Jardim medicinal recupera saberes ancestrais

foto mostra roda de pessoas em um gramado embaixo de uma árvore
Inauguração marcou encerramento de oficina promovida pelo Espaço Cultural Casa do Lago

Foi inaugurado na última sexta-feira (24) o Jardim Medicinal do Espaço Cultural Casa do Lago, no campus da Unicamp. A inauguração ocorreu durante o último encontro da oficina Cultivo de Plantas Medicinais, Conhecimentos Ancestrais e Científicos, realizada entre abril e junho. A atividade proporcionou a troca de conhecimentos e experiências sobre medicamentos fitoterápicos e o resgate dos saberes populares e ancestrais sobre cultivo de plantas medicinais e seus recursos terapêuticos. Cerca de 40 pessoas participaram do evento, entre membros da comunidade universitária e público externo. 

A instalação dos canteiros teve a participação de estudantes indígenas da Unicamp, que ali fizeram pinturas tradicionais de suas etnias, registrando a presença dos saberes ancestrais no cultivo das plantas. "Fiz um grafismo representando povos indígenas do Alto Rio Negro, de onde venho. Pensei em representar uma maloca, que para nós é a casa dos saberes”, explica John Abé, da etnia Dessano. “Os dois pilares representam a estrutura central presente nas malocas, e o banco, o local onde os mais velhos se sentam para transmitir seus saberes aos mais novos", detalha. 

foto mostra canteiro de plantas decorado com uma pintura indígena e os dizeres "amazonas alto rio negro"
John Abé: “Os pilares representam a estrutura central presente nas malocas, e o banco, o local onde os mais velhos se sentam para transmitir seus saberes aos mais novos"

Wayttiran Cruz e Kawyran Pires também deixaram sua marca no jardim. Membros da etnia Kariri Xocó, grupo Bokuya, os estudantes recuperaram uma tradição feminina de seu povo.  “Essa é uma pintura sagrada das mulheres de nossa etnia. Ela significa que nosso corpo está seguro, e é feita para participarmos de cantos e danças", comenta Wayttiran. As pinturas foram coordenadas pela artista plástica Silvia Matos. "É um trabalho espontâneo que mostra as vivências de cada etnia. Foi um prazer contribuir com eles e sugerir ideias em relação à técnica de pintura", avalia. O projeto teve ainda o apoio das produtoras culturais Rosângela Martinhago e Flávia Sales. 

Coordenadora da Casa do Lago, Silvana Di Blasio comemora a inauguração do espaço. “Estamos felizes com a instalação desse conjunto de canteiros de plantas medicinais, que têm raízes na ancestralidade indígena e também chancela científica”. Segundo Di Blasio, outras ações estão previstas para o segundo semestre, como teatro, dança, culinária e contação de histórias. "São atividades que se relacionam com histórias e saberes indígenas. Há todo um campo de pesquisa a ser explorado", pontua. 

Presença na farmacologia

A oficina foi ministrada pelo professor João Ernesto de Carvalho, docente da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), e por Mariana Nagle, doutora em Engenharia Agrícola pela Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp. Eles desenvolvem um projeto semelhante no Programa UniversIDADE, voltado ao público da terceira idade. "Esperávamos um público mais velho, mas foi bem diversificado. Tivemos participantes na faixa dos 20 a 30 anos e aposentados. O público mais idoso já é consumidor de chás e plantas medicinais, mas os mais novos também buscam conhecimentos recebidos pela família, dos pais e avós", relata Mariana Nagle. 

foto mostra integrante do evento plantando uma muda de árvore
Cerca de 40 pessoas participaram da inauguração do jardim; novas atividades estão previstas para o segundo semestre

Durante os encontros, os participantes tiveram acesso a informações teóricas sobre o uso de plantas medicinais e seus benefícios para a saúde e aprenderam técnicas de cultivo e manejo. "A oficina teve como foco saberes ancestrais e científicos, por isso utilizamos plantas descritas pela Farmacopeia Brasileira, que já contam com estudos desenvolvidos e aprovação da Vigilância Sanitária", explica. 

"A maioria dos medicamentos baseados em plantas que existem nas farmácias derivam de conhecimentos indígenas ancestrais. Os estudos científicos são provocados justamente por esses saberes", observa João Ernesto de Carvalho. Atualmente, cerca de 30% dos fármacos industrializados são baseados em compostos extraídos de plantas medicinais, e estão presentes em grande variedade de remédios, desde analgésicos até drogas usadas em tratamentos contra o câncer. 

composição de fotos mostram plantas medicinais plantadas nos canteiros com placas indicativas
Espécies medicinais plantadas no jardim são reconhecidas pela Farmacopeia Brasileira e têm uso aprovado pela Anvisa

Os pesquisadores tiveram o cuidado de alertar para os riscos envolvidos no consumo de espécies vegetais ainda não estudadas e sem a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Segundo João Ernesto, disseminar o conhecimento científico sobre os fitoterápicos é uma forma de valorizar os saberes indígenas e combater as informações falsas e o charlatanismo na oferta de ervas supostamente milagrosas. 

"As plantas não foram criadas para nos darem medicamentos. Os vegetais produzem substâncias em seu metabolismo para se defenderem de insetos, pragas, fungos, e liberam compostos aromáticos para polinização, entre outros. Eventualmente, algumas delas podem servir como medicamentos e, por isso, precisamos conhecê-las", argumenta. 

foto mostra cateiros de plantas medicinais decorados com pinturas indígenas e uma mandala para cultivo de plantas
Inauguração do Jardim Medicinal da Casa do Lago
foto mostra silvia matos, artista plástica. ela é idosa, de cabelos grisalhos, veste blusa verde e máscara
Silvia Matos, artista plástica
foto mostra silvana di blasio, coordenadora da casa do lago. ela tem cabelos castanhos e ondulados e veste máscara
Silvana Di Blasio, coordenadora da Casa do Lago
foto mostra fernando coelho, pró-reitor de extensão e cultura. ele é calvo e veste máscara
Fernando Coelho, pró-reitor de Extensão e Cultura

Imagem de capa

foto mostra três canteiros de plantas em um gramado, eles são altos e decorados com pinturas indígenas. ao fundo, está o prédio da casa do lago, no campus da unicamp. o prédio tem formato de parábola e envidraçado
Espaço inaugurado em 24 de junho na Casa do Lago exibe pinturas tradicionais indígenas