II Encontro de Universidades MetaRed Brasil tem início on-line

Começou nesta quarta-feira (2) o II Encontro de Universidades MetaRed Brasil, rede formada por Instituições de Ensino Superior do país que promove a troca de experiências e o desenvolvimento de projetos para ampliar e aperfeiçoar o uso de recursos digitais no ensino, pesquisa e gestão das universidades. Realizado de forma on-line, o evento contará com discussões a respeito de temas como estratégias de ensino híbrido, inteligência artificial e cibersegurança. 

O reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, participou da abertura do encontro compartilhando um pouco da experiência e do aprendizado obtido pela Universidade ao longo de 2020 em uma mesa redonda com Daniel Castanho, presidente do Conselho da Anima Educação. Participaram ainda do primeiro dia de encontro Hermes Ferreira Figueiredo, presidente-reitor da MetaRed Brasil; Anderson Pereira, diretor da Universia Brasil; Fábio Reis, secretário executivo da MetaRed Brasil; e Tomás Jiménez Garcia, coordenador da MetaRed Global. 

Antes do diálogo entre Marcelo Knobel e Daniel Castanho, os participantes puderam ouvir um balanço das discussões já realizadas durante o III Encontro de Reitores e Presidentes, realizado em outubro também pela MetaRed Brasil. Hermes Figueiredo enfatizou que, por conta do próprio avanço tecnológico, as universidades já experimentam um processo de digitalização que exige o replanejamento de várias práticas. Porém, a pandemia do coronavírus tornou isso ainda mais evidente, demandando não apenas o encontro de soluções tecnológicas, mas a necessidade de se estabelecer projetos abrangentes. "A experiência recente mostra que, no entanto, não basta que as instituições tenham acesso à tecnologia e à infinidade de ferramentas disponíveis na atualidade sem estabelecer novas atitudes e novos comportamentos. A nova realidade global exigirá das nossas instituições a implementação de projetos consistentes e sustentáveis", afirmou Figueiredo. 

foto mostra o reitor marcelo knobel sentado à mesa conversando
Marcelo Knobel: "Precisamos aproveitar esse impulso que a pandemia trouxe para a conexão digital"

Ao longo do debate, o reitor Marcelo Knobel explicou que, apesar de ser uma universidade de excelência, a Unicamp não contava com a necessidade de adequar seu trabalho para o formato remoto por conta da pandemia, situação compartilhada com outras instituições do país. Mesmo com as dificuldades iniciais, ele considera que a Universidade tem obtido sucesso nessa tarefa: "Nós conseguimos fazer uma transição muito cuidadosa e muito complexa: 97% das disciplinas da Unicamp foram mantidas na forma remota, mesmo as disciplinas em laboratório", compartilhou. 

Para Knobel, o processo de adaptação é constante e inclui a realização de workshops, cursos de formação e outras experiências que têm sido positivas. Ele acredita que essa bagagem acumulada por professores e gestores das universidades deve ser aplicada em novos projetos. "Precisamos aprimorar ainda mais, por isso redes como a MetaRed são tão importantes. Agora o próximo passo é aproveitar e criar novas disciplinas, novos cursos em conjunto com as universidades, com estudantes de diferentes áreas, com professores de diferentes instituições. Nós precisamos aproveitar esse impulso que a pandemia trouxe para esta possibilidade de conexão digital para trazer inovação ao nosso setor", comentou o reitor. 

Daniel Castanho também dividiu com os participantes situações que provocaram nele questionamentos sobre o processo de ensino que ocorre hoje nas universidades. Ele defendeu que os recursos digitais possam ser utilizados para aprimorar a transmissão de conteúdos, de forma que os momentos de interação, presenciais ou remotas, sejam valorizados e enriquecidos. "Eu acredito que, ao invés de pensarmos em ensino presencial e à distância, devemos pensar em ensino síncrono e assíncrono. Os dois têm seus benefícios, pois o que é importante? A interação, a conversa, a construção coletiva. Para mim, essa é a grande diferença. Tudo pode ser resumido em uma questão: a qualidade da presença. É a qualidade da presença que define o valor de uma escola", pontuou Daniel. 

foto mostra daniel castanho em pé, com microfone em mãos, falando em um evento
"É a qualidade da presença que define o valor de uma escola", afirma Daniel Castanho (foto: Projeto Draft)

A discussão foi acompanhada por questões colocadas pelos participantes a respeito das maiores dificuldades e acertos que os gestores acreditam ter obtido ao longo desse período. O encontro foi encerrado com uma apresentação de Tomás García a respeito das projeções da MetaRed Global para 2021 e um balanço das atividades da MetaRed Brasil apresentado por Fábio Reis. 

"A ideia é deixar de trabalhar de forma isolada"

A MetaRed é uma rede internacional composta pelo Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia, México, Portugal e Espanha, além dos países da América Central e Caribe. Ela tem o objetivo de promover debates e trabalhos colaborativos sobre o uso de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) nas 810 universidades integrantes e 1.489 agentes educacionais participantes. No país, a MetaRed Brasil conta com mais de 50 universidades integrantes, públicas e privadas. Nela, a Unicamp é responsável por coordenar o Grupo de Trabalho de Tecnologias Educacionais, sob responsabilidade do professor Marco Antonio Garcia de Carvalho, coordenador do Grupo Gestor de Tecnologias Educacionais (GGTE). 

"A ideia de uma rede é deixar de trabalhar de forma isolada, compartilhar os problemas, as fortalezas, criar sinergias", explicou Fábio Reis em seu balanço da atuação da MetaRed Brasil em 2020. O encontro segue até esta sexta-feira (4) on-line e os links para acesso às videoconferências estão disponíveis na página da MetaRed Brasil
 

Imagem de capa

imagem mostra logomarca da metared
IES integrantes da rede vão discutir desafios e soluções para o uso das Tecnologias de Comunicação e Informação no Ensino Superior