Cotuca voltará a prédio próprio no segundo semestre de 2020

audiodescrição: fotografia colorida mostra trabalhadores de costas em obras na janela de uma casa
Obras iniciaram em fevereiro

As obras para a readequação do prédio do Colégio Técnico de Campinas (Cotuca) começaram neste mês e devem ser concluídas até agosto. A expectativa é que os alunos e professores possam estar, no segundo semestre letivo, já no antigo prédio, de onde precisaram sair em 2014 por falta de condições de uso. A recuperação do local é de responsabilidade da Campinas Decor, em parceria com a Unicamp. 

audiodescrição: fotografia colorida mostra rosto da professor Vanessa, diretora do Cotuca
Revitalição do Cotuca traz ânimo para alunos e professores, afirma diretora do Cotuca, Vanessa Bavaresco

“Para toda a comunidade do colégio a revitalização está sendo fundamental. É uma injeção de ânimo porque estávamos sem o nosso lugar desde 2014. A grande expectativa é ver como o prédio vai ficar e depois colocar toda a infraestrutura para voltar em meados de agosto”, aponta a diretora do Cotuca, Vanessa Petrilli Bavaresco. O Colégio vem funcionando, desde a saída do local, em prédio alugado no bairro Taquaral. 

A coordenadora-geral da Unicamp, Teresa Atvars, reforça a importância da articulação entre a Universidade e a Campinas Decor, lembrando que já foram realizadas outras duas revitalizações através da parceria: na Fazenda Argentina e na Estação Guanabara. O retorno do Cotuca ao prédio, avalia, trará benefícios não só à comunidade escolar, mas também ao entorno do local, que acabou perdendo atividades, como estacionamentos e lojas, em decorrência da saída do Cotuca. “É um grande orgulho para a cidade que a gente possa ter essas parcerias e recuperar as edificações históricas. Vai ser um ganho muito grande para os alunos, para os professores e para a própria cidade, que ganha um espaço qualificado”.

audiodecrição: fotografia colorida mostra coordenadora geral da unicamp, teresa atvars, dentro do prédio do Cotuca, ela está em pé apontando para detalhes da obra
Para coordenadora geral da Unicamp, Teresa Atvars, Prédio do Cotuca é emblemático para a história da educação em Campinas

O fato de se tratar da conservação de um prédio importante história da educação em Campinas, e tombado como Patrimônio Histórico, também é ressaltado por Teresa como um motivo de felicidade para a Unicamp. “Esse prédio é espetacular. Não é só um prédio antigo, é emblemático da história da educação de Campinas. Além de ter a questão arquitetônica, ele traz a história da educação campineira”, afirma.

audiodescrição: fotografia colorida mostra coordenadora do Campinas Decor, Sueli, de perfil
A coordenadora do Campinas Decor, Sueli Cardoso, destaca a relevância de atuarem na preservação de patrimônios públicos

Os elementos históricos, na revitalização, não serão alterados, garantindo sua preservação, explica a coordenadora da Campinas Decor, Sueli Cardoso. O foco é a manutenção. Além disso, a rede elétrica e hidráulica serão totalmente refeitas, para que atendam às necessidades do Colégio. Sueli também salienta a relevância, para a Campinas Decor, de atuarem na readequação de um prédio público. “Para a gente foi muito gratificante porque estamos pegando um prédio histórico, uma joia da nossa cidade, pouco conhecido e pouco valorizado, e poderemos devolvê-lo para ser usado, e bem usado, com o retorno do Cotuca”, diz. A Campinas Decor, maior mostra na área de arquitetura, decoração e paisagismo do interior de São Paulo, realiza a sua exposição de 2020 entre abril e maio. Nos meses subsequentes, o espaço será adequado para o retorno do Cotuca.  

O prédio

 

Audiodescrição: fotografia colorida mostra fachada de prédio histórico, na cor amarela
Construção do prédio do Cotuca foi finalizada no ano de 1918

Localizado na Rua Culto à Ciência, na região central de Campinas, o prédio batizado de “Complexo Bento Quirino” foi concluído em 1918 pelo engenheiro e arquiteto Francisco de Paula Ramos de Azevedo. A construção foi realizada com a recomendação de que ali funcionasse um colégio técnico, pedido realizado em testamento pelo vereador abolicionista Bento Quirino dos Santos, falecido em 1915. Em 1967 o Cotuca é fundado e passa a funcionar nas instalações. 

Segundo a organização do Campinas Decor, a reestruturação do espaço custará entre R$10 e 12 milhões. A Unicamp financia parte de obra, com R$2,8 milhões. O valor, já previsto no orçamento aprovado em 2019, é relativo à estrutura da cobertura, aquisição de materiais e contratação de serviços.

audiodescrição: fotografia colorida mostra trabalhador com capacete andando dentro de um casarão. ao fundo há uma porta grande onde está uma pessoa
Obras iniciaram em fevereiro
audiodescrição: fotografia colorida mostra trabalhadores com capacetes trabalhando em janelas. a coordanadora geral da unicamp, teresa atvars, está olhando o trabalho
Coordenadora geral da Unicamp visitou obras na quinta-feira (13)
audiodescrição: fotografia colorida mostra duas pessoas, um homem e uma mulher, dentro de uma sala medindo a parede
Equipe do Campinas Decor já está trabalhando na mostra
audiodescrição: fotografia colorida mostra trabalhador, de costas, trabalhando em uma janela janela
Obras iniciaram em fevereiro
audiodescrição: fotografia colorida mostra fachada de prédio amarelo, um casarão histórico. há dois homens na janela trabalhando em revitalização
Obras iniciaram em fevereiro
Audiodescrição: fotografia colorida mostra a coordenadora do campinas decor, sueli, e a coordenadora geral da unicamp, teresa atvars, em pé, frente ao prédio do cotuca. elas estão posando para a foto
Sueli Cardoso, coordenadora do Campinas Decor, e Teresa Atvars, coordenadora geral da Unicamp

Imagem de capa

Audiodescrição: fotografia colorida mostra fachada de prédio do Cotuca, um casarão histórico de cor amarela
Prédio do Cotuca