Acadêmicos anônimos


Ilustração: Luppa SilvaAnonímia no mundo acadêmico significa poder. É o que argumenta Robin Warhol-Down no curioso ensaio Academics anonymous: a meditation on anonymity, Power and Powerlessness, publicado na revista Symploké, volume 16, de 2008. O volume é dedicado exatamente à anonimidade, sendo que a revista busca promover o entrelaçamento da erudição (scholarship) cultural, literária e teórica (http://www.symploke.org/). O poder em questão é do revisor, o anônimo parecerista de artigos e projetos. Warhol-Down compara o papel da anonímia na academia com a dos Alcóolicos Anônimos, onde a anonímia teria outro papel: empoderar coletivamente os que não têm poder.

No espírito dos A.A. bem conhecidos, Acadêmicos Anônimos [I] é também o nome de uma seção do Higher Education Network [II] do jornal inglês The Guardian. É um blog seriado onde “acadêmicos contam como são as coisas de fato”, numa tradução livre da chamada. Existe desde 2014 e os leitores são convidados a contribuírem (anonimamente, claro) com relatos de suas experiências no universo do ensino superior. O editor também faz seleções do tipo “os dez mais” do ano. Na seleção de 2016 temos um artigo interessante com o sugestivo título “Estudantes! Seus docentes estão em greve porque estão lutando para sobreviver”. É interessante porque fala de uma greve há dois anos, mas o relato mais recente, agora em março de 2018, é sobre uma nova greve de docentes no Reino Unido em protesto contra uma reforma da previdência que precariza as aposentadorias dos docentes universitários. O artigo no A.A. é sobre o apoio dos estudantes à greve: “Meus estudantes apoiam nossa greve – eles não querem ser consumidores passivos”.

Foto: Reprodução
Foto de manifestação estudantil em apoio a docentes no centro de Londres: imagem ilustra seção “Academics Anonymous”, do jornal inglês “The Guardian”

A contribuição anônima da semana anterior intitula-se “lecionar em uma universidade do Reino Unido começa a se parecer com trabalhar para um negócio” e a de duas semanas atrás fala sobre “a cultura orientada para a performance está arruinando a pesquisa científica”. Com tantos títulos sugestivos eu fico com este, pois o(a) autor(a), um(a) pesquisador(a) que uma década após ouvir pela primeira vez sobre “fator de impacto”, declara que “métricas como essas acabaram dominando o meu trabalho e no fim me levaram a abandonar meu emprego acadêmico permanente e ir para a indústria”. Vale a pena ler seus receios sobre os possíveis efeitos de uma cultura de indicadores chave de desempenho (KPI) sobre a pesquisa científica. Tal cultura, segundo ele(a), significaria que o trabalho científico “cuidadoso, meticuloso e incremental seria crescentemente visto como um anátema na academia, principalmente para aqueles em estágios iniciais da carreira”. Ele(a) ilustra sua tese com uma anedota, daquelas que, se não são verdade, são bem contadas. É sobre a governança Britânica na Índia. “Em Deli, oficiais estavam preocupados com o grande número de cobras. Para reduzir sua população, pessoas eram pagas por cada cobra morta. Quando os administradores se deram conta que algumas pessoas começaram a criar cobras para matar e cobrar a recompensa, o esquema de pagamento foi interrompido. Com isso as cobras criadas foram soltas, causando uma explosão de sua população.”

Voltando um pouco no tempo, um dos relatos publicados no ano passado (outubro) é sobre tema recorrente pelos cafés das nossas universidades: “Estudantes trapaceiam de modos cada vez mais criativos: como acadêmicos podem detê-los”. A linha fina do texto chama a atenção de que pouco irá mudar enquanto os estudantes se sentirem trapaceados pelo sistema. Por lá, um trabalho de conclusão de curso custa 3 mil libras, enquanto que um trabalho final de disciplina sai por 150.

Sobre inclusão (agosto de 2017): “Como terminar o doutorado sendo um estudante da classe trabalhadora e não se sentindo pertencente?” (à classe de doutores).

Lá e cá percebemos problemas parecidos.

Além dos acadêmicos anônimos, outras seções do Higher Education Network merecem também uma visita, incluindo uma dedicada a ensaios fotográficos “Pictures and interatives”. Vejam o ensaio “Vida de um estudante de doutorado - em imagens” ou ainda “Estudantes em todo mundo lutam contra a comercialização de universidades – em imagens”. Em outro canto do portal aparece a “Esquina de Occam” [III] de colunistas e blogueiros “escrevendo sobre ciência, ceticismo, política e a vida científica”.

Por aqui eu chamo a atenção de dois sítios, o Jeduca (http://jeduca.org.br/) da Associação de Jornalistas da Educação, que, claro, é sobre educação em todos os níveis. E não percam o Direto da Ciência (www.diretodaciencia.com) do incansável Maurício Tuffani. Quanto aos blogs, podemos ir para um ponto mais próximo ainda, o Portal da Unicamp e a faixa de divulgação científica com os blogs de ciência da casa [IV].  Mas esses ainda não esgotam os assuntos e nem as fontes. Sempre tem mais, procurem.

 


 

[I] https://www.theguardian.com/higher-education-network/series/academics-anonymous

[II] https://www.theguardian.com/higher-education-network

[III] https://www.theguardian.com/science/occams-corner

[IV] https://www.blogs.unicamp.br/pt_BR/

 

Foto: Reprodução