HC participa de Mutirão de Cirurgias do Governo do Estado

Edição de imagem

O Hospital de Clínicas integrou, durante o defeso eleitoral – de 1º de julho até 30 de outubro –, o Mutirão de Cirurgias do Governo Estadual nas áreas de colecistectomia, hérnia, vesícula, urologia, ortopedia e oftalmologia. Desde o início da parceria, o HC da Unicamp vem realizando consultas pré-operatórias, cirurgias e exames laboratoriais e de imagem, sempre efetuados aos finais de semana. As ações do Mutirão Paulista envolvem 33 hospitais e 45 Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) em todo Estado, mobilizando mais de três mil profissionais de saúde.

O Mutirão de Cirurgias do Governo Estadual se propôs a zerar as filas acumuladas quando os leitos foram priorizados para o atendimento da covid-19, durante os anos de 2020 e de 2021. O HC da Unicamp realizou 4.500 avaliações e cirurgias durante o mutirão. A ação está sendo conduzida pela superintendência em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde, através da Diretoria Regional de Saúde (DRS-7). “Sem essas ações, estima-se que seriam necessários pelo menos dois anos para zerar a espera em todo o estado”, ressalta Fernanda Penatti Ayres Vasconcelos, diretora da DRS-7.

A primeira atuação do HC da Unicamp foi no dia 30 de julho, com a realização de 153 avaliações pré-operatórias de pacientes agendados pelos municípios através da DRS-7. Em seguida, nos dias 27 e 28 de agosto, ocorreram as primeiras cirurgias de hérnia e de vesícula, efetuadas pela equipe do HC, em Pedreira, no Hospital Humberto Piva. Até o momento, a parceria com o Hospital Humberto Piva resultou em 46 cirurgias (hérnias inguinais, bilaterais, umbilicais, incisionais e de hemorróidas). Ao todo, serão oito finais de semana em que as equipes de médicos cirurgiões e cirurgiões residentes da Unicamp estarão em campo no hospital de Pedreira.

Na primeira semana de setembro (03-09), a mobilização do HC foi um recorde dentro da campanha do Mutirão, já que o hospital atendeu o maior número de pacientes em um único dia: 1700 de um total de 9,2 mil programados em todo o estado. Foram realizadas consultas de avaliação pré-operatórias para colecistectomia (retirada da vesícula biliar), além de exames laboratoriais e de imagens. A força tarefa mobilizou profissionais médicos, de enfermagem, da radiologia, da coleta laboratorial e de setores administrativos e segurança. Compareceram pacientes de toda a Região Metropolitana.

“Em setembro, realizamos a maior mobilização do estado no Mutirão de Cirurgias. Foram mais de 75 profissionais de saúde do Hospital das Clínicas e docentes da FCM atuando para o atendimento de toda a região. Toda a expertise do HC, reconhecido por sua excelência, ficou à disposição das sete da manhã às 19 horas para a redução das filas acumuladas durante a pandemia”, destacou a superintendente do Hospital das Clínicas, Elaine Cristina de Ataíde, que acrescenta: “As cirurgias de especialidades mais complexas estão ocorrendo no nosso centro cirúrgico, como as de urolitíase, realizadas nos últimos dias 5 e 6 de novembro”.

Dentro do dia de maior mobilização da história do hospital, em setembro, 316 pacientes realizaram exames laboratoriais, entre eles hemograma, coagulograma e exames bioquímicos como AST, ALT, GGT, fosfatase alcalina, bilirrubina, sódio, potássio, lipase, amilase e glicose. “Quatorze profissionais do LPC atuaram das 9 às 18 e coletaram 2887 amostras”, relata Cristina Cobra Azevedo Barreto. Na radiologia, a realização dos exames de imagens foi importante para avaliar melhor os órgãos e suas estruturas adjacentes. De acordo com o diretor da Unidade, Carlos Henrique Gomes de Oliveira, foram atendidos 271 pacientes para exames de raio-x de tórax. Nove profissionais conduziram os atendimentos até as 17 horas no dia do mutirão.

Segundo Paola Ravida, ex-aluna e residente de cirurgia (R2) da FCM, a experiência de participar de uma atividade dessa proporção, e com a prerrogativa de atender a população que foi prejudicada pela suspensão de procedimentos devido à pandemia do covid-19, foi gratificante pessoal e profissionalmente. “Eu auxiliei tanto nos atendimentos ambulatoriais como nos dias de cirurgia. Um mutirão bem planejado nos permitiu ver que, com apenas um dia de atendimento e com o esforço conjunto das equipes do HC, pudemos deixar prontos centenas de pacientes preparados para cirurgia”, comenta Ravida.

Nesse sentido, ela considera que hospitais especializados, do perfil do HC da Unicamp, sempre estão adequados a desafios como esse e com atendimento de qualidade. “Sou grata por fazer parte da equipe e participar de ações como essa, podendo devolver à população atendida pelo hospital um pouco de tudo aquilo que aprendi e continuo aprendendo no meu principal local de aperfeiçoamento profissional”, afirmou.

O professor Nelson Andreolo, titular da gastrocirurgia, considera que o mutirão está sendo positivo e conclui que esse projeto deve ser pensado pelos governantes como uma ação contínua todos os anos. Em relação aos resultados da participação da Unicamp, o titular da cirurgia disse que alguns dos pontos positivos da iniciativa foi a identificação de pacientes mais graves com câncer e que foram imediatamente encaixados para tratamento nos ambulatórios do HC. “As cirurgias represadas devido à pandemia demonstram a relevância do HC e de suas equipes para toda a região, por isso, foi o hospital escolhido pelo governador como parceiro nesse mutirão”, sublinhou.

Matéria originalmente publicada no site do HC da Unicamp.

Imagem de capa
Mutirão de Cirurgias aconteceu nas áreas de colecistectomia, hérnia, vesícula, urologia, ortopedia e oftalmologia

twitter_icofacebook_ico

Atualidades

Leonardo Tomazeli Duarte, Ana Flávia Nogueira e Anete Pereira de Souza tomam posse em janeiro de 2023

Obra reúne acervo de Rogério Cerqueira Leite; edição estará disponível para venda em breve nos sites das editoras

O papel do rap e da educação na busca pela superação do racismo e da violência foi um dos temas debatidos

Cultura & Sociedade

O evento foi organizado pela Proec e reuniu mais de 700 participantes, de oito estados, com a apresentação de 189 trabalhos; confira a reportagem completa sobre as palestras e entrevistas com os convidados 

Fruto de parceria com jovens indígenas do país, obra “Still I Rise” traz relatos de experiências de impacto para o empoderamento de povos originários