HIV: injeções de anticorpos têm bons resultados em macacos

Gristick et al., Nature Structural & Molecular Biology 2016/Divulgação
Estrutura de proteínas mostra os anticorpos 3BNC117 (vermelho) e 10-1074 (azul) ligando-se a pontos diversos da carapaça do vírus SHIV

Um tratamento de imunoterapia, baseado em injeções de dois anticorpos clonados de pacientes humanos com grande resistência natural ao HIV, mostrou-se promissor num teste em macacos, aponta artigo publicado online nesta tarde pela revista Nature.

Os anticorpos, 3BNC117 e 10-1074, foram isolados na Universidade Rockefeller, nos Estados Unidos. Em janeiro deste ano, a Universidade reportou bons resultados do primeiro teste em humanos de injeções de 10-1074, num pequeno estudo envolvendo 19 voluntários portadores de HIV e 14 pacientes saudáveis.

Nesse trabalho, a maioria dos doentes tratada com altas doses do anticorpo teve rápido declínio na concentração de vírus. Parte dos vírus se mostrou resistente, no entanto, e em pesquisas de laboratório essas cepas foram eliminadas, com sucesso, pela aplicação do outro anticorpo, 3BNC117. A pesquisa foi realizada em parceria com a Universidade de Colônia, na Alemanha, e publicada em Nature Medicine.

O estudo publicado agora, de autoria de pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos, da Universidade de Colônia e da Universidade Rockefeller, testou essa abordagem “um-dois” – com o uso de um anticorpo para eliminar os vírus imunes ao outro – em animais infectados com um modelo do vírus HIV, o Vírus da Imunodeficiência Símio-Humana (SHIV).

Os autores descrevem que 13 macacos foram inoculados com o vírus e, três dias depois, receberam injeções de anticorpos. Após o tratamento, a viral caiu a níveis indetectáveis, mas depois que os animais eliminaram os anticorpos, o vírus reapareceu em 12 deles. Alguns meses mais tarde, metade desses animais voltaram, de modo espontâneo, a combater o SHIV com sucesso. Além disso, quatro outros macacos apresentaram melhora no sistema imune.

“Como prova de conceito, nossos resultados demonstram que a infecção por SHIV, estabelecida durante a fase aguda, pode, de fato, ser controlada”, descrevem os autores. “Embora a infecção de macacos resos com SHIV difira da infecção com HIV-1 de várias maneiras importantes, a imunoterapia deve ser explorada como uma forma de controlar a disseminação sistêmica do vírus”.

Referência

Early antibody therapy can induce long-lasting immunity to SHIV

[Nature  doi:10.1038/nature21435]