Nós não estamos no momento de escolher vacinas contra a Covid-19

Se chegou o seu tão esperado dia de ir ao posto de saúde tomar a sua dose de vacina contra a Covid-19, vá com alegria e esperança e tome a vacina que estiver disponível para você. E volte na data marcada para tomar a segunda dose da mesma vacina. Apenas a vacina Johnson & Johnson, que está chegando no Brasil nos próximos dias é aplicada em apenas uma única dose.

Não acredite nas fake News que rolam pelos grupos de WhatsApp e em outros aplicativos de redes sociais, dizendo para tomar a vacina A ou B e não tomar a vacina C. Nós não estamos no momento de escolher vacinas. Nós não temos vacinas suficientes para a população ficar escolhendo. Se você deixar de se vacinar, esperando escolher um imunizante com maior eficácia baseado nos estudos clínicos de fase 3, você corre o risco de se contaminar, de precisar de um leito de enfermaria ou de UTI e de contaminar os seus familiares. Tome a vacina que estiver à sua disposição no posto de saúde, a melhor vacina é aquela que pode ser aplicada imediatamente, a que chegar primeiro no seu braço. Não tome individualmente uma decisão que pode ter impacto no coletivo, pois a vacinação em massa é chave para controlar a pandemia, mantendo as medidas não farmacológicas.

##

 

Caso você não esteja no grupo de pessoas que por razões médicas não podem tomar uma ou outra vacina, você deve tomar a vacina que estiver disponível no dia para sua faixa etária. O conceito de imunização é coletivo, de modo que precisamos atingir ou chegar próximo da marca de 75% da população brasileira vacinada, com qualquer vacina disponível, desde que aprovada e autorizada pela Anvisa. A proteção de todos depende do conjunto total de vacinados. Ter tomado as duas doses de qualquer uma das vacinas disponíveis, não garante que você não seja infectado, caso você relaxe nas medidas não farmacológicas e tenha contato com pessoas infectadas.

Todas as vacinas em uso no Brasil passaram por testes clínicos que mostraram segurança, eficácia e vieram para salvar vidas. Quando você se vacina, você tem um grau de proteção individual após a primeira dose, mas seu corpo ainda está sendo treinado para combater o vírus Sars-Cov-2. Com a segunda dose a resposta é mais robusta, nós temos um grau de proteção individual, mas a imunidade coletiva só será atingida com cerca de 75% da população sendo vacinada, ou talvez um pouco mais do que isso. Até lá, todos tem que usar máscaras, pois você pode ser infectado após a primeira dose ou até após a segunda dose. É fundamental ter essa proteção, que pode impedir você de ter Covid-19 grave, caso seja infectado após a vacinação. As vacinas, todas elas, protegem os vacinados de casos mais graves e mortes pela doença. Os dados de efetividade, quando as vacinas são aplicadas na população real, mostram resultados espetaculares, mostrando alta proteção contra casos mais graves.

Quanto mais pessoas se vacinarem com as duas doses, maior a cobertura da população, maior a proteção de quem não pode se vacinar por razões médicas. Com a vacinação rápida, menor a possibilidade de aparecimento de novas variantes de atenção. Ao se vacinar, você está respeitando a vida. É uma ação social de responsabilidade cívica e coletiva.

As vacinas usadas no Brasil possuem plataformas diferentes e foram testadas em momentos diferentes, com recortes distintos em cada estudo clínico e todas mostraram boa eficácia em proteger os casos mais graves da Covid-19. Não se deve comparar eficácia das vacinas, elas não tem grife. Então, as pessoas não devem escolher vacinas pela eficácia mostrada nos estudos clínicos de fase 3, quando foram testadas em diferentes populações, com diferenças étnico-raciais marcantes e com outras variantes do vírus circulando. Cada uma tem uma eficácia diferente. A população precisa entender o conceito coletivo de imunização, que depende de alta adesão da população às campanhas de vacinação em massa para efetivamente reduzir a gravidade da doença, com diminuição sustentada de casos de internação e óbitos. Se nós não vacinarmos todos e todas rapidamente, ninguém estará protegido, nem mesmo com uma vacina de maior eficácia no contexto individual, pois a vacinação tem que ser entendida como um grande pacto coletivo.

Todas as vacinas em uso mostram, quando aplicadas na vida real, alta efetividade contra casos sintomáticos de Covid-19 e evitam casos que necessitam de atendimento médico, previnem internações e mortes por casos moderados ou mais graves de Covid-19. Vejam que vacina CoronaVac, que por questões políticas mesquinhas, vem sendo combatida de forma irresponsável por setores negacionistas, mostrou no estudo realizado na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, uma queda de 80% nos casos sintomáticos da Covid-19, quando cerca de 96% da população adulta recebeu as duas doses da vacina, apresentando ainda uma queda de 86% nas hospitalizações.

##

Vacinação em massa contribui para salvar vidas

Quando você se vacina, está contribuindo para proteger todos e todas no seu entorno, porque são crianças ou porque por razões médicas, não podem se vacinar.  Esse é um ato de empatia, de responsabilidade social e cívica, você não está pensando só em você, mas na coletividade. Você não vai sair da pandemia sozinho, se a população como um todo, não aderir à campanha de vacinação em massa.

Quanto maior a cobertura vacinal mais rapidamente vamos contribuir para reduzir a circulação do vírus e proteger quem amamos, quem trabalha e convive conosco, nossos amigos. As vacinas protegem todos, não apenas o indivíduo, então com grande número de pessoas vacinadas, diminuímos muito o número de pessoas suscetíveis capazes de transmitir o vírus, a circulação do vírus cai e evitamos mortes pela doença.

Só podemos evitar a circulação do vírus vacinando o maior número de pessoas no menor prazo de tempo.

Nós não temos vacinas para todas e todos

Segundo o mapa da vacinação no Brasil, organizado pelo consórcio de veículos de imprensa (G1, 'O Globo', 'Extra', 'Estadão', 'Folha' e UOL), o Brasil aplicou, em período pouco maior de 5 meses desde o início da vacinação, um total, 88.827,510 milhões de doses até o dia 23/06/2021, o que corresponde a vacinar 30,43% da população (64.436,634 milhões de pessoas) com a primeira dose e 11,52% da população com a segunda dose (24.930,876 milhões de pessoas).

O Brasil ainda não tem doses suficientes de vacinas para imunizar toda a população, então não tem sentido as pessoas escolherem entre as poucas doses de vacinas disponíveis que tiveram maior eficácia nos estudos clínicos de fase 3. Nós temos diferentes vacinas e mesmo assim, não temos número suficiente para vacinar a população em poucos meses.

##

Evite escolher para não correr o risco de ficar sem vacina e ser infectado sem estar imunizado, senão não sairemos nunca desta pandemia. Não perca essa oportunidade de ser vacinado. E nós precisamos primeiro, diminuir o número de casos e frear o crescimento da pandemia.

Se você escolher a vacina A. B ou C, você nem sabe qual variante circulará no país daqui há alguns meses e não necessariamente as vacinas em uso hoje continuarão eficazes. Pode ser que a vacina A, com maior eficácia, não te proteja das novas variantes, pode ser que uma vacina B com menor eficácia te proteja.

A vacina da AstraZeneca perde um pouco de eficácia contra a variante beta (B.1351), que surgiu na África do Sul, mesmo assim ajuda a evitar casos graves e mortes. 

Acelerar muito a cobertura vacinal

O que nós mais precisamos nesse momento é acelerar o processo de vacinação, de modo a rapidamente poder aumentar a cobertura vacinal.

Quanto mais lento o processo de vacinação e quanto mais tempo levarmos para atingirmos uma alta cobertura vacinal, mais chances nós daremos para o vírus, maior a possibilidade de que novas variantes de atenção venham a aparecer. Um cenário de vacinação lenta, com aglomerações e pessoas desrespeitando as medidas não farmacológicas como o uso de máscaras, distanciamento físico e hábitos de higiene das mãos, é tudo que o vírus quer. Nesse cenário, as pessoas não vacinadas e as vacinadas, mesmo com as duas doses, podem se infectar, aumentando a chance de novos casos e mortes. Desta forma, teremos possibilidade de surgimento de novas variantes de atenção do vírus, que nesse processo de evolução natural, de tentar se adaptar ao hospedeiro humano, pode tentar fugir da resposta de proteção produzida pelas vacinas, levando a escape vacinal. Quanto mais variantes de atenção surgirem, maior a probabilidade de que uma delas possa escapar da resposta de proteção oferecida pelas vacinas em uso.

Então, pensando na campanha vacinal, é muito mais importante inocular rapidamente as vacinas em cerca de 75% da população, independente das vacinas aplicadas, desde que aprovadas e autorizadas pela Anvisa. Aí está nossa chance de causar impacto concreto na curva de espalhamento do vírus, levando a quedas sustentadas no número de infectados.

##

A diferença nas eficácias entre as várias vacinas têm influência no número final de pessoas vacinadas necessário para atingir uma cobertura vacinal que nos leve a uma imunidade coletiva. A cobertura vacinal com a aplicação de vacinas com menor eficácia deverá ser maior do que usando vacinas com maior eficácia, o que implica que é preciso vacinar um maior número de pessoas para conter o espalhamento e a disseminação do vírus, mas a velocidade da vacinação é fundamental em ambos os casos. Para nós saírmos da pandemia, precisamos vacinar rapidamente a população e manter as medidas não farmacológicas. Só teremos sucesso no combate ao vírus, com alta cobertura vacinal.

Se sua preocupação for as viagens internacionais no futuro, todas as vacinas em uso no Brasil foram aprovadas pela OMS e à medida que a Covax facility for aprovando as vacinas, muito provavelmente todos os países aceitarão.

Sobre efeitos adversos ao tomar vacina Astrazeneca 

Nós estamos ouvindo relatos de efeitos adversos com a vacina da AstraZeneca e isso é normal. Se você tomou a sua vacina contra a Covid-19, é normal ter dor no local da injeção, dores no corpo ou dor de cabeça ou febre, sentir calafrios, que segundo os especialistas, duram cerca de 24 a 48 horas. Essa vacina usa um vetor viral não replicante, um adenovírus, que é um vírus que causa resfriado comum em chimpanzés. Esse adenovírus carrega um pedaço do material genético da proteína espícula do Sars-Cov-2 para treinar o nosso sistema imunológico para nos defender do vírus no caso de sermos infectados.

Nós nunca tivemos contato com esse adenovírus antes, nosso sistema imunológico não o reconhece. Ao vacinar, o adenovírus entra em nossas células e se comporta como um vírus, causando uma infecção leve, mas de forma bem controlada, pois esse adenovírus é incapaz de se replicar em nosso organismo e não vai causar doença. Por isso sentimos os efeitos adversos quando somos vacinados, como se fosse uma infecção. Mas é só uma simulação de infecção, o adenovírus não completa o seu ciclo, mas é capaz de enganar, de treinar o nosso sistema imunológico, que reconhece que há um inimigo a ser combatido e desencadeia a resposta de proteção. É Ciência gente, é lindo. Salva vidas.

##

Mentiras para desacreditar a Coronavac

No site epidemiologista, também neste post e nesta matéria, podemos encontrar uma análise sobre a queda dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em pacientes idosos que receberam a vacina CoronaVac. Os dados foram compilados pelo epidemiologista Wanderson de Oliveira, ex-secretário do Ministério da Saúde. O levantamento, que usa dados do próprio Ministério da Saúde (disponíveis através do sistema OpenDataSus), mostra que a CoronaVac é a vacina que mais protege contra casos graves da Covid-19, prevenindo 97% das mortes de pessoas infectadas. O levantamento mostra que idosos com 80 anos ou mais que receberam a segunda dose da CoronaVac, cerca de 28 dias antes do início de sintomas da Covid-19, tiveram taxa de cura bem mais alta do que idosos na mesma faixa etária não vacinados ou com vacinação incompleta.

Eu não consigo entender a lógica de defensores do atual governo federal em atacar a vacina CoronaVac, que está contribuindo para salvar milhares de vidas em todas as faixas etárias. É preocupante ler notícias veiculadas nas redes sociais e defendidas por partidários do atual governo, que o Ministério da Saúde estuda ou estudou suspender o uso da CoronaVac no Brasil, ou pelo menos que esta possibilidade absurda tenha sido sequer, vislumbrada. Seria mais um enorme desserviço para todo o Programa Nacional de Imunização e para o combate à pandemia no País.

Pior é tentar entender por que eles batem na CoronaVac, quando defendem outra vacina, a Covaxin, desenvolvida pelo laboratório Bharat Biotech, da Índia, que usa a mesma estratégia e a mesma plataforma de vírus inativado que a CoronaVac. A CoronaVac já teve seu uso emergencial no Brasil aprovado pela Anvisa e aprovado pela OMS, a Covaxin ainda não. Por que desacreditar a CoronaVac e comprar a Covaxin? Eu não sou contra a aquisição da Covaxin, mas vamos aguardar os esclarecimentos sobre essa vacina, já que temos notícias preocupantes de tentativa de compra superfaturada de uma vacina ainda não aprovada para uso emergencial pela Anvisa.

Nós estamos em meio a uma pandemia que está ceifando a vida de milhares de brasileiros, com vacinação lenta e de forma absolutamente irresponsável, membros do atual governo lançam mensagens de possível suspensão da vacinação no Brasil com a CoronaVac, gerando receio, desconfiança, fazendo as pessoas optarem por outras vacinas.

Será que esses irresponsáveis querem desacreditar as vacinas e o processo de imunização para continuar empurrando cloroquina e ivermectina goela abaixo da população brasileira? É um cenário desolador ouvir e ler tais asneiras. Não, não, não, o Brasil não pode renunciar a uma vacina aprovada pela Anvisa. O governo federal tem a obrigação sim, de trazer todas as vacinas possíveis e o mais rápido possível, mas pagando preço justo e com transparência. O Butantan já entregou pouco mais de 52 milhões de doses da CoronaVac ao governo e deve entregar mais 100 milhões de doses.

O Brasil precisa de milhões de doses de todas as vacinas aprovadas pela Anvisa, vacinação rápida, vigilância epidemiológica para testar e isolar infectados e seus contatos, vigilância genômica para detectar as possíveis variantes de atenção surgindo, uma campanha nacional de esclarecimento para orientar a população sobre a importância de uma alta adesão às vacinas, sobre a manutenção do uso de máscaras, distanciamento físico e hábitos de higiene e defendendo todas as vacinas. Se não querem ajudar, creio que é bem melhor ficarem quietos e deixar que a comunidade científica, profissionais da área de saúde e jornalistas do bem ajudem a esclarecer a população, como, aliás, estamos fazendo desde o início da pandemia. Tanto o Ministério da Saúde como seus interlocutores e alguns políticos, quando não atrapalham, certamente já ajudam. Se não querem fazer comunicação para esclarecer a sociedade, que pelo menos não tragam mais desinformação.

Observação: Esse texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião da Unicamp.