Bióloga desenvolve jogo que simula o sistema imunológico

Iniciativa, que contou com a parceria de ilustradora, foi premiada em concurso da Sociedade Brasileira de Imunologia

Um jogo de tabuleiro que simula, tal e qual, o mecanismo do sistema imunológico. Custa pouco, apenas a impressão de folhas de sulfite, e pode ser jogado na escola, desde o Ensino Fundamental II até a faculdade. O nome escolhido foi “Leuco-ataque”, “leuco” referente aos leucócitos, as células de defesa do nosso organismo. A ideia partiu da bióloga Ana Carolina de Carvalho, aluna de doutorado do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp. Ela desenvolveu o jogo em parceria com a ilustradora Bianca Alvarenga. A iniciativa rendeu a ambas o primeiro lugar no concurso cultural “Apaixonados por Imunologia” da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), na categoria “Surpreenda”. O jogo está disponível para download gratuito no site da SBI.

Ana Carolina faz doutorado na área, no Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular. Ela desenvolve sua investigação no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), estudando as doenças tropicais negligenciadas. Quando soube do concurso, pensou em unir duas coisas que adora: a imunologia e os jogos de tabuleiro. Para desenvolver o “Leuco-ataque” passou um mês pesquisando sobre o ensino da matéria no Brasil e também sobre as maneiras possíveis de se criar um jogo de tabuleiro. “O sistema imune é muito versátil. É como se ele fosse composto por peças de um tabuleiro. Ao mesmo tempo, o ensino de imunologia é muito defasado nas escolas, pois é muito complexo de se abordar”, destaca.

Foto: Perri
Ana Carolina de Carvalho, aluna de doutorado do IB, e a ilustradora Bianca Alvarenga: ciência no tabuleiro

De acordo com Ana, até o Ensino Médio temos o estudo de ciências de modo geral. Depois, no máximo, há passagens pelo sistema circulatório, quando são mencionados os glóbulos brancos, mas sem muito aprofundamento. A aluna ressalta que a falta de um aprendizado mais sólido sobre imunologia nos anos escolares pode causar equívocos, como o que ocorre atualmente em relação às pessoas que são contrárias às vacinas, por exemplo.

“Leuco-ataque” foi pensado para ser implementado em um dia de aula, com o objetivo de fomentar uma discussão. Como ocorre no sistema imunológico, no jogo há a entrada de um microrganismo, fagocitado pelos participantes e levado para ser reconhecido. “Você vai abrir uma carta que representa uma missão ou evento, por exemplo ‘cair de bicicleta’.  Por ali vão começar a entrar microrganismos, e todos os jogadores serão células do sistema imune. Todos terão de passar pela região do machucado e pegar a ficha do bichinho que entrou, depois levar para os órgãos que fazem a apresentação do antígeno para as outras células e que vão auxiliar na resposta imune”, explica Ana.

Os jogadores, que representam o sistema imune, têm a tarefa de manter o corpo saudável, e podem completar as missões de forma colaborativa, jogando todos contra o tabuleiro. Há outra forma de jogar também, que implica em um dos jogadores se transformar na infecção, e tentar destruir o organismo, como explica a desenvolvedora. “Dentre os recursos dos jogadores, está um remédio, que tira pontos do vírus e recupera pontos de vida, ou uma campanha de vacinação, que ajuda a ganhar anticorpos contra o microrganismo”. Em condições insalubres, o microrganismo terá bônus para atacar o corpo.

“O tempo todo a gente está em contato com diversos microrganismos, mas não necessariamente eles causam as doenças. O jogo faz a mesma coisa. Vai ter um momento que estoura uma doença, e os jogadores tem que a derrotá-la” diz.

As ilustrações foram criadas para que não ocorra perda de qualidade, mesmo na impressão em preto e branco. O tabuleiro, que é o desenho de um corpo humano, é impresso em duas folhas que podem ser coladas. Tudo muito simples, acessível, e explicado no tutorial que vem junto com o pdf.

https://sbi.org.br/wp-content/uploads/2019/04/SBI-Surpreenda-Projeto-LEUCO-ATAQUE.pdf

 

 

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: em sala de trabalho, imagem de busto e em perspectiva, duas mulheres sentadas em cadeiras, uma ao lado da outra, e com olhares voltados para direita na imagem. À frente delas há uma mesa retangular de madeira na cor branca, onde há um notebook aberto com tela virada para a esquerda da imagem. A mulher à esquerda fala e gesticula com as mãos, mantendo-as projetadas para frente e a palma das mãos abertas, uma de frente à outra. Na tela do notebook ilustração do busto de um homem. Imagem 1 de 1