Doutorando do NICS, Micael Antunes estreia composição no Festival Gaudeamus, na Holanda

Quem somos e como a música que produzimos nos representa? Esta é a pergunta que motivou a composição Gestos: Um Tributo a Jaques Morelembaum, do músico e doutorando do NICS Micael Antunes, que terá sua estreia no Festival Gaudeamus, na Holanda, no dia 10 de setembro.

A obra é uma homenagem ao músico Jaques Morelembaum, conhecido como a alma do violoncelo brasileiro. Amplamente premiado e renomado no meio musical, Morelembaum já trabalhou com artistas como Tom Jobim, Caetano Veloso, Gal Costa, Ivan Lins, Julieta Venegas, David Byrne, Sting, entre outros.

Realizado na cidade de Utrecht, o Festival Gaudeamus apresenta um viés contemporâneo, mesmo após seus 75 anos de existência. Ao inserir-se no meio urbano, o Festival buscou adaptar-se para não perder a proximidade da relação entre público e som, trazendo predominantemente músicos jovens como uma forma de dar maior visibilidade aos novos talentos.

A Performance De Gestos

Gestos é uma obra para violoncelo solo e eletrônica, com um viés contemporâneo na relação entre instrumento, processamento digital e sons eletrônicos. A composição foi inspirada por uma performance, a que Micael assistiu em 2015, do Cello Samba Trio, grupo com uma visão panorâmica do samba liderado por Morelembaum.

"Acho que nossas expressões artísticas emergem de interações, conflitos e belezas da vida cotidiana. No contexto do violoncelo, o Jaques Morelenbaum representa esses conflitos e a pluralidade: às vezes, apresenta-nos uma ambientação super melódica, como uma obra romântica europeia, às vezes imita o canto sutil de João Gilberto. Pode imitar um contrabaixo, brincar com efeitos e ruídos das cordas, ou mesmo ser um instrumento de percussão. Retratar todas essas faces do violoncelo do Morelenbaum é a ideia de Gestos", diz Micael.

Ambiguidade e Movimento 

Quanto à pergunta inicial que motivou a composição de Gestos, Micael não chegou a uma resposta, mas explica que a questão remete a dois aspectos importantes: ambiguidade e movimento. A ambiguidade é observada nos conflitos que o sincretismo da música brasileira carrega em relação ao histórico colonialista. "Acho que o sincretismo não é pacífico, mas reflete vários conflitos na vida social e política até hoje", diz.

Já o movimento diz respeito à pluralidade da música brasileira, um sintoma desses conflitos complexos que levam à emergência de uma diversidade de soluções artísticas. "Entendo que a performance do violoncelo em nossa música, com a musicalidade de Morelembaum, é representativa desse sincretismo que atravessa a nossa cultura", explica o autor.

A Influência do Projeto Cellomondo

O avanço da composição de Gestos se deve, em grande parte, à participação de Micael no Projeto Cellomondo em 2021. Organizado por Katharina Gross, violoncelista e performer austríaca, o projeto convida jovens artistas de diversos países para a criação de obras que desenvolvam e aprimorem a expressividade do violoncelo, por intermédio inclusive de instrumentos eletrônicos.

No contexto da colaboração, Micael contou com o auxílio do compositor Aurélio Edler-Copes, para a performance eletrônica em tempo real, e da própria idealizadora do projeto, Katharina Gross, como instrumentista.

Participação no NICS

Micael Antunes é estudante do Instituto de Artes da Unicamp e desenvolve sua pesquisa de doutorado através do NICS. O Núcleo auxilia-o em seu trabalho por meio do suporte de softwares para análise musical e com o laboratório de comunicação sonora, que pode ser utilizado como um estúdio, por ter um ambiente de áudio imersivo com oito alto falantes.

"O NICS centraliza uma série de pesquisas e cursos que ajudam também na minha formação como músico. Ele é fundamental para que eu possa aprender sobre as práticas da música contemporânea e para que eu tenha suporte para o que estou fazendo agora", ressalta o músico.

Matéria originalmente publicada no site da Cocen.

Imagem de capa

Micael Antunes, que terá estreia no Festival Gaudeamus, na Holanda, no dia 10 de setembro.
Micael Antunes, que terá estreia no Festival Gaudeamus, na Holanda, no dia 10 de setembro.