CMU é certificado no programa Memória do Mundo da Unesco

Centro da Unicamp foi selecionado por acervo que reúne cartas da cientista e ativista Bertha Lutz

O Centro de Memória da Unicamp (CMU) recebeu o certificado de inscrição de parcela de seu acervo no Registro Nacional do Programa Memória do Mundo da Unesco – MoWBrasil. A nominação é um reconhecimento como patrimônio da humanidade de documentos, arquivos e bibliotecas de grande valor internacional, regional e nacional. O edital MoWBrasil selecionou dez dentre 29 candidaturas apresentadas, sendo uma das vencedoras Feminismo, ciência e política – o legado Bertha Lutz, 1881-1985. Além do CMU, a candidatura colegiada reúne documentações do Arquivo Nacional, do Arquivo Histórico do Itamaraty e do Centro de Documentação e Informação da Câmara dos Deputados.

A parte da Unicamp refere-se a correspondências de Bertha Lutz – bióloga e pesquisadora do Museu Nacional, advogada, servidora federal e ativista pela emancipação feminina – para Adolpho Affonso da Silva Gordo, senador de destacada atuação no cenário político nacional, durante a década de 1920. A cerimônia de entrega do certificado se deu em 12 de dezembro de 2018, no Instituto Histórico e Cultural da Aeronáutica (Incaer), no Rio de Janeiro.

André Paulilo, professor da Faculdade de Educação (FE) e diretor do CMU, explica que o Memória do Mundo é uma iniciativa da Unesco para divulgação e proteção do patrimônio de reconhecido valor regional, nacional e internacional. “Em nosso caso, fomos contemplados com uma nominação do Comitê Nacional do órgão da ONU. Possuímos um conjunto documental de Adolfo Gordo e, dentro deste conjunto, a correspondência dele, na época senador, com Bertha Lutz, durante a campanha pelo voto feminino. É nesse contexto documental que participamos da candidatura coletiva.”

Foto: Scarpa
O professor André Paulilo, diretor do CMU: “Outro aspecto importante do prêmio é de trazer a responsabilidade de divulgação e acessibilidade do acervo”

A cientista social Maria Sílvia Duarte Hadler, pesquisadora do CMU, conta que o programa Memória do Mundo surgiu a partir de discussões sobre patrimônio, memória e preservação no contexto das guerras da Península Balcânica (ex-Iugoslávia), em que muitos patrimônios históricos e culturais estavam sendo destruídos. “Foi um contexto que fortaleceu a discussão sobre a importância da memória e a necessidade de preservação de diferentes suportes relacionados a diversas formas de patrimônio culturalmente significativas para a humanidade. Com a divulgação da iniciativa pela Unesco, existem hoje comitês nacionais do Memória do Mundo em muitos países, como no Brasil desde o começo dos anos 2000.”

O site do MoWBrasil detalha que o programa foi criado pelo diretor-geral da Unesco, Frederico Mayor Zaragoza, preocupado com os efeitos da destruição da Biblioteca de Sarajevo, em 1992, durante a Guerra da Bósnia: (...) “a destruição de cerca de dois milhões de livros, periódicos e documentos, muitos deles raros ou únicos, configurando uma perda de valor incalculável. A percepção de que a maior parte da memória dos povos está contida em documentos bibliográficos e arquivísticos fisicamente frágeis e em constante risco por desastres naturais, guarda inadequada, roubos e guerras exigia respostas que assegurassem a identificação desses acervos, sua preservação e acesso público.”

A proposta desta candidatura vencedora foi do Arquivo Nacional, que detém enorme acervo sobre Bertha Lutz e convidou outras instituições que guardavam documentos sobre a bióloga e ativista política. A documentação reunida representa a trajetória de uma das lideranças do movimento feminista na primeira metade do século XX, bem como da pesquisadora do Museu Nacional, advogada e servidora pública federal no tempo em que poucas mulheres atuavam na administração. Sua trajetória política se confunde com a história do movimento pelo voto feminino no Brasil.

Foto: Scarpa
Maria Sílvia Duarte Hadler, pesquisadora do CMU: “Com a divulgação da iniciativa pela Unesco, existem hoje comitês nacionais do Memória do Mundo em muitos países”

Inseridos neste contexto, explica Maria Sílvia Hadler, os documentos pertencentes ao conjunto Adolpho Affonso da Silva Gordo, apresentados pelo CMU, retratam esse período por meio da correspondência trocada entre o senador e Bertha Lutz. Defensor da causa sufragista, o político sustentou a extensão do direito de voto às mulheres na Comissão de Justiça do Senado. “O acervo de Adolpho Gordo tem mais de cinco mil itens – entre livros, periódicos, manuscritos – e está sendo objeto de um projeto visando à sua digitalização, com patrocínio do ProAC [Programa de Ação Cultural] da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.”

A pesquisadora do CMU é de opinião que o envolvimento de Adolpho Gordo com a questão dos direitos das mulheres se deu um tanto casualmente, enquanto senador da Primeira República com atuação importante e muitas relações com as famílias que dominaram o cenário político na época. “No caso de Bertha Lutz, recebia correspondências assinadas de próprio punho ou pela Federação para o Progresso Feminino, que ela criou. Ele foi um parlamentar que batalhou muito no âmbito do Senado para alavancar as discussões e depois a legislação sobre o voto feminino criada no início dos anos 30.”

Segundo o diretor André Paulilo, o outro importante perfil de Bertha Lutz é da cientista que atuou como bióloga no Museu Nacional – parte importante de suas pesquisas, principalmente com anfíbios, acabou se perdendo no incêndio de trágicas proporções, em setembro do ano passado. “Os anos 20 e 30, para uma mulher, eram um momento de desbravamento do campo científico. E, em paralelo, havia o ativismo político, com uma campanha pelo voto feminino que terminou vitoriosa em 24 de fevereiro de 1932, por meio do Decreto nº 21.076.”

Paulilo lembra que as restrições desta legislação ao voto feminino, que autorizava as mulheres solteiras e as viúvas a votar apenas se tivessem renda, enquanto as mulheres casadas precisavam do aval dos maridos para exercer esse direito, foram eliminadas em 1934. “A própria Bertha Lutz foi candidata da Liga Eleitoral Independente, em 1933, a uma vaga na Assembleia Nacional Constituinte de 1934, pelo Partido Autonomista do Distrito Federal. Parte dessa história está conservada na correspondência entre Bertha Lutz e Adolpho Gordo.”

Maria Sílvia lembra que Bertha Lutz advogou muitas causas sobre a emancipação feminina, incluindo a discussão sobre o divórcio, já em voga nos anos 20, embora não tenha se efetivado. “O voto feminino foi uma bandeira extremamente importante, e não apenas dela, pois anteriormente já havia um movimento pelo reconhecimento do direito político da mulher ao voto”, diz a pesquisadora. O direito ao voto feminino foi aprovado em 1932, mas só seria praticado depois do término do Estado Novo em 1945.


Reconhecimento

Na opinião de André Paulilo, o registro nacional no programa Memória do Mundo é um reconhecimento à qualidade do trabalho de processamento da documentação sobre Bertha Lutz. “Parece-me que o convite para a candidatura colegiada veio também pela organização e tratamento deste material. Outro aspecto importante do prêmio é de trazer a responsabilidade de divulgação e acessibilidade do acervo, disponibilizando-o para qualquer pessoa de qualquer lugar do mundo que se interesse pela temática. O reconhecimento do Memória do Mundo contribui para estruturar estratégias nesse sentido.”

O projeto financiado pelo ProAC para organização do acervo de Adolpho Gordo deve resultar em sua total digitalização até junho deste ano, incluindo as cartas de Bertha Lutz. A pesquisadora Maria Sílvia Hadler adianta, a propósito, que está sendo organizado o 9º Seminário Nacional do Centro de Memória da Unicamp, entre 29 de julho e 1º de agosto, tendo como uma das atividades o 1º Colóquio sobre Gestão do Patrimônio Cultural, com mesas-redondas sobre temas embutidos no acervo de Adolpho Gordo.

 

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: em área interna, imagem close-up e em perspectiva, pessoa folheia com a mão esquerda uma folha de papel sulfite envelhecida, com texto datilografado. O material encontra-se sobre uma suposta mesa, sendo que há outras folhas semelhantes abaixo e ao lado dessa que é folheada. A mão da pessoa, à esquerda na imagem, usa luva transparente. Imagem 1 de 1.