Pesquisa analisa fluxo emigratório paraguaio

Argentina, Brasil e Espanha estão entre os destinos escolhidos por milhares de jovens que buscam emprego e melhores condições financeiras


ReproduçãoO governo paraguaio trata com naturalidade os movimentos de emigração do país, motivados, sobretudo, por cidadãos que buscam trabalho no exterior. É o que demonstra pesquisa desenvolvida no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. O trabalho analisou um dos mais recentes movimentos emigratórios internacionais do país, além de mensurar os impactos do envio de recursos financeiros feitos por emigrantes a seus familiares.

O estudo foi desenvolvido por Caio Valentino durante seu mestrado em demografia. O pesquisador enfatiza que, em razão da grande emigração de jovens trabalhadores paraguaios em busca de melhores condições econômicas nos últimos anos, “o país precisa tomar cuidado se não quiser virar uma fábrica de mão de obra para o exterior”. Segundo Valentino, o governo não está preocupado em perder capital humano para Argentina, Brasil e Espanha, principais destinos dos paraguaios.  

Foto: Perri
O economista Caio Valentino, autor do estudo: “Paraguai corre o risco de virar uma fábrica de mão de obra para o exterior” 

“Como não são oferecidas oportunidades a todos, a migração surge como válvula de escape para o governo paraguaio, aliviando a pressão sobre a demanda por trabalho, além de trazer benefícios econômicos. O cenário é cômodo para as autoridades, pois não há ninguém pedindo emprego a eles”, explica o especialista. A situação fica ainda mais crítica porque, segundo Valentino, uma parcela considerável dos emigrantes que buscaram melhores condições no exterior estava empregada no Paraguai, o que indica que, mesmo atuando em seu país de origem, estão insatisfeitos com as condições oferecidas.

O trabalho acadêmico foi realizado por meio de uma análise quantitativa de dados da Encuesta Permanente de Hogares, pesquisa domiciliar cujo foco é a avaliação do mercado de trabalho paraguaio, e também dos censos demográficos dos principais países de destino dos emigrantes. Em todas as fontes de informações, o ano considerado foi sempre o de 2010. “É o período mais recente e completo de dados que encontramos”, explica Valentino, que é formado em economia.

Na análise, foi possível observar que o perfil da população paraguaia emigrante é majoritariamente feminino, de origem rural, e composto, principalmente, por jovens com nível de escolaridade crescente. Essas perdas populacionais vêm gerando efeitos importantes no Paraguai, que vão desde desarranjos familiares até a diminuição da população de jovens mais escolarizada disposta a contribuir com o trabalho no país.


Motivações históricas

Para definir as razões que levaram ao atual cenário no Paraguai, Valentino reconstruiu a história emigratória do país, definindo como período de estudo o intervalo que compreende o fim da Guerra da Tríplice Aliança (1870) e o ano de 2010. Após o conflito armado do século XIX, as questões políticas estavam entre as principais causas dos movimentos emigratórios. Valentino conta que, devido à Guerra, o país passou por uma situação de muita instabilidade política e econômica e a população masculina foi dizimada.

Os efeitos das batalhas perpetuaram-se até 1947, quando um novo confronto eclodiu, desta vez, a Guerra Civil Paraguaia. Poucos anos depois, mais uma barreira política: o regime ditatorial entra em cena no país e gera ainda mais preocupação. A soma de todos esses fatores contribuiu para que, segundo o cientista, o Paraguai se tornasse um país extremamente dependente, fazendo muita gente ir embora.

Recentemente, os deslocamentos observados foram motivados, principalmente, por razões trabalhistas, que retratam a incapacidade do atual modelo de desenvolvimento econômico paraguaio gerar empregos. Essa situação é “bastante crítica”, segundo o pesquisador, pois o país passa atualmente por seu bônus demográfico, que é o resultado da queda das taxas de fecundidade e mortalidade e o aumento do número de pessoas com idade para trabalhar (15 a 64 anos). “O que deveria ser uma oportunidade ao desenvolvimento do país, está se apresentando como um problema social”, explica Valentino.

Mas, se por um lado houve aumento das perdas populacionais para o exterior, em um momento crucial para o desenvolvimento do Paraguai, por outro, a saída desses indivíduos proporcionou à economia nacional a entrada de novos recursos financeiros, afinal, muitos desses emigrantes enviaram remessas financeiras para ajudar seus familiares que ficaram no país. Estima-se que 9,1% dos domicílios paraguaios receberam esse tipo de ajuda em 2010, e essas remessas foram responsáveis por diminuir os diferenciais de renda em relação àqueles que não contaram com as colaborações.

A grande maioria das pessoas que receberam essa ajuda declarou que os recursos foram utilizados com gastos de primeira necessidade, como vestuário e alimentação. Segundo a pesquisa, não conseguiram destinar o montante recebido para atividades produtivas, que pudessem gerar renda futura, fato que acentua a dependência desse tipo de fenômeno demográfico.

A Argentina é o destino favorito dos emigrantes paraguaios – cerca de 116 mil pessoas chegaram ao país nos cinco anos anteriores a 2010. Em segundo lugar vem a Espanha, seguida por Brasil, onde até 1950 a maior concentração de paraguaios localizava-se em Mato Grosso, cenário que se alterou com a diversificação do fluxo migratório. Hoje, Foz do Iguaçu é o lugar com maior número de paraguaios no país.

Analisando economicamente a relevância das remessas dos emigrantes é possível chamar a atenção para alguns números. Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) do Paraguai em 2010, os recursos enviados representaram 3,5% de seu total. O montante recebido no período também correspondeu a 6% da receita total de exportações no ano e com relação às vendas específicas de produtos, as remessas do exterior ficaram atrás apenas das comercializações de energia elétrica, grão de soja e carne.

Todos os aspectos citados reforçam a importância desses recursos e ajudam a compreender os interesses do Estado paraguaio em continuar recebendo os recursos de seus emigrantes. “Para reverter essa situação, é necessário implementar medidas efetivas em termos de absorção da força de trabalho, o que só se concretizará a partir de profundas transformações no modelo de desenvolvimento econômico paraguaio. Será indispensável estimular setores da economia que sejam capazes de gerar novos postos de emprego” diz Valentino que teve sua pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Agora, o especialista pretende mergulhar em uma nova abordagem dentro do tema de sua pesquisa, analisando os impactos da emigração paraguaia sob a perspectiva dos países destino. “Quero entender o que significou e quais foram os efeitos para Brasil, Argentina e Espanha”, finaliza.

 

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: Imagem aérea, em dia ensolarado, de área urbana com vários prédios distribuídos em toda a imagem, casas e também áreas verdes, que ficam mais densas à esquerda na imagem. Ao fundo, há uma grande rio que corta a imagem da esquerda para a direita. Na outra margem do rio, há uma área com densa vegetação. Imagem 1 de 1.