Memes democratizaram a política, diz pesquisador

Publicitário defende que interação de usuários do Facebook é um passo na consolidação da ciberdemocracia, termo cunhado por Pierre Lévy

A popularidade dos memes do facebook indica que a forma com que os indivíduos se relacionam com a política nunca mais será a mesma. A aposta é do pesquisador e publicitário Renato Georgette Frigo, autor da dissertação de mestrado “Política, Memes e o Facebook no Brasil: em busca da ciberdemocracia”, defendida na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) da Unicamp, com orientação do professor Rafael de Brito Dias. O trabalho foi desenvolvido no programa Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (ICHSA).

Renato fez sua análise com base em uma série de memes políticos entre 2014, período em que ocorreu a última eleição presidencial no Brasil, até 2017, quando estava prestes a defender o mestrado. O pesquisador chegou à conclusão de que os internautas já sabem se expressar muito bem no ambiente digital e assim conseguem influenciar as outras pessoas e as decisões políticas. Isso, por si só, representa um grande passo na direção da ciberdemocracia, conceito criado pelo filósofo francês Pierre Lévy.

A dissertação também aborda o conceito de meme. Renato explica que o termo surgiu muito antes das redes sociais, na década de 1970, quando o biólogo evolucionista Richard Dawkins lançou o livro “O Gene Egoísta”. Para Dawkins, o meme é, para a memória, o que o gene é para a genética, ou seja, sua unidade fundamental. O meme seria a unidade básica do conhecimento responsável pela evolução cultural, assim como os genes são responsáveis por propagar a hereditariedade.

Em outras palavras, os memes são ideias, conceitos ou valores transmitidos e perpetuados conforme a adesão das pessoas. Sem a repetição, o meme é extinto. Um exemplo de meme famoso, destaca Renato, é a canção “Parabéns para você”. “Ninguém te ensinou e você aprendeu. A partir desse momento, você repete a canção em todas as festas de aniversário. As novas gerações vão tendo acesso a esse conteúdo e ele permanece”.

Foto: Perri
O publicitário Renato Georgette Frigo, autor da dissertação: “Embora a grande maioria dos memes políticos seja do tipo persuasivo, os memes engraçados são os que mais se propagaram”

Da mesma forma, tradições que perderam o sentido são memes que, aos poucos, deixaram de circular. “Dawkins entendeu que do mesmo jeito que o gene pode entrar em extinção, o conteúdo e a informação também. Tem informação que se propaga e se mantém, e tem informação que deixa de ser usada, torna-se obsoleta, deixando de fazer parte da nossa vida”, complementa Renato.

Nesse prisma, toda transformação da sociedade é resultado de uma guerra entre os memes dominantes e aqueles que tentam se estabelecer como novo padrão. “A internet é um rio gigantesco de memes por causa da velocidade com que você consegue levar a informação adiante. Isso permite que a cultura mude de maneira muito rápida. Na internet, o meme encontrou o ambiente ideal para crescer e se transformar numa forma de expressão social. Cada vez mais vemos uma autonomia das pessoas em relação ao tipo de conteúdo que elas querem propagar e criar”.

Renato chama a atenção para o meme que está por trás do comportamento populista de alguns políticos como pegar crianças no colo, comer pastel na feira ou beber cachaça. “Dessa forma, o político coloca memes populares dentro do seu discurso para criar uma identificação direta com o público”.

O “meme de Facebook”, essa foto com alguns dizeres que viraliza nas redes sociais, é a prova da independência criativa da população. “Não precisamos mais de uma empresa ou um partido emitindo uma comunicação oficial que depois vai ser propagada. Hoje, qualquer pessoa, seja a favor ou contra qualquer alinhamento político, consegue difundir memes”.

Durante a pesquisa, Renato entrou em vários grupos de memes políticos e fez divisões por categorias: memes persuasivos, de debate, de ataque, de humor. “Embora a grande maioria dos memes políticos seja do tipo persuasivo, os memes engraçados são os que mais se propagaram”.

Em relação ao alinhamento político, os memes “de direita” apontaram para o agravamento dos problemas do país durante os governos “de esquerda”, enquanto os memes “de esquerda” procuravam enaltecer lideranças como Dilma Rousseff ou Luiz Inácio Lula da Silva. Os memes da direita comunicaram melhor e foram até 40% mais compartilhados, de acordo com o pesquisador.

Renato vê com otimismo esse indício de que a ciberdemocracia está se aproximando. “Antes falávamos de futebol e novela, e, agora, falamos cada vez mais de política. Isto mostra que a consciência política cresceu e isso repercute na realidade. Na ciberdemocracia, as pessoas votam por necessidade e não por obrigação”.

O pesquisador lembra que o ex-presidente norte-americano Barack Obama usou o meme da internet para convocar os eleitores negros a votar e dessa forma ganhou a eleição. “As pessoas mudaram a forma de ver a política, e hoje conseguem fazer seu próprio conteúdo. Soltamos as rédeas do modelo antigo de comunicação”.

MEMES ANALISADOS NA PESQUISA

Reprodução

Fase III – Maio/2016 – Afastamento de Dilma Roussef
Tipo de Meme: PERSUASIVO
Origem: PT (@pt.brasil)
Interações: 14.301
Compartilhamentos: 7.046
Comentários: 621

 

Reprodução

Fase I – Outubro/2014 – Reeleição de Dilma Roussef
Tipo de Meme:
PERSUASIVO
Origem: MCC (@MovimentoContraCorrupcao)
Interações: 1.652
Compartilhamentos: 9.123
Comentários: 152

Veja mais dados da pesquisa:
http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/325350/1/Frigo_RenatoGeorgette_M.pdf

 

 

Imagem de capa JU-online

Audiodescrição: Em área externa, imagem frontal e de busto, homem em pé, ao centro, sorri, sendo que mantém o braço esquerdo abaixado e o direito apoiado com o antebraço em uma mureta. Ele usa camisa de botões branca e de mangas compridas, que estão arregaçadas. Ao fundo, em perspectiva, à direita, uma edificação de três andares com sacadas e várias janelas e portas retangulares de vidro, com paredes pintadas de branco. Há palmeiras em frente ao prédio e amplo calçamento com piso intertravado. Imagem 1 de 1