Edição nº 638

Nesta Edição

1
2
3
4
5
6
8
9
10
11
12

Jornal da Unicamp

Baixar versão em PDF Campinas, 21 de setembro de 2015 a 27 de setembro de 2015 – ANO 2015 – Nº 638

No ar, o legado de Moacir Santos

Lucas Zangirolami Bonetti: autor do projeto deu palestra sobre a obra e a trajetória de Moacir Santos

Lucas Zangirolami Bonetti: autor do projeto deu palestra sobre a obra e a trajetória de Moacir SantosFoi lançado, no último dia 14, o site “Trilhas Musicais de Moacir Santos”, resultado de um projeto desenvolvido pelo aluno da Unicamp, Lucas Zangirolami Bonetti, que recebeu apoio do programa Rumos, do Instituto Itaú Cultural. Parte do conteúdo do site foi desenvolvida para a dissertação de mestrado de Lucas, tema de reportagem no Jornal da Unicamp. Em uma das salas do Instituto de Artes (IA), Lucas deu uma palestra sobre o compositor e sobre o conteúdo disponibilizado na página da internet.

“O objetivo é levar ao público transcrições em partitura de algumas das trilhas musicais compostas por Moacir Santos para o cinema brasileiro, no início da década de 1960 e também outras informações complementares, de modo a ser um ponto de referência sobre o tema, de acesso universal e gratuito”. A obra do maestro, arranjador e compositor que viveu boa parte de sua trajetória profissional nos Estados Unidos, vem sendo resgatada principalmente após a iniciativa dos músicos Mário Adnet e Zé Nogueira, que transcreveram alguns de seus arranjos originais, cinco anos antes do compositor morrer, em 2006.

Adnet e Nogueira lançaram três livros de partitura: Coisas, Ouro Negro e Choros & Alegria disponibilizando o material que ajudou na difusão da obra do compositor e na realização de trabalhos acadêmicos. Eles também gravaram o álbum duplo Ouro Negro, com as participações de Milton Nascimento, João Donato, Gilberto Gil, Djavan, Ed Motta e do próprio Santos. “Podemos encarar esse site como uma continuação natural desse legado de resgate da obra de Moacir”, afirma Lucas.

O aluno da Unicamp, que agora está no doutorado, especializou-se em trilhas musicais para o cinema, que Moacir Santos fez quando ainda estava no Brasil. Estão disponíveis no site as partituras das trilhas dos filmes do período brasileiro: Seara Vermelha, Ganga Zumba, Os Fuzis e O Beijo. A página traz ainda informações gerais sobre os filmes e a análise das trilhas sonoras. Do conteúdo para além da dissertação, Lucas acrescentou filmes do período norte-americano com um estudo preliminar das trilhas. A página já está online (http://www.trilhasmoacirsantos.com.br/trilhas_moacir_santos.html).