfil do narrador e criou novos personagens. Estimava que o trabalho fosse tomar cinco meses. No final, demorou cinco anos e o resultado foi um calhamaço de 1.200 páginas, divididas em volumes.

O coordenador do IdEA, Alcir Pécora, explica que as residências do Instituto têm dois objetivos básicos: divulgar o conjunto da obra de um artista e proporcionar uma interlocução e práticas com docentes e alunos da Unicamp. Segundo ele, a literatura de Reinaldo Moraes tem atraído interesse de um público muito mais amplo que o especializado em estudos literários. “Desde os grandes narradores dos anos 60 e 70, não tinha aparecido um escritor de prosa de ficção com maior sucesso de crítica e, ao mesmo tempo, com tamanha aceitação no grande público. Desse ponto de vista, Reinaldo tem mesmo um lugar único no Brasil, e foi logo o primeiro nome em que pensamos para ocupar a residência. Foi uma felicidade que tenha aceitado e conseguido conciliar a estada aqui com a agenda concorrida dele”, ressalta Pécora, que também é crítico literário e professor do IEL.

Além da oficina voltada aos alunos do IEL, o escritor vai oferecer um curso livre aberto também ao público externo da Unicamp, intitulado “Encontros com Reinaldo Moraes: a obra e o ofício do escritor”. Nele serão abordadas as várias áreas de produção do artista ao longo de quatro décadas, como romances, contos, novelas infantis, roteiros cinematográficos, traduções literárias, crônicas, artigos, telenovelas, entre outros. Os encontros serão nas tardes de terça-feira, entre 20 de agosto e 19 de novembro, com vagas limitadas. As inscrições estão abertas e podem ser feitas no site do IdEA.

Moraes já vinha sendo cogitado para o programa da Unicamp desde o início das atividades, em 2018, segundo o presidente do Conselho Científico e Cultural do IdEA, Carlos Vogt. “Reinaldo Moraes é um escritor pleno e fecundo na prática de múltiplos gêneros literários, com um vigor de escrita que sustenta e interage com uma rica fabulação, capaz de captar e manter um ambiente de leitura dinâmico e criativo”, afirma Vogt, que é poeta, linguista e professor emérito da Unicamp. “Certamente será muito instigante e provocador na oficina literária que estará oferecendo e no curso de divulgação de sua extensa e variada obra.”

O escritor é o segundo convidado a participar do Programa “Hilda Hilst” do Artista Residente do IdEA. No segundo semestre de 2018, o cineasta paulistano Ugo Giorgetti exibiu seus 19 filmes em um ciclo inédito, no espaço cultural Casa do Lago, além de ter oferecido um curso em que discutiu tópicos da prática cinematográfica. Ao longo do curso, o diretor, produtor e roteirista também realizou um exercício de produção de roteiro com os alunos, que puderam dar contribuições para seu novo longa-metragem, “Dora e Gabriel”.

Leia mais sobre a residência de Ugo Giorgetti em:
https://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2018/11/09/giorgetti-encerra-residencia-artistica-no-idea-com-contribuicoes-para-novo

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: em área interna, imagem frontal e de busto, homem sentado em cadeira, com olhar voltado para a direita da imagem, fala enquanto gesticula com as mãos, mantendo os braços abertos e projetados para frene, paralelos, e com as mãos abertas. À frente dele, mesa de madeira onda apoia o cotovelo direito. Ele veste camisa cinza e tem um óculos pendurado na gola. Às costas dele, uma ampla porta de vidro transparente, e, em imagem desfocada, dois extintores de incêndio, mesas e cadeiras. Imagem 1 de 1