Morre o professor do IB José Camillo Novello

No dia 6 de janeiro, prematuramente, deixou-nos o professor José Camillo Novello, do Departamento de Bioquímica e Biologia Tecidual da Unicamp.

O professor Camillo chegou à Unicamp ainda nos anos de 1970. Inicialmente, trabalhou no Laboratório de Química de Proteínas com os professores Benedito de Oliveira e Sergio Marangoni. Nesse período, dedicou-se à caracterização bioquímica de venenos de artrópodes e serpentes. As habilidades laboratoriais que transferiu são contadas com diversão por seus alunos, sempre orientados com cordialidade.

Pesquisador era dono de um humor discreto e sutil, gostava de um bom papo, sempre com um cafezinho
Pesquisador era dono de um humor discreto e sutil, e gostava de um bom papo, sempre com um cafezinho

Ao fim dos anos 1990, debruçou-se sobre o campo da proteômica, tendo sido um dos pioneiros no Brasil nessa área. Coordenou a primeira publicação brasileira sobre o tema (doi: 10.1002/pmic.200390031), oriunda de um dos projetos financiados pela Fapesp sobre o Genoma Funcional da Xylella fastidiosa.

Dono de um humor discreto e sutil, gostava de um bom papo, sempre com um cafezinho. Mais recentemente, gostava muito de falar dos netos e dos filhos que moram fora do Brasil.

Nos últimos anos, enfrentou muitos desafios de saúde, que nunca mudaram sua gentileza e bom humor quando, com um cafezinho, falava de política, futebol e da evolução de seus ex-alunos. Tinha orgulho de seus netos científicos, os quais, com alegria, abordava nos corredores do IB-Unicamp.

Sua figura carinhosa fará falta, mas seu legado científico e pessoal permanece entre nós.

Imagem de capa

Docente foi um dos pioneiros no campo da proteômica e coordenou a primeira publicação brasileira sobre o tema 
Docente foi um dos pioneiros no campo da proteômica e coordenou a primeira publicação brasileira sobre o tema